I'VE GOT TO FIND MY BABY!

Moody Blue (RCA, 1977 + FTD, 2013)

Título: Moody Blue
Ano: 1977
Lançamento: 19 de julho de 1977
Selo: RCA
Nº de músicas: 10

FAIXAS:

1. Unchained Melody (live)
2. If You Love Me (live)
3. Little Darlin' (live)
4. He'll Have to Go
5. Let Me Be There (live)
6. Way Down
7. Pledging My Love
8. Moody Blue
9. She Thinks I Still Care
10. It's Easy For You



Moody Blue é o último álbum lançado por Elvis Presley ainda em vida. Foi uma mistura de trabalhos ao vivo e de estúdio, e incluiu quatro faixas da última sessão de gravação de Presley em outubro de 1976 e duas que sobraram da sessão anterior em Graceland, feita em fevereiro de 1976. "Moody Blue" foi uma canção de sucesso, assim como "She Thinks I Still Care". "Way Down "se tornou um sucesso depois da morte de Elvis, menos de um mês após a publicação deste álbum.

Conforme descrito em Elvis: The Illustrated Record, a RCA não foi capaz de obter um novo material de estúdio suficiente para um álbum completo, e somente seis músicas das gravações de 1976 ficaram de fora do álbum anterior, From Elvis Presley Boulevard, Memphis, Tennessee. A gravadora optou então por aumentar o trabalho com três músicas ao vivo gravadas em Ann Arbor, Michigan, em 24 e 26 de abril de 1977, que foram alvo de fortes overdubs antes de entrar no disco. Uma delas foi uma versão de "Unchained Melody", tocada por ele mesmo no piano.

A RCA e o produtor Felton Jarvis haviam reservado sessões em Nashville, Tennessee, entre 20 e 25 de janeiro de 1977, para gravar algumas faixas novas para este álbum. Há rumores de que Presley havia escolhido algumas músicas com a ajuda de Jarvis, a maioria delas era country ou uptempo. Infelizmente, Elvis nunca apareceu naquela sessão, alegando que estava doente (uma desculpa que ele usou com bastante frequência durante a década de 1960, para evitar a gravação de trilhas sonoras pobres para seus filmes). Jarvis e a RCA não tinham mais nada para fazer, a não ser preencher o álbum com as faixas ao vivo acima mencionadas. Também foi incluída "Let Me Be There", que já havia sido lançada três anos antes, em seu álbum Elvis: As Recorded Live On Stage In Memphis.

Moody Blue foi o último álbum de Elvis a ficar no TOP 40 e no número 1 da lista Country. Sua classificação geral foi 3º lugar, após a morte de Elvis. Foi certificado Ouro e Platina em 12/09/1977 e 2x Platina em 27/03/1992 pela RIAA.

Na ocasião do lançamento, a RCA prensou o álbum em vinil azul para combinar com a faixa-título. Como prensagens de vinis coloridos são relativamente raras, e quase nunca ocorreram em um grande lançamento, isso levou à suposição, por engano, de que os discos azuis são itens de colecionador, quando na verdade os verdadeiros colecionáveis ​​são as prensagens de imediatamente antes da morte de Presley, em vinil preto padrão (imediatamente após sua morte, a produção de Moody Blue foi transferida de volta para o azul).

A reedição em CD de 2000 sofreu uma revisão na arte da capa, incluindo uma foto de um concerto diferente de Elvis, omitindo a faixa "Let Me Be There", devido à sua presença em  Elvis: As Recorded Live On Stage In Memphis, e acrescentando o álbum completo From Elvis Presley Boulevard, Memphis, Tennessee, compilando as sessões de Graceland em vez de reeditar o álbum.


RESENHA: MOODY BLUE (FTD, 2013)

13 anos depois do lançamento em CD, a FTD fez seu próprio álbum duplo, disponibilizado tanto em CD como em LP. Nele estão presentes as versões das músicas gravadas ao vivo sem overdubs - exceto "Let Me Be There" -, takes alternativos das canções de estúdio, takes de algumas músicas do álbum From Elvis Presley Boulevard, Memphis, Tennessee, e algumas raridades. Por incrível que pareça, a FTD resolveu - ou esqueceu - não disponibilizar a única versão ao vivo de "Moody Blue", gravada em 21 de fevereiro de 1977.

Confira nossa resenha:

CD1 

Faixas 1-10: Álbum original. Sem modificações, a não ser uma melhoria no áudio.

Faixa 11: Unchained Melody, ao vivo e undubbed (Ann Arbor, 24/04/77). Esta versão começa com novos diálogos inéditos e não perde o poder vocal de Elvis, mas deixa audível os acordes que ele tocava no piano. Eram poucos e executados de forma pobre. A banda está quase inaudível, com somente a guitarra e partes da bateria se destacando. No fim, Elvis diz o que constatamos ao ouvir: "Eu já toquei melhor."

Faixa 12: If You Love Me, ao vivo e undubbed (Kalamazoo, 26/04/77). Novamente ouvimos a voz forte de Elvis, mas ao áudio da banda está incompleto. A partir da metade, a voz de Elvis enfraquece e se perde em meio aos instrumentos e backing vocals.

Faixa 13: Moody Blue, take 6. Se não fosse por algumas falhas no áudio e pelo fato de Elvis deixar de cantar algumas linhas, esta com certeza deveria ser a versão Master presente no disco. A guitarra e suas respostas ficam bem evidentes.

Faixa 14: She Thinks I Still Care, take 2B. Uma versão bem bluesy e com toques de funk que poderia ser o carro chefe de um álbum. Elvis se descontrai no fim da gravação com um "son of a bitch thinks" (referindo-se ao título da canção - "Ela (a filha da mãe) Pensa Que Eu Ainda Me Importo".

Faixa: 15: My Way, ao vivo e undubbed (Saginaw, 25/04/77). Uma grande surpresa! A gravação é padrão, sem alteração além da melhoria do áudio, e traz um Elvis com uma voz muito forte que lembra sua rendição no Aloha. A platéia aplaude efusivamente.

Faixa 16: Way Down, undubbed master. A alegria de Elvis mostra que as sessões em Graceland no fim de outubro de 1976 iam muito bem. O ambiente era amigável e propício à construção dos álbuns. A distorção da guitarra lead está mais presente do que na versão overdubbed. A banda ainda brinca no final com os cachorros de Elvis, que latiram durante a gravação inteira (inaudível).

Faixa 17: Little Darlin', ao vivo e undubbed (Ann Arbor, 24/04/77). Elvis usava esta canção apenas como forma de humor, sempre dizendo que ela tinha "um significado muito profundo" e então cantando "a-well-a, well-a, chick-a, mock-a, mock-a". Não se sabe porque esta versão foi escolhida para compôr o álbum, pois há melhores.

Faixa 18: He'll Have to Go (Rough Mix). Um country de raíz, ganha toques de romantismo profundo na voz de Elvis. Não é à toa que este é o Master.

Faixa 19: Pledging My Love (Composto de ensaio + take 3). De acordo com o excelente booklet que acompanha o CD, Elvis já cantava esta canção ao vivo em 1955, e ela também era uma de suas preferidas. Um R&B clássico, renovado com toques sutis de rock.

Faixa 20: It's Easy For You, take 1. "Eu me deixo levar muito facilmente; sou um filho da mãe emotivo", são as primeiras palavras de Elvis antes deste take. É muito provável que a canção, que parece totalmente autobiográfica, despertasse certos sentimentos ou angústias em sua mente. Na minha opinião, este deveria ser o Master.

Faixa 21: She Thinks I Still Care, takes 1 e 2A. Elvis põe ainda mais coração neste take. Ouvindo, não se pode deixar de sentir uma sensação de desespero na história de um homem que tenta enganar a todos dizendo que superou seu amor, mas na verdade está somente enganando a si mesmo.

Faixa 22: America the Beautiful, ao vivo (San Francisco, 28/11/76). O hino patriótico foi executado 91 vezes por Elvis entre 2 de dezembro de 1975 e 9 de dezembro de 1976, com algumas versões simplesmente alucinantes (a exemplo da de 21 de março), mas esta foi a escolhida para compor este CD por um motivo óbvio: a versão de estúdio, hoje perdida, foi retirada dela.

Faixa 23: Softly As I Leave You, ao vivo (24/08/74). A maior surpresa do álbum do FTD, esta versão de Las Vegas gravada 3 anos antes do lançamento de Moody Blue é muito bem-vinda. Estranha, sim; fora de contexto, não.

CD2

Faixa 1: Way Down, ensaio + take 1. A atmosfera de diversão das sessões em Graceland continua, e a banda começa a se preparar para a gravação com um jam. Depois de um começo excelente, Elvis pede para reiniciar a canção insistindo que a melodia parecia estar se arrastando em alguns pontos. "Quando os dedos do (David) Briggs começarem a sangrar, saberemos que conseguimos", Elvis brinca.

Faixa 2: Way Down, take 2a. Uma nova tentativa é iniciada, e Elvis parece arrastar a canção logo no início. Por algum motivo, a canção parece não funcionar depois do primeiro minuto, mas a energia retorna logo em seguida.

Faixa 3: She Thinks I Still Care, takes 3 e 4. Elvis inicia o take, mas pára em seguida pedindo para que a banda o acompanhe e não pare de tocar. O take que se segue, de número 4, já é bem conhecido e esteve em outro lançamento da FTD, o CD Made In Memphis.

Faixa 4: Moody Blue, take 1. Conhecido desde 1997, é um take padrão que bem poderia ser o Master, não fosse por alguns erros aparentes.

Faixa 5: Pledging My Love, takes 1 e 2. "Droga, culpa minha. Não estava lendo", reclama Elvis após esquecer a letra. Na segunda tentativa, Elvis não entra no tempo e o take é abortado.

Faixa 6: Pledging My Love, take 3. Um take sem defeitos. Elvis parece estar se divertindo.

Faixa 7: It's Easy For You, takes 3 e 4. "Estamos gravando?! O quê estão fazendo?! Me deixem saber o que estão fazendo, não olhem para mim com suspeita tentando dizer que eu fiz algo errado", Elvis brinca logo no início. "Precisamos de uma luz vermelha aqui, aí esses caras vão pensar que estão em um prostíbulo e vão tocar melhor", a brincadeira continua. Antes de perguntar a Felton se estavam prontos, o Rei do Rock diz o que está bastante óbvio: "Somos bem unidos aqui". Dois takes são perdidos nesta brincadeira.

Faixa 8: It's Easy For You, undubbed master. Depois de tanta descontração e com tanto entrosamento, só poderíamos esperar que o resultado fosse um Master. Elvis deixa toda sua emoção transparecer aqui.

Faixa 9: She Thinks I Still Care, takes 7 a 9. Elvis parece não estar se acertando com a música, provavelmente por causa do tempo.

Faixa 10: She Thinks I Still Care, take 10. Take padrão e bem conhecido, sem novidades.

Faixa 11: Blue Eyes Crying In the Rain, Rough Mix do Master sem edição. É a faixa que ouvimos no disco From Elvis Presley Boulevard, Memphis, Tennessee, sem edições.

Faixa 12: Moody Blue Takes 7 e 5. O famoso take 7, que termina com "shepa-cacatue-go-goddamn motherfucker sof of a gun tha-bitch", ou "a versão italiana", na concepção humorística de Elvis, se dá porque ele não está lendo a letra, como confessa logo após, dizendo "Deus, eu odeio ler". O take seguinte, de número 5, ocorre sem falhas.

Faixa 13: Bitter They Are, Harder They Fall, Rough Mix do Master. Novamente uma das faixas presentes no disco From Elvis Presley Boulevard, Memphis, Tennessee, com pequenas edições.

Faixa 14: Pledging My Love, takes 4 e 5. "Grande garoto, Tony! Agora estamos gravando Little Darlin'!", brinca Elvis com o deslize de Tony Brown no piano. "Whoa! Whoa! Esperem por mim! O navio está afundando!", observa humoristicamente após uma sucessão de erros. E eles continuam nos minutos seguintes, razão pela qual Elvis diz "quando isso chegar ao caminhão (for entregue para a gravadora), já será 'Amazing Grace' (estaremos todos mortos)".

Faixa 15: Pledging My Love, Master undubbed e sem edição. A faixa fica ainda melhor sem as melhorias.

Faixa 16: Way Down, take 2b. Elvis brinca bastante durante este take, e avisa: "apesar de tudo, vocês têm que esperar por mim (para começar a tocar)". Aos 11 segundos pode-se ouvir Elvis cantando "I'm a napalm bomb!", uma das linhas da música Steamroller Blues, e soando como se estivesse em 1973-74. A gravação que se segue é uma versão praticamente de rock pesado, que infelizmente é interrompida.

Faixa 17: Way Down, Rough Mix Master. Novamente a descontração anterior é transformada em um take perfeito.

Faixa 18: Moody Blue, takes 8 e 9. Duas tentativas de gravação. No início, Elvis é avisado que aquele seria o take 8, e responde "é isso, esse é o meu número". Ironicamente, o take é interrompido após meros 7 segundos. Mantendo o estilo poker face, Elvis pergunta: "Você acreditaria no número 9?". O take dura 25 segundos antes de Elvis perder o fôlego.

Faixa 19: Moody Blue, Rough Mix Master sem edição. A boa e velha Moody Blue do álbum em sua totalidade.

Faixa 20: She Thinks I Still Care, take 15. Um take inédito, com um final mais longo.

Faixa 21: America, the Beautiful (composto da versão ao vivo + final sobrevivente da versão de estúdio). Para fechar o álbum, a FTD incluiu esta edição, composta da versão ao vivo gravada em San Francisco em 28/11/76 com o final substituído pela versão gravada em estúdio e, infelizmente, perdida.

Postagens populares