FÃS DE ELVIS, QUEREMOS SUA OPINIÃO!

Responda nosso rápido formulário sobre um possível evento Elvístico em Porto Alegre (RS). Use a barra lateral ou scroll down para ver todas as perguntas. Não esqueça de clicar em ENVIAR ao terminar. Agradecemos a colaboração.

I'VE GOT TO FIND MY BABY!

From Elvis at American Sound Studio (FTD, 2013)

Título: From Elvis at American Sound Studio
Ano: 2013
Lançamento: 5 de dezembro de 2013
Selo: FTD
Nº de músicas: 38

FAIXAS PRINCIPAIS:

1. Kentucky Rain
2. I'll Be There
3. Mama Liked the Roses
4. If I'm a Fool (For Loving You)
5. Don't Cry Daddy
6. Rubberneckin'
7. Hey Jude
8. My Little Friend
9. Who Am I?


Quando Elvis perguntou a Chips Moman, o diretor do American Sound Studio, localizado em Memphis, se algum hit poderia ter sido criado naqueles dias de gravação, ele respondeu categoricamente: "Provavelmente alguns dos seus maiores hits".

E Chips sabia do que estava falando. Sua banda já havia produzido centenas de hits e continuaria a fazê-lo para diversos cantores do calibre de Elvis, como Neil Diamond, Dusty Springfield e Wilson Picket. A primeira amostra disso foi o sucesso de "Don't Cry Daddy", que era apenas o lado B do single "The Wonder of You" (1970). "Hey Jude" foi um grande sucesso, mesmo sendo lançada somente três anos depois. No total, pode-se dizer que as sessões do American Sound Studio foram as responsáveis pelos maiores hits dos anos 1970 para Elvis.


RESENHA: FROM ELVIS AT AMERICAN SOUND STUDIO (FTD, 2013)

O CD duplo da FTD traz em seu início 9 faixas Master daquelas sessões, todas já muito bem conhecidas. As 29 faixas seguintes são simplesmente o top daqueles 13 dias de gravação em 1969. "Suspicious Minds", seu último hit número 1, e algumas outras canções foram omitidas por já estarem presentes em outros trabalhos da FTD, como o CD Made In Memphis. Na verdade, estas são as últimas partes das gravações e ensaios ainda não lançadas pela gravadora.

Confira nossa resenha:

CD1

Faixas 1-9: Masters. Já conhecidos, apenas com melhorias no áudio. As faixas foram lançadas em diversos discos, sendo 4 deles edições de budget da RCA Camden e Pickwood (Let's Be Friends, Almost In Love, Elvis' Christmas Album e You'll Never Walk Alone) e outros 2 lançamentos oficiais da RCA (Worldwide 50 Gold Award Hits. Vol. 1 e Elvis Now).

Faixa 10: Memory Revival (instrumental). Um dos grandes sucessos dos letristas Dallas Frazier e Arthur Leo Owens ganha uma versão instrumental com um sólido baixo e toques de órgão. Infelizmente Elvis - que pode ser ouvido dizendo "alright!" logo no início e cantando partes da letra longe do microfone mais à frente - não colocou voz neste que com certeza seria mais um de seus hits.

Faixa 11: Kentucky Rain, takes 1 a 3. "Gostei do tempo, mas falta um pouco de brilho", diz Felton para Elvis. O take 1 traz uma versão um pouco mais lenta do que a do Master, mas Felton e Elvis parecem não gostar do arranjo e modificam alguns elementos. O take 3 já está parecido com o Master, mas ainda se arrastando em algumas partes.

Faixa 12: I'll Be There, takes 1 a 3. Nestes takes estão duas versões nunca antes lançadas, ambas com um solo sutil de órgão.

Faixa 13: If I'm a Fool (For Loving You), takes 1 a 3. Takes muito interessantes, com um acompanhamento blues no piano e respostas magníficas da guitarra de Reggie Young.

Faixa 14: Rubberneckin', takes 1 e 2. Um gostoso take com cítara, licks na guitarra e um baixo acentuado.

Faixa 15: Come Out, Come Out (Wherever You Are), take instrumental 2. Um take energético com o som psicodélico da época. Elvis não chegou a colocar sua voz na música, pois um estouro no escapamento de um carro que passava na rua o fez sair correndo do estúdio com uma crise de riso.

Faixa 16: You'll Think of Me, take 7. Felton Jarvis instrui Reggie Young a fazer seus licks em uma parte específica da música antes de ouvirmos um take absolutamente gostoso com muitos licks.

Faixa 17: Poor Man's Gold, take 12. Há uma melancolia no take, que infelizmente teve seu vocal abandonado por Elvis logo depois de cantar a primeira frase, talvez muito familiar para ele à época, "é o sentimento que eu tenho, olhando para meu novo bebê".

Faixa 18: Mama Liked the Roses, com overdub vocal alternativo. Um bonito vocal que infelizmente não fez parte de nenhum lançamento oficial em seu tempo.

Faixa 19: In the Ghetto, take 19. Um take sólido e muito bonito.

Faixa 20: Hey Jude, take 1. Elvis brinca nos vocais desta versão descontraída.

Faixa 21: I'll Be There, takes 4 a 6. Diferentes tentativas de gravação com o eco característico dos tempos de SUN.

CD2

Faixa 1: It's My Way / This Time / I Can't Stop Loving You. Um jam já bastante conhecido, traz Elvis brincando com a letra de algumas canções antes de entrar em uma divertida versão de "I Can't Stop Loving You".

Faixa 2: True Love Travels On a Gravel Road, take 5. Outra canção de Frazier/Owens em um take interessante que inclui alguns insights entre Elvis e Felton.

Faixa 3: Do You Know Who I Am?, takes 3 a 5. Um bonito take 3 é seguido de um excelente take 5 que acaba arruinado - para nosso deleite - pelas risadas de Elvis.

Faixa 4: Kentucky Rain, takes 5 a 7. Um arranjo diferente é ouvido no take 5 e com certeza seria uma ótima adição a qualquer disco, mas o mesmo é abortado. Elvis soa um pouco travado em certas partes do take 7, mas entrega um trabalho quase limpo antes de ser cortado por Felton.

Faixa 5: Kentucky Rain, take 8. O violão toca uma linda melodia antes do início do take, que segue sem falhas até a chamada de Felton para terminar.

Faixa 6: Kentucky Rain, take 9. Outro take sem falhas que acaba interrompido por Felton. "Vamos parar este take e fazer mais um. Acho que podemos superá-lo, ok?", diz Jarvis.

Faixa 7: Only the Strong Survive, takes 8, 11 e 12. Elvis não consegue se acertar com a letra e o tempo, e sua frustração começa a ficar aparente. "Filho da mãe!", Elvis solta. "Essa foi ótima", brinca Felton. "Fique com ela", devolve Elvis.

Faixa 8: Any Day Now, takes 5 e 6. Um excelente take 5 é abortado por Felton logo no início. Novamente Elvis luta com a letra e o tempo na sequência - e acaba sendo cortado. O take 6 segue sem problemas e com excelentes licks da guitarra de Reggie Young. As composições de Frazier Owens, como esta, têm provado serem grandes desafios para gravar.

Faixa 9: Long Black Limousine, take 9 com reparos vocais). O solo sutil de órgão é uma agradável surpresa aos ouvidos.

Faixa 10: Don't Cry Daddy, take 3 com overdub vocal). Take sem novidades, apenas algumas adições vocais.

Faixa 11: Mama Liked the Roses com overdub vocal). Além de incluir alguns novos diálogos, este take tem um pesado solo de piano ao fundo e um pouco de eco, agora não mais semelhante ao da SUN, mas sim aos primeiros sucessos pela RCA.

Faixa 12: My Little Friend com overdub vocal. A canção ganha nova vida em sua versão raw, sem as adições orquestrais do Master.

Faixa 13: Hey Jude, takes 3 e 5 a 7. Algumas tentativas frustradas levam a um take excelente que acaba sendo "estragado" por Elvis ao soltar um "motherfucker Jude" perto do final.

Faixa 14: I'll Hold You In My Heart (Till I Can Hold You In My Arms), take 1. Poucos artistas podem dizer que produziram um Master logo no primeiro take, e Elvis é um desses poucos. O material é a já famosa faixa de abertura do disco From Elvis In Memphis.

Faixa 15: Kentucky Rain, take 10. Felton diz a Elvis que ele está fazendo um grande trabalho e pede que a interação do baixo com o piano, ouvida no take 9, esteja mais presente aqui. O take ocorre sem falhas.

Faixa 16: If I'm a Fool (For Loving You), takes 6 a 9. Depois de abortar o primeiro take, o número 7 inicia sem problemas, mas tem de ser parado quando Elvis brinca com a letra dizendo "they're saying I'm just your God damn clown" ao invés da frase correta. O take 9 ocorre sem falhas.

Faixa 17: Who Am I?, Master undubbed. Take sem as adições orquestrais do disco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário!

LEMBRE-SE: Não postaremos mensagens com qualquer tipo de ofensa e/ou palavrão.

Postagens populares