QUARENTENA NO ELVIS PRESLEY INDEX

O Elvis Presley Index está com atividade reduzida por tempo indeterminado em função da pandemia de Coronavírus.


Apesar de o Elvis Presley Index não ser afetado ou ter a obrigação de fechar ou diminuir seu funcionamento, a parada dos trabalhos será adotada por necessidade de auxílio a familiares nesse momento complicado e a falta de tempo que se instalará com isso.


Postagens esporádicas aparecerão durante a duração da quarentena, por isso é importante que nossos amigos retornem periodicamente ao site para não perder nenhum conteúdo.

I'VE GOT TO FIND MY BABY!

sexta-feira, 21 de agosto de 2020

Dr. Tennant: "Elvis Não Morreu de Overdose ou Ataque Cardíaco"

Em 16 de agosto de 1977, Elvis Aaron Presley se despedia do mundo. Sua carreira meteórica na maior parte dos 24 anos em que esteve na mídia, sua dedicação para com os fãs, seu carisma, comprometimento em sempre dar seu melhor e sua vida como um todo fascinaram, e ainda fascinam, milhões pelo mundo.

Mas o que Elvis nos deixou de felicidades e momentos musicais inesquecíveis, quase é superado pelo número de teorias e tentativas de explicar sua morte precoce. Para uns, o Rei do Rock foi levado por seus vício em remédios controlados e, para outros, tudo não passou de um plano para que o cantor saísse de cena sem levantar suspeitas para viver uma vida sem incomodações.

A causa mortis inicial, dada pelo Dr. Nick, foi ataque cardíaco fulminante. Porém, com o passar do tempo, novas investigações foram feitas e diversas discrepâncias para com o diagnóstico do médico pessoal de Elvis apareceram.

Uma das primeiras grandes análises patológicas do caso de Elvis foi feita pelo Dr. Forest Tennant em 1981. À época, ele já chefiava sua clínica Veract Intractable Pain Clinics, que pesquisava dores intratáveis. Tennant ocupou o cargo de 1975 a 2018, quando se aposentou, além de ter trabalhado para o governo dos EUA e chefiado diversas forças-tarefas no campo da medicina para a dor.

Abaixo segue transcrição de reportagem da Pratical Pain Management, originalmente veiculada em seu site em 14 de junho de 2017, onde o Dr. Forest Tennant relata o que descobriu sobre as possíveis verdadeiras causas da morte de Elvis.


_________________________________________________________________________________________________________________


IMPORTANTE: Forest Tennant defendeu Dr. Nick em julgamento de 1981, por isso sua análise a seguir se baseia na presunção de inocência do médico de Elvis. Porém, esse não é o propósito dessa postagem, e sim conhecer a história médica do cantor e jogar um pouco mais de luz sobre os eventos que teriam levado a sua morte precoce.

O Elvis Presley Index não exime o Dr. Nick de parte da culpa  e não compactua com todas as explanações do Dr. Tennant.

OBSERVAÇÃO: Contém textos e imagens que podem ser fortes para pessoas sensíveis.

_________________________________________________________________________________________________________________

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Na primavera de 1981, eu estava trabalhando em meu escritório em West Covina quando minha secretária disse que um advogado queria falar comigo sobre um caso. "Dr. Tennant, sou James Neal. Sou advogado no Tennessee e estou defendendo o Dr. George Nichopoulos [Dr. Nick], o médico de Elvis Presley. A propósito, se meu nome não soa familiar, sou o advogado que processou Richard Nixon no Julgamento de Watergate." A chamada em si não foi tão inesperada; alguns meses antes, eu havia comparecido em nome do governo dos Estados Unidos no julgamento contra o médico de Howard Hughes. Naqueles anos, eu era um dos únicos médicos que estudava opioides para dor e vício, e fiz muitos depoimentos forenses e legais.

Aceitei a oferta do Sr. Neal de revisar o caso do Dr. Nick e logo me vi envolvido em um estudo sobre o vício em drogas, a dor e os problemas médicos de Elvis. Na época, a questão pública e a controvérsia estavam centradas no uso de drogas de Elvis e se ele morreu de ataque cardíaco ou overdose. Havia pouco interesse em seus problemas médicos subjacentes, dor ou por que ele morreu com a idade relativamente jovem de 42 anos. O Dr. Nick estava sendo criminalmente acusado de homicídio porque ele tinha sido o principal médico que prescreveu medicamentos para Elvis.

O Sr. Neal e seu escritório de advocacia me forneceram uma coleção de documentos sobre o histórico médico de Elvis, incluindo: registros médicos do Dr. Nick, registros de hospitalização, laudo da autópsia, registros de receitas e uma investigação privada confidencial de 161 páginas sobre a história medicamentosa de Elvis trabalhada pelo Sr. Neal e seu escritório de advocacia. Concordei em ser testemunha de defesa no julgamento criminal do Dr. Nick em Memphis, Tennessee, em outubro de 1981. O júri me apoiou e inocentou o Dr. Nick das acusações criminais. Eles descobriram que o Dr. Nick foi um excelente médico que cuidou de Elvis por mais de 10 anos.

Embora eu tenha cumprido minha missão, o mistério da miríade de problemas médicos e morte prematura de Elvis me deixou perplexo desde então. Para começar, parece que Elvis Presley estava muito bem até aproximadamente os últimos 10 anos de sua vida. Nos últimos 3 anos, Elvis esteve tão doente e incapacitado que precisava de cuidados 24 horas por dia. Depois do julgamento do Dr. Nick, guardei cuidadosamente todos os meus registros, sabendo que algum dia a ciência reuniria informações suficientes para permitir uma compreensão dos problemas médicos e de dor de Elvis. Eu acredito que esse dia chegou.

O progresso no tratamento moderno da dor finalmente nos forneceu conhecimento científico suficiente sobre lesão cerebral traumática (TCE), doença auto-imune e dor para desvendar sua história médica. Depois de reunir as evidências, é bastante claro para mim que os principais problemas médicos incapacitantes de Elvis resultavam de múltiplos ferimentos na cabeça que levaram a um distúrbio inflamatório auto-imune com subsequente dor central. Seu evento terminal foi arritmia cardíaca, sustentada por abuso de drogas, defeitos genéticos e acelerada por uma dieta atroz. Este artigo irá revisar como eu fiz essa avaliação.


Controvérsia sobre a causa da morte

Quando Elvis Presley morreu "inesperadamente" em 16 de agosto de 1977, uma grande controvérsia pública irrompeu. Os patologistas - incluindo o legista do Condado de Shelby, Tennessee - descobriram que Elvis morreu de ataque cardíaco. No entanto, o "20/20" da ABC, ancorado por Ted Koppel, acreditava que Elvis tinha morrido de overdose de drogas e afirmou que havia um acobertamento sobre sua morte. Eles questionaram por que acusações criminais não foram feitas contra o Dr. Nick pelo promotor distrital de Shelby. A popularidade e a influência desse show tiveram um impacto. O conselho médico do Tennessee investigou o assunto e absolveu o Dr. Nick de agir de forma antiética, não profissional ou de negligência grosseira, mas o condenou por prescrever medicamentos indevidamente para 10 pacientes individuais, incluindo Elvis Presley e o cantor Jerry Lee Lewis. Pouco tempo depois, o escritório do procurador-geral distrital apresentou uma acusação criminal contra o Dr. Nick, alegando que ele prescreveu substâncias controladas de forma deliberada e criminosa para os mesmos 10 indivíduos pelos quais o conselho o considerou culpado.


Relatório de autópsia

A autópsia de Elvis Presley foi a causa raiz da polêmica pública. Como muitos leram, Elvis foi encontrado morto, de bruços, no chão do banheiro por sua namorada, Ginger Alden. Há quanto tempo ele estava morto é desconhecido, mas as tentativas de reanimá-lo não tiveram sucesso. Sua autópsia foi realizada no Baptist Memorial Hospital em Memphis no dia em que ele morreu. O patologista-chefe era Thomas McChesney, MD; o consultor do caso foi Jerry T. Francisco, MD, legista do condado de Shelby. Os diagnósticos patológicos finais estão listados na Tabela 1.

**Traduzido do relatório original.


Uma descoberta importante foi a gravidade da doença cardíaca e cardiovascular de Elvis Presley. Embora estivesse sob tratamento para hipertensão, o Dr. Nick - assim como os outros médicos que viram Elvis quando ele foi hospitalizado - não estavam cientes de que seu coração tinha quase o dobro do tamanho normal (520 g) e que ele tinha aterosclerose significativa em seu vasos coronários, aorta e artérias cerebrais.

Também foi descoberto que ele tinha deficiência de antitripsina, uma doença genética rara que causa enfisema. O exame microscópico de seus pulmões revelou "um raro infiltrado linfoide intersticial, inflamatório, particularmente abaixo do epitélio dos brônquios". Os diagnósticos listados na tabela são literalmente do relatório da autópsia de Elvis. Curiosamente, os patologistas o testaram quanto a deficiências imunológicas e descobriram que Elvis tinha hipogamaglobulinemia, um distúrbio do sistema imunológico do corpo, conforme indicado pela diminuição dos níveis de imunoglobulina A (IgA) e IgG. Estudos de formação de roseta revelaram diminuição do número de células T e células B (linfócitos).

Minha revisão retrospectiva dos achados de sua autópsia, quando combinada com seu histórico médico de anormalidades de múltiplos órgãos ao longo de um período de 10 anos, revela claramente que Elvis estava sofrendo de um distúrbio inflamatório autoimune. Para ajudar a apoiar a presença de uma doença autoimune , descobri que os registros do Dr. Nick revelaram, antes da morte, que Elvis tinha eosinofilia e proteína C reativa elevada (PCR).


Achados Toxicológicos

Amostras do soro, urina e tecidos de Elvis foram coletadas na autópsia e enviadas para os Laboratórios BioScience em Van Nuys, Califórnia, que, na época, era considerado o laboratório de toxicologia científica mais prestigioso e preciso dos Estados Unidos. Minha cópia da autópsia lista 10 drogas diferentes em seu soro - incluindo o metabólito do diazepam (Valium) - dos quais apenas dois foram prescritos pelo Dr. Nick (Tabela 2). Em 17 de outubro de 1977, Ronald Oremich, PhD, e Norman Weissman, PhD, da BioScience, opinaram:

"Diazepam, metaqualona, ​​fenobarbital, etclorvinol e etinamato estão abaixo ou dentro de seus respectivos intervalos. A codeína estava presente em um nível de aproximadamente 10 vezes as concentrações encontradas terapeuticamente. Tendo em vista os aspectos de polifarmácia, este caso deve ser analisado em termos de efeito farmacológico cumulativo dos medicamentos identificados pelo relatório. "


Este relatório parecia contradizer a causa cardíaca da morte, então o Baptist Memorial Hospital pediu ao famoso toxicologista Irving Sunshine, PhD, professor de toxicologia da Universidade de Utah, para revisar as descobertas toxicológicas apresentadas pela BioScience. Ele apresentou esta opinião por escrito em 27 de março de 1978:

"Junto com esses dados toxicológicos estão os achados patológicos e a história relatada de que o falecido estava móvel e funcional nas 8 horas anteriores à morte. Juntas, todas essas informações apontam para a conclusão de que, qualquer que seja a tolerância que o falecido possa ter adquirido para muitos drogas encontradas em seu sistema, a grande probabilidade é que essas drogas foram a principal contribuição para sua morte. "


O julgamento do Dr. Nick não teve como objetivo definir a causa da morte, mas se ele tentou tratar Elvis Presley com "boa fé". Conseqüentemente, a controvérsia sobre a causa da morte - insuficiência cardíaca ou overdose de drogas - durou até 1994, quando o estado do Tennessee reabriu a autópsia. O Estado contratou o famoso ex-legista do condado de Miami-Dade, Flórida, Joseph Davis, MD, que havia feito milhares de autópsias. Ele deu a opinião de que Elvis Presley morreu de ataque cardíaco, o que encerrou a polêmica pública. Seus motivos são apresentados aqui:

"A posição do corpo de Elvis Presley era tal que ele estava prestes a se sentar quando ocorreu a convulsão. Ele caiu para a frente no tapete, com o traseiro para cima, e estava morto quando atingiu o chão. se tivesse sido uma overdose de drogas, [Elvis Presley] teria caído em um estado de sono crescente. Ele teria puxado a calça do pijama e rastejado até a porta para procurar ajuda. Demora horas para morrer por causa das drogas."


Além disso, o Dr. Davis observou que Elvis estava extremamente obeso - pesando 160 quilos, dos quais mais de 50 tinham sido ganhos nos últimos meses - o que colocou uma enorme tensão no coração; o corpo tinha "pelo menos" 2 horas de rigor mortis; e não havia edema pulmonar, sinal de overdose de drogas.

Minha opinião, que tive a oferecer no julgamento do Dr. Nick, era que os medicamentos devem ter feito seu coração doente e danificado parar, mas isso era irrelevante porque o Dr. Nick prescreveu apenas dois dos muitos medicamentos encontrados em seu soro. O que ninguém sabia na época era que alguns medicamentos, principalmente os opioides, podem interferir na condução cardíaca e causar uma parada cardíaca súbita e fatal por arritmia cardíaca. O exemplo mais notório é o torsades de pointes, um prolongamento do intervalo QT, que pode ocorrer quando os opioides e outras drogas são tomados juntos. Esta reação tóxica provavelmente ocorrerá em um paciente com doença cardíaca existente. Agora acredito que a morte de Elvis foi parcialmente devido à codeína, porque ele havia obtido codeína de um dentista um dia antes de sua morte. Ele tomou vários comprimidos e tinha um nível sérico 10 vezes superior ao intervalo terapêutico.

**Traduzido do relatório original.


A Tabela 2 observa que a codeína tem uma proporção de 36 para 1 em relação à morfina. Hoje, sabemos que a codeína deve ser convertida em morfina para proporcionar alívio da dor. A codeína é metabolizada pela enzima hepática citocromo P 450-2D6 (CYP2D6). Se esta enzima estiver defeituosa, a conversão não ocorre como deveria, o que faz com que a codeína se acumule em níveis tóxicos no sangue. O acúmulo tóxico de codeína pode causar arritmia cardíaca, especialmente se outros medicamentos estiverem no soro e o coração já estiver danificado. Se Elvis tivesse metabolismo hepático normal, seu nível sérico de codeína teria sido muito mais baixo e seu nível sérico de morfina teria sido muito mais alto no relatório de toxicologia.

Eu acredito que Elvis devia ter um defeito CYP2D6. Para apoiar essa crença, há evidências de que Elvis reagiu mal à codeína no passado e seus registros hospitalares afirmam que ele era "alérgico à codeína". Além disso, Elvis teve reações violentas ao álcool. Pessoas com defeitos metabólicos do citocromo geralmente têm intolerância ao álcool.


Histórico médico

Elvis nasceu em 8 de janeiro de 1935, em Tupelo, Mississippi. Seu irmão gêmeo morreu no parto. Entre o nascimento e os 32 anos de idade, não havia praticamente nenhuma evidência de problemas de saúde significativos, exceto hipertensão. Em 1958, quando foi convocado para o Exército dos EUA aos 23 anos, ele gozava de boa saúde. Durante seus dias no exército, ele se destacou em fazer flexões. Depois do exército, Elvis começou a praticar artes marciais, tornou-se um especialista e podia quebrar tábuas com um golpe de mão. Ele freqüentemente jogava futebol com seus guarda-costas.

**Relatório de saúde, hospitalizações e experimentações traduzido e editado do original


Apesar de estar fisicamente apto, o estilo de vida de Elvis era medicamente atroz. No final da adolescência, os hábitos de Elvis consistiam em uma dieta rica em gorduras e carboidratos, sono inadequado e poli-consumo de drogas (anfetaminas, opioides e sedativos). Como já foi dito, o álcool o deixava furioso, então ele raramente bebia. Aparentemente, ele não fumava.

O Dr. Nick viu Elvis profissionalmente pela primeira vez em 1965 e tornou-se seu médico regular em 27 de fevereiro de 1967, quando ele tinha 32 anos. Naquela época, Elvis se queixava de vertigens, dores nas costas e insônia. Ele foi diagnosticado com labirintite (infecção do ouvido). A hipertensão (pressão arterial de 140/96 mmHg) era evidente na época. Seus sintomas de vertigem desapareceram em cerca de 1 semana após o tratamento da labirintite. No entanto, ele desenvolveu amigdalite logo após seu episódio de labirintite.

Em 21 de setembro de 1970, Elvis foi ao Dr. Nick por causa de uma infecção ou inflamação em seu olho esquerdo. O peso de Elvis era de 74 quilos e sua pressão arterial continuava alta, 160/100 mmHg. Um hemograma completo, testes de função hepática, taxa de hemossedimentação, urinálise e teste laboratorial de pesquisa de doenças venéreas (teste de sífilis) foram todos normais, com exceção de uma hemoglobina ligeiramente elevada (16,8 g / L) e contagem de eosinófilos de 5,5%. Visto novamente em março de 1971, a infecção ocular havia piorado e ele recebeu o diagnóstico de infecção da íris e uveíte. Um teste de lúpus eritematoso sistêmico era normal, mas um teste de PCR estava ligeiramente alto. No ano seguinte, 1972, Presley desenvolveu 2 ou 3 episódios de prostatite. Ele também experimentou dores de cabeça progressivas e dor na coluna lombar entre 1967 e sua morte em 1977. Raios-X de sua coluna lombar mostraram uma protusão de disco em L4. Suas dores de cabeça começaram após um grave traumatismo cranioencefálico em 1967.

Em 1973, sua saúde iniciou seu curso de declive progressivo. Na época, ele ficou muito doente e não conseguia sair da cama. Depois de entrar em semicoma, ele foi levado de avião de volta para Memphis para ser internado no Baptist Memorial Hospital em 15 de outubro de 1973. Ele entrou no hospital com icterícia, dificuldade respiratória grave, inchaço acentuado do rosto, abdome distendido e estava semiconsciente. Nada menos do que 9 médicos compareceram ou consultaram sobre seu caso. Seus testes de função hepática estavam anormalmente altos, indicando a presença de alguma forma de hepatite.

Um grande problema foi descoberto - Elvis estava vendo um médico da Costa Oeste que estava tratando suas costas com uma mistura de meperidina (Demerol) e cortisona (provavelmente metilprednisolona). Presley começou a inchar devido ao excesso de cortisona (conhecido como Síndrome de Cushing). O inchaço em seu rosto nunca desapareceu totalmente. Os exames de sangue de cortisol indicaram insuficiência adrenal devido ao excesso de administração de cortisona. Ele tinha uma úlcera gástrica com sangramento e hepatite que seus médicos também acreditavam estar relacionados ao excesso de cortisona. Ele não estava apenas recebendo meperidina de um médico, mas também usava muitas drogas abusivas. Ele recebeu metadona para retirar os opioides e suprimir os sintomas de abstinência.

Antes de sair do hospital, descobriu-se que Elvis tinha glaucoma em ambos os olhos. Um oftalmologista prescreveu óculos de sol especiais e medicamentos para dor e sono, entre outros sintomas. Enquanto hospitalizado de outubro a novembro de 1973, ele recebeu prescrição de fenobarbital e metadona para a retirada do medicamento. Os medicamentos sintomáticos para edema e constipação foram furosemida (Lasix), Mylanta, Colace e Dulcolax. Para dormir, ele recebeu etinamato (Valmid), hidroxizina (Vistaril) e propoxifeno e meprobamato (Darvotron). Durante outras internações, recebeu meperidina para dor, metaqualona (Quaalude) e hidromorfona (Dilaudid).

Elvis e Priscilla assinam oficialmente seu divórcio; 9 de outubro de 1973



Elvis teve uma recuperação razoavelmente boa, conseguiu voltar às performances e esteve razoavelmente bem por um tempo. Seu abuso de drogas, dieta e estilo de vida, entretanto, progressivamente continuaram a cobrar seu preço. Infelizmente, no início de 1974, Elvis estava claramente se deteriorando. Seu tio, Lester Presley, resumiu: "Ele estava bem de 1957 a 1974. Mas de 1974 em diante, não se sentia realmente bem. Não era possível conversar com ele, mesmo que você quisesse." A certa altura, o Houston Post escreveu: "Presley parecia, falava, andava e cantava como um homem muito doente". Muito pertinente é que Elvis reclamava constantemente de dores e sofrimentos no palco e fora dele. Elvis foi ouvido dizer em muitas ocasiões, "Oh Deus, estou ferido." Ele novamente precisou ser hospitalizado no início de 1975. Continuou a ter hipertensão, colesterol alto e megacólon, que se acredita estarem relacionados ao abuso de laxantes.

O Dr. Nick achou por bem designar uma enfermeira em tempo integral, Tish Henley, para cuidar de Elvis tanto em Graceland quanto em turnês. A enfermeira deveria tentar manter as drogas longe dele, mas Elvis estava claramente se deteriorando mental e fisicamente e dificilmente poderia ficar sozinho. O Dr. Nick elaborou um programa para racionar medicamentos para ele e administrá-los pela enfermeira. Esse programa funcionou muito bem por um tempo. Mais tarde naquele ano, Elvis quase desmaiou durante um show em Las Vegas (20/08/75). Sua enfermeira sentiu que ele estava tendo uma overdose séria de drogas com depressão respiratória. Ela providenciou um voo urgente de Los Angeles de volta para Memphis, onde ele foi novamente admitido no Baptist Memorial Hospital em 21 de agosto de 1975.

Uma nova doença apareceu - doença pulmonar obstrutiva crônica (enfisema) - embora Presley aparentemente não fumasse. Além disso, sua doença hepática havia progredido e seu megacólon estava presente. No início de 1976, Elvis estava tão debilitado que se isolou do mundo exterior e hibernou no crepúsculo perpétuo de seu quarto - comendo travessas de cheeseburgers e aceitando os pacotes de comprimidos regulares do Dr. Nick. Os pacotes de comprimidos continham uma combinação de hidromorfona, amobarbital sódico (Amytal), metacalona, ​​dextroanfetamina (Dexedrina), oxicodona / acetaminofeno (Percocet) e um composto de hidrocodona (Hipocomina). Ele assistia à televisão e ao mesmo tempo ouvia rádio.

Depois de persuadido pelo Dr. Nick - e motivado por sua namorada, Ginger Alden - Elvis pareceu se recuperar um pouco em janeiro de 1977. Essa recuperação não durou muito. Apenas algumas semanas antes de sua morte, Elvis adoeceu durante uma turnê na Louisiana. Ele desenvolveu náuseas e sintomas de gripe intestinal. Ele também havia distendido um tendão da coxa e torcido as costas. Ele entrou no Baptist Memorial Hospital pela quarta e última vez em 1º de abril de 1977. A anemia foi encontrada junto com sua hepatite crônica, doença pulmonar, glaucoma, hipertensão e megacólon.

Aparentemente exausto, Elvis senta no palco durante show de 20/08/75 MS


As causas do declínio de Elvis

Traumatismo craniano

Elvis claramente tinha um processo de doença que afetou vários órgãos - estômago, fígado, coluna e olhos - mas, na época, seus médicos não tinham ideia de que ele poderia ter tido um distúrbio inflamatório autoimune progressivo. O conceito de autoimunidade estava apenas começando a ser compreendido. Para seu crédito, o Dr. Nick deu a Elvis o diagnóstico de síndrome pós-concussão e acreditava que suas dores de cabeça eram o resultado do ferimento na cabeça de 1967. O Dr. Nick me contou que "Elvis nunca mais foi o mesmo depois que bateu com a cabeça em 1967".

O fator mais subestimado no declínio da saúde de Elvis Presley e morte prematura foi traumatismo craniano repetido. É agora reconhecido que o traumatismo cranioencefálico pode causar um distúrbio inflamatório autoimune que pode atacar qualquer órgão do corpo. Termos contemporâneos para os desenvolvimentos patológicos que podem ocorrer após o traumatismo cranioencefálico são síndrome pós-concussão, TBI, e encefalopatia traumática crônica. Alguns dos sintomas pós-trauma incluem perda de memória, traços obsessivo-compulsivos e comportamento irracional ou ilógico. Elvis demonstrou muitos desses comportamentos obsessivo-compulsivos e erráticos em momentos diferentes. Por exemplo, ele deu presentes luxuosos para estranhos, fez voos inesperados através do país e empreendeu uma campanha imaginária contra traficantes de drogas ilegais. Em uma ocasião em 1970, ele voou impulsivamente para Washington, DC, e visitou o presidente Richard Nixon sem um aviso prévio. Ele fez uma cirurgia cosmética "impulsiva" em 1975. Suas despesas subiram para cerca de US$ 500.000 por mês, e seu grupo estava essencialmente falido pouco antes de sua morte devido a seus gastos irracionais.

O primeiro caso documentado de traumatismo craniano ocorreu em 1956. É relatado que Elvis parou seu Lincoln Continental em um posto de gasolina de Memphis e pediu ao atendente para verificar seu ar condicionado. Quando os transeuntes o viram, eles o cercaram e pediram seu autógrafo. O atendente pediu que ele fosse embora e Elvis disse "ok cara, me dê um minuto", e continuou a dar autógrafos. Isso irritou o atendente, que deu um tapa no rosto de Presley. Elvis devolveu o soco e outro atendente juntou-se à luta. Todos os três foram eventualmente presos sob a acusação de agressão e conduta desordeira. Mais tarde naquele ano, Elvis e seus músicos estavam sentados em uma mesa na ostentosa Sala Shalimar do Hotel Commodore Perry de Toledo. Um jovem trabalhador da construção civil aparentemente queria impressionar uma garota que conheceu no bar. Ele foi até a mesa de Presley e perguntou bruscamente: "Você é Elvis Presley?" Elvis levantou-se e estendeu a mão para cumprimentá-lo, mas em vez disso, o homem acertou-o no rosto. Ele ficou momentaneamente atordoado.

Pouco antes de entrar no exército em 1958, Elvis reservou o Rainbow Rollerdome em Memphis por 7 noites consecutivas e reuniu um bando de patinadores para jogar jogos de "guerra" auto-inventados sem fim. Elvis foi abatido pelo menos uma vez por um ataque de corpo inteiro de um colega patinador. Os jogos eram difíceis o suficiente para que Elvis fornecesse a cada patinador um comprimido de oxicodona / aspirina (Percodan). Elvis tomava pelo menos 4 Percodans de cada vez.

O trauma cranioencefálico mais sério ocorreu em Bel Air, Los Angeles, em 1967, pouco antes de ele filmar "Clambake". Elvis tropeçou em um fio de televisão no banheiro e, caindo de cabeça, bateu-a na banheira de porcelana. Ele foi nocauteado e ficou lá por um período indeterminado de tempo. Quando finalmente acordou, começou a praguejar, o que despertou sua namorada, que mais tarde seria sua esposa, Priscila, que o encontrou caído no chão. Elvis tocou sua cabeça e uma protuberância do tamanho de uma bola de golfe se desenvolvera. Médicos foram chamados. Curiosamente, Presley afirmou: "Acho que realmente me machuquei." No dia seguinte, ele estava claramente "fora de si" e teve que ser levado de volta a Memphis para se recuperar. Seus assessores descreveram seu humor como "desanimado". No caminho de volta, ele parava frequentemente em um telefone público, ligava para um DJ de Memphis e pedia que tocasse repetidamente "Green Green Grass of Home" de Tom Jones. Assim que chegou a Graceland, ele afirmou ter visto sua falecida mãe em seu antigo quarto.

Após seus TBIs, o comportamento de Elvis tornou-se progressivamente errático e irracional. Por exemplo, é relatado que em 1975 ele se recusou a tomar banho e desenvolveu feridas no corpo. Ele pediu pílulas desconhecidas da Suécia, que supostamente o limpariam por dentro. Durante suas 2 semanas de hospitalização em agosto-setembro de 1975, ele se queixou de 26 dores de cabeça, 14 acessos de insônia e "dores generalizadas" 4 ou 5 vezes em cada turno de enfermagem. A tríade de insônia, dores de cabeça e dor total é típica das vítimas de TCE.

Pacientes com traumatismo cranioencefálico são frequentemente inscritos em clínicas de dor. A dor deles é claramente de natureza central, com distribuição de fibromialgia, que os pacientes descrevem como dor "por toda parte". Presley desenvolveu essa dor nos últimos anos de sua vida. Os pacientes com TCE atualmente tratados por mim apresentam dor constante e intensa, insônia, depressão e uma variedade de deficiências mentais. Todos têm anormalidades hormonais hipotalâmico-hipofisárias e sinais e sintomas inflamatórios auto-imunes.


Doença inflamatória autoimune

Uma análise retrospectiva do traumatismo cranioencefálico de Elvis mostra claramente que Presley desenvolveu ou acelerou sua doença inflamatória auto-imune após seu traumatismo cranioencefálico mais sério em 1967. Seus episódios anteriores de traumatismo cranioencefálico provavelmente contribuíram para sua deterioração, já que múltiplos traumas cranianos são cumulativos em efeito. Historicamente, acredita-se que a autoimunidade após o TCE ocorre como resultado da disfunção hipotálamo-hipofisária. Uma nova crença é que o traumatismo cranioencefálico faz com que o tecido cerebral se solte e vaze para a circulação geral através da barreira hematoencefálica. O tecido cerebral não deve entrar na circulação sanguínea porque é tóxico ou antigênico para o resto do corpo. Se isso realmente ocorrer, e este autor acredita que sim, age como um agente infeccioso ou vacina, pois causa a formação de anticorpos. Esses anticorpos então se tornam "automáticos" e começam a atacar o tecido normal. É até possível que esses anticorpos anormais ataquem e danifiquem ainda mais o cérebro.

Os auto-anticorpos atacam de forma aleatória. Um dia eles atacam as articulações e no dia seguinte o olho, o coração ou o fígado. Presley claramente sofreu ataques de múltiplos órgãos com base em sua história clínica, e eles variaram ao longo do tempo de maneira autoimune típica. Um dos problemas da autoimunidade é que ela produz inflamação e diminui a resistência às infecções. A inflamação das artérias do coração (coronária) e do cérebro (cerebral) é agora conhecida como o resultado final da inflamação. Presley tinha hipertensão e arteriosclerose independentemente de sua doença autoimune, mas sua doença autoimune sem dúvida acelerou o processo inflamatório. É digno de nota que Elvis não conseguiu fazer seus giros habituais no palco nos últimos dois anos de sua vida devido à rigidez e espasticidade. Às vezes, ele até precisava usar uma bengala para andar. A dor se desenvolve nas articulações e nos músculos com TBI. É provável que parte do uso de drogas de aparência aleatória de Presley tenha sido uma tentativa de se tratar.

Elvis no set de Clambake, 1967


Abuso de drogas, dependência e overdoses

O problema com as drogas de Elvis Presley era lendário. O que não é apreciado é que ele teve pelo menos quatro overdoses graves que causaram coma e necessidade de reanimação antes de sua morte. Se alguém sobrevive a uma overdose, o grande risco é o dano cerebral residual causado pela falta de oxigênio. O consumo de drogas de Elvis começou com anfetaminas quando ele era adolescente e aumentou enquanto estava no exército. Ele era conhecido por subornar farmácias alemãs por grandes quantidades de anfetaminas. Após sua volta, Presley passou um período abusando do álcool. Ele não bebia regularmente, mas quando o fazia, bebia excessivamente. Quando bebia, ele tinha acessos de raiva e brigou fisicamente com membros de sua comitiva em pelo menos duas ocasiões. No final da casa dos 20 a 30 anos, seu hábito de beber foi acompanhado por um uso crescente de anfetaminas e sedativos. Sua progressão no uso de drogas aumentou depois de sua queda no banheiro em 1967, e ele acrescentou o uso regular de opioides a seu repertório de drogas de que abusava. Infelizmente, Elvis tinha um quadro de médicos, dentistas e farmacêuticos na Califórnia, Nevada e Tennessee que lhe forneciam medicamentos prescritos. Muitos de seus conhecidos relatam como ele enganou farmácias, funcionários, médicos e dentistas para prescrever ou fornecer medicamentos para ele.

O empresário de Elvis, o Coronel Thomas Parker, esperava que seu casamento com Priscilla reduzisse seu uso de drogas, e pareceu isso por um tempo. No entanto, o uso de drogas e comportamentos bizarros aparentemente se tornaram tão ruins que ela o deixou em 1971. Em janeiro de 1973, Elvis Presley foi agendado para um mês de shows em Las Vegas. Os médicos do Las Vegas Hilton onde Elvis ficou forneceram-lhe quantidades ilimitadas de dextroanfetamina, diazepam, etinamato, hidromorfona e meperidina. Ele também começou a injetar opioides. A dosagem de drogas injetáveis ​​é difícil de controlar e, em 23 de janeiro de 1973, Elvis sofreu sua primeira overdose de hidromorfona injetável. A namorada que morava com ele o encontrou em coma na cama e quase sem respirar. Felizmente, o médico do hotel trouxe oxigênio. Depois desse evento, ele continuou a usar drogas. A namorada de Elvis, Linda Thompson, relatou que ele tomava tantas drogas que adormecia enquanto mastigava, e ela alegou que "arrancou comida da traqueia de Presley" em oito vezes diferentes. Sua segunda overdose de drogas ocorreu em 28 de junho de 1973, exigindo que o Dr. Nick o revivesse com estimulantes.

Existem duas teorias básicas sobre por que uma pessoa abusa de uma multiplicidade de drogas. Uma é alcançar uma euforia ou mentalidade para escapar dos rigores do tédio ou de uma vida estressante. A outra é que algumas pessoas nascem com sentimentos e sensações estranhas e tomam uma grande variedade de medicamentos para se tratarem. Minha experiência mostra que pacientes com TCE tomam muitos medicamentos ao acaso na tentativa de tratar os muitos sintomas, sentimentos e sensações estranhos que o TCE pode trazer. Elvis parecia ter ambos os motivos para usar drogas em momentos diferentes. Outro fator em seu uso de drogas pode ser que ele nunca teve muitas chances de crescer e ser uma pessoa normal. Antes dos 21 anos, ele era famoso, adorado, procurado e rico. Uma fuga da realidade pelo uso de drogas é uma rota comum para quem nunca "conseguiu ter uma vida".

O Dr. Nick tentou todos os truques que um médico poderia fazer para controlar o uso de drogas de Elvis. Ele encontrava drogas na casa de Elvis ou em viagens e as destruía. Ele tentou prescrever os medicamentos menos prejudiciais enquanto mantinha Elvis funcional. Ele constantemente dava placebos. Dr. Nick, Priscilla e amigos tentaram repetidamente fazer com que ele entrasse em uma unidade de tratamento para dependência química, mas ele sempre recusou. Dadas as circunstâncias, não sei o que mais seu médico poderia ter feito para ajudá-lo. Uma coisa é certa: o uso de drogas causou quedas, traumatismo craniano e overdoses que danificaram seu cérebro. Na época em que morreu, ele era essencialmente não funcional e exigia cuidados constantes de enfermagem.

Elvis no palco em 29 de junho de 1973


Resumo

Essa análise médica foi feita em grande parte para chamar a atenção para o TCE. Acredito que Elvis Presley sabia claramente que estava mortalmente doente, mas não sabia por quê. Em retrospecto, acredito que Elvis Presley foi um caso clássico de traumatismo cranioencefálico cumulativo, seguido por um distúrbio inflamatório auto-imune. Nada disso era conhecido ou reconhecido em sua época. Tenho certeza de que ele ficaria feliz em saber que sua situação pode ajudar outras pessoas, pois ele era uma pessoa gentil e generosa.

Só recentemente houve um entendimento de que o TCE pode causar comportamentos bizarros, como reclusão, hábitos obsessivo-compulsivos, paranoia, hostilidade, hábitos sexuais peculiares, falta de higiene e uso de drogas. Também pode causar disfunção hipotálamo-hipofisária e desencadear um processo inflamatório autoimune que pode produzir, com o tempo, um distúrbio multissistêmico. A síndrome da dor centralizada do TCE pode não apenas produzir dor na forma de dores de cabeça, mas também na coluna, articulações e dores musculares. Esses pacientes são freqüentemente diagnosticados como tendo "fibromialgia". O traumatismo craniano pode ser cumulativo, o que significa que cada trauma adicional aumenta o risco e a sintomatologia. Overdoses de drogas, das quais Presley teve várias, geralmente causam anoxia no cérebro e podem piorar o problema de disfunção cerebral causada por trauma. Tudo isso além de vários problemas genéticos, incluindo hipertensão, megacólon, defeitos do citocromo e deficiência de antitripsina.

Felizmente, hoje os pacientes com traumatismo craniano estão começando a frequentar as aulas sobre dor. Elvis Presley certamente antagonizou sua condição com uma dieta atroz, uso de drogas e estilo de vida. No entanto, um estudo da história médica de Elvis Presley é muito instrutivo sobre como o TCE pode levar a condições clínicas graves que podem ser prevenidas e tratadas.


Créditos e materiais usados

A maior parte do material, além das informações diretamente derivadas dos arquivos e registros de Elvis Presley, é do livro detalhado, Down at the End of Lonely Street: A vida e a morte de Elvis Presley, escrito por Peter Harry Brown e Pat Broeske. Este trabalho foi escrito em 1997 e contém informações detalhadas após anos de investigação por esses dois autores. Contribuí para os fatos como os conhecia, mas o conhecimento da condição médica subjacente de Presley não era conhecido na época. Em parte devido ao meu incentivo e de outros, o Dr. George Nichopoulos deu uma entrevista a Dennis Breo da American Medical Association em 1986, que contém muitos de seus pensamentos médicos sobre Elvis. O livro "I Called Him Babe: Elvis Presley's Nurse's Remembers", por Marion J. Cocke, foi muito perspicaz sobre sua condição debilitada e cuidados médicos, já que ela era sua principal enfermeira registrada em Memphis.

Este artigo não poderia ter sido escrito sem a ajuda direta de Carol Shifflett, de Sewick, Pensilvânia, autora de "Migraine Brains & Bodies: A Comprehensive Guide to Solving the Mystery of Your Migraines" e "Aikido Exercises for Teaching and Training". Carol é uma verdadeira especialista jornalística em traumatismo craniano e foi capaz de me ajudar a resolver o mistério médico de Elvis Presley.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Texto original: Pratical Pain Management
Fotos: Pratical Pain Management e Google
Tradução: Elvis Presley Index | http://www.elvispresleyindex.com.br
>> a re-disponibilização desta tradução só é permitida se mantidos os créditos e sem edições.<<

quarta-feira, 10 de junho de 2020

Elvis - A Legendary Performer, Volume 1 (LP - RCA, 1974)

Título:
Elvis - A Legendary Performer, Volume 1
Selo:
RCA Victor [CPL1 0341]
Formato:
LP
Número de faixas:
14
Duração:
34:00
Vinculado a:
Discografia oficial
Ano:
1974
Gravação:
5 de julho de 1954 a 27 de junho de 1968
Lançamento:
11 de janeiro de 1974
Singles:
"Take Good Care of Her / I've Got a Thing About You Baby" (11/01/74)



Elvis - A Legendary Performer, Volume 1 é o 88º LP de Elvis e 196º trabalho audiofônico (incluindo singles e EPs). Ele contém faixas gravadas entre 5 de julho de 1954 e 27 de junho de 1968, atuando como uma compilação de sucessos - sendo o oitavo disco do tipo em sua carreira.

O ano de 1973 seria o de maiores mudanças na vida de Elvis. Se por um lado o "Aloha from Hawaii" e seu LP duplo tinham sido grandes sucessos, por outro o cantor já não tinha tanta vontade de entrar em um estúdio e gravar, preferindo ficar nos palcos desde março de 1972, o que àquela altura já causava uma correria aos cofres da RCA para suprir a demanda de novas gravações.  Em junho de 1973, Parker, que visava o lucro acima de tudo e não estava nada contente com o desânimo de Elvis, arranjou uma reunião com a RCA e vendeu todos os direitos das músicas pré-1973 por um valor muito abaixo do mercado e sem o aval do cantor. Isso possibilitou à gravadora o lançamento de um disco da linha Special Products, o LP duplo intitulado "ELVIS", que trazia somente os maiores hits de 1956 a 1972.

Com isso, a gravadora agora tinha um grande trunfo nas mãos sempre que Elvis decidisse que não queria gravar novas músicas. O cantor participaria de sessões de gravação em julho daquele ano, mas não haveria sobras suficientes para que a RCA produzisse mais do que um disco. De fato, o Rei do Rock teve de ser obrigado a terminar mais algumas faixas para que o LP "Raised On Rock", lançado em outubro de 1973, pudesse ser produzido. De volta ao estúdio no fim do ano, o cantor produziu mais conteúdo, mas ainda assim era pouco para que singles e discos pudessem ser largamente criados. O que realmente se tinha por parte da gravadora, era a incerteza sobre o futuro das vendas.

1974 chegaria sem um lançamento de Elvis há dois meses. Tudo o que a RCA tinha em mãos eram alguns singles de potencial sucesso e as gravações antigas. Sem saída, houve uma pequena correria no fim de 1973 para produzir uma nova compilação de hits que pudesse suprir a demanda dos fãs e cobrir um espaço sem lançamentos por um período que a gravadora ainda não sabia prever.

No dia 11 de janeiro de 1974, três dias após o 39º aniversário de Elvis, o LP chegou às lojas. Diferente de "ELVIS (RCA Special Products)" este também cobria o período no Sun Studio, trazendo "That's All Right" em LP pela primeira vez desde a compilação "For LP Fans Only" de 1959 e o take 2 de "I Love You Because", inédito até então. "Heartbreak Hotel", "Don't Be Cruel", "Love Me Tender", "(There'll Be) Peace In the Valley (For Me)", "(Now and Then There's) A Fool Such as I" e um trecho de uma entrevista de 1958 fecham a seção cinquentista do disco.

Da fase sessentista, "Can't Help Falling In Love" é o único sucesso presente. Outra novidade era "Tonight's All Right For Love", que substituiu "Tonight Is So Right For Love" na versão europeia do LP da trilha sonora de "G.I. Blues", de 1960, devido a questões de direitos autorais e aparecia em um lançamento norte-americano pela primeira vez. Para fechar o LP, três faixas inéditas gravadas para o "'68 Special Comeback" foram adicionadas ao álbum. Como um bônus para promover o trabalho e atrair compradores, o disco era acompanhado de um livreto com fotos e breves textos sobre Elvis.

Embora não tivesse relação com a compilação, o single "Take Good Care of Her/I've Got Something About You Baby" chegou às lojas no mesmo dia e agradou bastante ao público. A gravadora então resolveu que "Take..." seria a faixa de abertura do próximo LP de Elvis, então sem título ou data de lançamento. "Elvis - A Legendary Performer, Volume 1" foi bem sucedido em sua proposta, vendendo mais de um milhão de cópias e recebendo o certificado de Ouro no dia do quadragésimo aniversário do Rei do Rock, em 8 de janeiro de 1975. As conquistas de Platina, 2x Platina e 3x Platina vieram em 15 de julho de 1999 e 8 de março de 2018, respectivamente. O trabalho foi relançado em CD em diversas ocasiões, inclusive com canções diferentes.A FTD nunca retrabalhou o disco por suas faixas pertencerem a outros lançamentos.
_______________________________________________________________________________________________________________

AS SESSÕES DE GRAVAÇÃO

Data:
5 de julho de 1954; 10 de janeiro, 2 de julho e 24 de agosto de 1956; 13 de janeiro de 1957; 10 e 11 de junho, e 22 de setembro de 1958; 6 de maio de 1960; 23 de março de 1961; 27 de junho de 1968
Estúdio:
Sun Studio
RCA Studio B
RCA Studio 1
20th Century Fox Studio 1
Radio Recorders Studio 1
Brooklyn Hotel
Radio Recorders Studio B
NBC Studio 4
Local:
Memphis, Tennessee
Nashville, Tennessee
Hollywood, California
Brooklyn, New York
Burbank, California

Músicos, instrumentistas, engenheiros de som e logs das sessões - vide:
[SUN 209] That's All Right (clique aqui)
[LPM 1254] Elvis Presley (clique aqui)
[EPA 4006] Love Me Tender (clique aqui)
[LOC 1035] Elvis' Christmas Album (clique aqui)
[LPM 2075] Elvis' Gold Records, Vol. 2 (clique aqui)
[LSP / LPM 2256] G.  I. Blues (clique aqui)
[LSP / LPM 2426] Blue Hawaii (clique aqui)
[LPM 4088] Elvis - NBC-TV Special (clique aqui)
_________________________________________________________________________________________________________________

FAIXAS DO SINGLE E LP RELACIONADOS (RCA, 1974)

TAKE GOOD CARE OF HER (SINGLE)

11 de janeiro de 1974

1. Take Good Care of Her
2. I've Got Something About You Baby


ELVIS - A LEGENDARY PERFORMER, VOLUME 1 (LP, RCA)

11 de janeiro de 1974

1. That's All Right
2. I Love You Because (Previously Unreleased Take 2)
3. Heartbreak Hotel
4. Elvis (13/01/57)
5. Don't Be Cruel
6. Love Me (From Elvis TV Special)
7. Tryin' to Get to You (From Elvis TV Special)
8. Love Me Tender
9. (There'll Be) Peace in the Valley (For Me)
10. Elvis' Farewell to His Fans (10/06/58)
11. (Now and Then There's) A Fool Such as I
12. Tonight's All Right for Love (From G. I. Blues European Ed.)
13. Are You Lonesome Tonight? (From Elvis TV Special)
14. Can't Help Falling in Love



_________________________________________________________________________________________________________________

REEDIÇÕES

A partir de 1977 o disco foi sendo relançado em diferentes formatos, com diversas durações e listas de músicas variadas. São as principais:

Em 1989 ocorreu o relançamento mais controverso em CD e cassete, que não trazia o livreto, omitia três músicas e substituía a versão ao vivo de "Tryin' to Get to You" pelo Master de estúdio. No cassete / CD constam as faixas que seguem.

Título:
Elvis - A Legendary Performer, Volume 1
Selo:
RCA Victor [CAD 2705]
Formato:
Cassete / CD
Número de faixas:
10
Duração:
23:00
Vinculado a:
Discografia oficial
Ano:
1989
Gravação:
5 de julho de 1954 a 27 de junho de 1968
Lançamento:
Agosto de 1989
Singles:
---



1. That's All Right
2. Heartbreak Hotel
3. Elvis (13/01/57)
5. Don't Be Cruel
5. Tryin' to Get to You (Master)
6. Love Me Tender
7. (There'll Be) Peace in the Valley (For Me)
8. Elvis' Farewell to His Fans (10/06/58)
9. Tonight's All Right for Love (From G. I. Blues European Ed.)
10. Can't Help Falling in Love


Vinte anos depois o disco voltou ao mercado, dessa vez em um box de CDs e por uma distribuidora desconhecida, em uma versão expandida que continha muitos takes nunca antes lançados. No álbum constam as faixas que seguem.

Título:
Elvis - A Legendary Performer, Volume 1 - Expanded Edition
Selo:
[distribuidora desconhecida]
Formato:
CD
Número de faixas:
24
Duração:
65:00
Vinculado a:
Discografia extra-oficial
Ano:
2009
Gravação:
5 de julho de 1954 a 12 de agosto de 1970
Lançamento:
2009
Singles:
---




1. That's All Right
2. I Love You Because (Takes 4 & 5)
3. Stay Away Joe (Alternate Mix, Previously Unreleased)
4. Heartbreak Hotel
5. Don't Be Cruel
6. Kiss Me Quick (Takes 8 & 9)
7. I Really Don't Want To Know (Alternate Mix, Previously Unreleased)
8. Memories (Alternate Mix, Previously Unreleased)
9. Love Me (From Second Sit-down Show, 1968)
10. Tryin' to Get to You (From Second Sit-down Show, 1968)
11. Love Me Tender
12. (There'll Be) Peace In The Valley (For Me)
13. Datin' (Alternate Mix, Previously Unreleased)
14. (Now and Then There's) A Fool Such as I
15. Tonight's All Right For Love
16. Everybody Come Aboard (Takes 3 & 4)
17. Are You Lonesome Tonight? (From Second Sit-down Show ,1968)
18. Polk Salad Annie (Alternate Mix, Previously Unreleased)
19. Too Much Monkey Business (Alternate Mix, Previously Unreleased)
20. Can't Help Falling In Love
21. Joshua Fit the Battle (Newly Mixed Version, Previously Unreleased)
22. A Mess of Blues (With New Intro, Previously Unreleased)
23. ELVIS - Excerpt From Interview of September 22, 1958
24. ELVIS' Farewell To His Fans - Excerpt From Interview of September 22, 1958

Finalizando o box que traz esta reedição, a distribuidora incluiu um booklet com 20 páginas de memorabilias, fotos e fatos sobre os discos.

_________________________________________________________________________________________________________________

VÍDEO (EDIÇÃO EXPANDIDA DE 2009 COMPLETA)

segunda-feira, 25 de maio de 2020

LETRA E TRADUÇÃO: Three Corn Patches

Título original:
Three Corn Patches
Título usado por Elvis:
Three Corn Patches
Títulos alternativos:
---
Letra/Composição:
Jerry Leiber/Mike Stoller
Cantor original:
T-Bone Walker
Gravação original:
1972; RCA
Gravação de Elvis:
22 de julho de 1973; RCA
Disco original:
História:
Uma das últimas composições da dupla Leiber/Stoller a ser gravada por Elvis, fecha o disco "Raised On Rock", onde figura como a segunda das únicas duas músicas (a outra sendo a que dá título ao álbum) do estilo proposto pelo LP - o Rock. A versão original, no entanto, é um hit R&B na voz de T-Bone Walker.


LETRA ORIGINAL

I said, three corn patches about four cotton fields away
I said, three corn patches about four cotton fields away
Lives the prettiest girl in the whole darn U.S.A, I said hey

She got big brown eyes and long black wavy hair
She got big brown eyes and long black wavy hair
She's so beautiful, people, it don't seem fair

Well, I've been to Chicago, been to New Orleans
Yes, I've been to Chicago, been to New Orleans
But I'd rather see my baby workin' in her old blue jeans

I said, three corn patches about four cotton fields away
I said, three corn patches about four cotton fields away
Lives the prettiest girl in the whole darn U.S.A, I said hey

She keeps a big bulldog out in the yard all night
She keeps a big bulldog out in the yard all night
Well, he barks like he's bare, but he don't bite

I said, three corn patches about four cotton fields away
I said, three corn patches about four cotton fields away
Lives the prettiest girl in the whole darn U.S.A, I said hey

I said, three (corn patches), about four (cotton fields away)
I said, three (corn patches), about four (cotton fields away)
I said, three...


LETRA TRADUZIDA

Eu disse, três faixas de milho a cerca de quatro campos de algodão daqui
Eu disse, três faixas de milho a cerca de quatro campos de algodão daqui
Vive a garota mais linda de todo o maldito EUA, eu disse hey

Ela tem grandes olhos castanhos, e cabelo longo e ondulado
Ela tem grandes olhos castanhos, e cabelo longo e ondulado
Ela é tão linda, pessoal, nem parece justo

Bem, eu estive em Chicago, estive em New Orleans
Bem, eu estive em Chicago, estive em New Orleans
Mas eu prefiro ver minha garota trabalhando com seu velho jeans azul

Eu disse, três faixas de milho a cerca de quatro campos de algodão daqui
Eu disse, três faixas de milho a cerca de quatro campos de algodão daqui
Vive a garota mais linda de todo o maldito EUA, eu disse hey

Ela deixa um grande bulldog no quintal à noite
Ela deixa um grande bulldog no quintal à noite
Bem, ele late como se fosse bravo, mas ele não morde

Eu disse, três faixas de milho a cerca de quatro campos de algodão daqui
Eu disse, três faixas de milho a cerca de quatro campos de algodão daqui
Vive a garota mais linda de todo o maldito EUA, eu disse hey

Eu disse, três (faixas de milho), a cerca de quatro (campos de algodão daqui)
Eu disse, três (faixas de milho), a cerca de quatro (campos de algodão daqui)
Eu disse, três...

_________________________________________________________________________________________________________________

VÍDEOS


Postagens populares