I'VE GOT TO FIND MY BABY!

Elvis In Concert - Parte 4: Adios - 26 de junho de 1977

Elvis em Indianapolis, Indiana; 26 de junho de 1977
(©Len Leech)
Em 17 de junho de 1977, Elvis começou o que seria sua última turnê. Durante dez dias ele se apresentaria em 10 cidades diferentes, incluindo Omaha Rapid City, nas quais gravou seu especial, e culminando com o magnífico, para aquele momento, show de 26 de junho de 1977 em IndianapolisIndiana.

No total, Elvis passaria por um público de 117 mil pessoas e arrecadaria mais de US$ 1,5 milhões naqueles poucos dias. Em 1977, seus 59 shows renderiam em torno de US$ 7 milhões, uma soma baixa se comparada aos anos anteriores quando somente uma temporada de 30 dias em Las Vegas arrecadava US$ 2,5 milhões e as turnês nacionais traziam mais, em média, US$ 50 milhões.

Claro, a saúde fraca de Elvis tinha uma porcentagem no por quê desses números baixos, uma vez que os fãs mais novos começaram a vê-lo como um dinossauro da música. Outro ponto era o estilo musical da época que também começava a mudar rapidamente em direção ao Punk Rock e Pop, afastando plateias mais jovens. O trabalho da mídia, que difamava Elvis sempre que podia , também teve parte nisso.

Mas Elvis era Elvis e se havia coisas com que ele podia contar, eram os milhões de fãs espalhados pelos EUA e pelo mundo. Sua voz, que naquele tempo começava a soar como a de tenores, era outra coisa que nunca o abandonava. Mesmo nos piores shows de 1977, e eles foram muitos, infelizmente, sua voz permaneceu intacta e sonora - apesar de arrastada e cansada, por vezes.

Abaixo resenhamos o último show da última turnê: 26 de junho.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

INDIANAPOLIS, INDIANA - 26 DE JUNHO DE 1977

Depois de seu show em Cincinnati, Ohio, Elvis voou já na madrugada do dia 26 para Indianapolis, onde se apresentaria no encerramento de sua turnê naquela noite. Segundo membros da Máfia, ele reclamara de não conseguir dormir e algumas dores de cabeça durante o voo, mas nada grave ou que sugerisse a necessidade do cancelamento do concerto. Havia um certo entusiasmo nele e uma vontade de cantar antigos clássicos de seus shows e por isso algumas mudanças foram feitas na lista de músicas. Com tais modificações, a apresentação se tornaria algo surpreendente.

Elvis teve algumas obrigações contratuais naquela ocasião. Ao chegar ao aeroporto de Cincinnati, ele foi recebido por executivos da RCA e premiado com um disco equivalente a um certificado de venda de 200x Diamante devido ao fato de que a fábrica da gravadora em Indianapolis havia chegado ao número de dois bilhões de LPs prensados durante a produção de Moody Blue. À vontade em seu traje especial do Departamento Anti-Drogas dos EUA, Elvis atendeu os executivos e a imprensa ao descer do Lisa Marie, tirando fotos para matérias jornalísticas e arquivo. Fãs que esperavam no aeroporto puderam vê-lo de longe e receber algum aceno, mas não houve aproximação para fotos e autógrafos devido ao atraso de seu voo e a necessidade de descanso.

Elvis recebe prêmio no aeroporto de Indianapolis; 26 de junho de 1977



Elvis, Vernon, Ginger, Joe Esposito e Ed Parker tomaram sua limusine logo em seguida e se dirigiram ao hotel onde ficariam até o momento do show. Pouco antes das 19:30 o Rei do Rock e sua entourage se dirigiram à Market Square Arena, onde 18 mil pessoas o veriam se apresentar em sua Mexican Sundial. De fato, muitas pessoas ainda ficariam do lado de fora da arena, tentando pelo menos ouvir a apresentação, uma vez que os ingressos acabaram rapidamente e o público era maior do que o local poderia acomodar. À época, a cada show que passava notava-se que o interesse do público aumentava e o próximo evento lotava além das expectativas. Elvis Presley ainda era um nome forte no mundo musical, mas há a hipótese de que seu público estava vendo que aqueles seriam seus últimos momentos no palco, seja por aposentadoria ou doença. De certa forma, toda a adoração parecia um tanto mórbida.

Nos bastidores, Elvis se prepara para seu concerto ao som do pré-show que ocorria na arena. Como de costume, seus backing vocals rendiam algumas canções e entusiasmavam o público para o grande momento.  JD Sumner e os Stamps são a atração inicial, cantando clássicos Gospel e músicas de seus novos álbuns. Na sequência, The Sweet Inspirations trazem alguns hits do momento como "Black Sunday" e "If You Leave Me Now", além de um longo medley das canções de Stevie Wonder. A apresentação dos membros do trio leva ao final do pré-show e ao momento mais esperado da noite. As luzes se apagam e a mágica acontece pela última vez.

Acompanhe abaixo a resenha detalhada da apresentação.

Elvis chega à Market Square Arena; Indianapolis, Indiana, 26 de junho de 1977











--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

RESENHA: INDIANAPOLIS, INDIANA, 26 DE JUNHO DE 1977
(THE LAST FAREWELL - RAINBOW RECORDS, 2008)

Título:
The Last Farewell - Elvis In Concert - June 26, 1977
Selo:
Rainbow Records
Formato:
CD duplo
Número de faixas:
36
Duração:
103:30
Tipo de álbum:
Disco comum
Vinculado a:
Discografia extra
Ano:
2008
Gravação:
26 de junho de 1977
Lançamento:
2008
Singles:
---

1. Also Sprach Zarathustra - A plateia está em êxtase e não é para menos. Apesar de todas as dificuldades, Elvis adentra o palco com energia contagiante.

2. See See Rider - A primeira coisa que se nota é que a canção está sendo executada de forma mais lenta do que de costume. Não é uma mudança radical e passa quase imperceptível, mas mostra que Elvis se preocupou em adequar o show à sua voz naquela noite.

3. I Got a Woman / Amen - Também executada mais lenta, é uma rendição padrão. A diferença é que Elvis realmente está disposto e faz muitos passos elaborados durante a execução. Depois de um "striptease" e dive bombs extra longos, ele finaliza a canção com golpes de karatê e jogando o violão para as sombras, diretamente nas mãos de Charlie Hodge.

4. Love Me - "Muito obrigado, senhoras e senhores. Eu gostaria de dizer que é um prazer estar aqui em frente a esta grande plateia e que esperamos entretê-los esta noite... Que dia é hoje? Segunda?" Charlie Hodge responde que é sábado, mas na verdade é domingo. "Sábado? De qualquer jeito, vamos cantar muitas músicas, novas e velhas, e esperamos que tenha algo que vocês, sabem... Vamos atender alguns pedidos." A plateia vai à loucura quado Elvis se aproxima da beira do palco para jogar um lenço. "Nosso trabalho é entretê-los, então tentem se divertir se puderem." Depois de uma longa introdução a canção é iniciada, novamente de forma mais lenta que o normal, e o Rei do Rock passa a distribuir lenços para suas fãs em histeria.

5. Fairytale - "Eu gostaria de cantar uma canção que é a história da minha vida, se chama 'Fairytale'", Elvis introduz como de costume. Esta é uma das poucas músicas que ele cantava com entusiasmo na época, e pode-se perceber isso sob todas as dificuldades daquela noite.

Elvis no início de sua apresentação; Indianapolis, Indiana, 26 de junho de 1977 (duas últimas fotos - ©Keith Alverson)


6. You Gave Me a Mountain - A voz de Elvis soa fortíssima na rendição e relembra alguns dos melhores shows daquela última temporada. O ritmo da banda parece ter voltado brevemente ao normal e a plateia realmente gosta do que ouve, especialmente porque o Rei do Rock começa a se empolgar e mostrar a verdadeira potência de sua voz.

7. Jailhouse Rock - "Meu terceiro filme foi Jailhouse Rock... Minha voz era mais aguda, eu era um jovenzinho." Assim que a canção começa, Elvis a interrompe. Seu ouvido ainda muito aguçado notara que seu novo baterista Larrie Londin havia pulado uma nota e isso foi o necessário para que ele quisesse recomeçar tudo. A rendição então decorre como de costume.

8. O Sole Mio / It's Now or Never - Os primeiros sinais de cansaço aparecem quando Elvis começa a se enrolar para falar durante a introdução de Sherrill Nielsen e seu solo em "O Sole Mio". Genuinamente um fã de Nielsen e seus vocais, o Rei do Rock pede para que ele faça a linha final novamente antes de entrar com sua impressionantemente bem executada versão em inglês.

9. Little Sister - "Eu gostaria de fazer um medley das minhas canções de sucesso, começando com 'Little Sister'". A canção é bem recebida, mas é executada de forma inferior aos dias anteriores. A plateia não se importa e bate palmas no ritmo, algo que anima Elvis.

10. Teddy Bear / Don't Be Cruel - A rendição é padrão, com Elvis entregando lenços a fãs enlouquecidas na beira do palco.

Da esquerda para a direita: Elvis durante "You Gave Me a Mountain", "Jailhouse Rock", "O Sole Mio / It's Now or Never" e "Teddy Bear / Don't Be Cruel"; Indianapolis, Indiana, 26 de junho de 1977 (primeira e última foto - ©Tom Loomis; fotos centrais - ©Len Leech)


11. Release Me - "Muito obrigado. Deixe-me ver... Em que nota fazemos 'Release Me' ?", Elvis pergunta a Charlie Hodge. A primeira surpresa da noite é recebida com verdadeiro entusiasmo pela plateia. Ele já a havia cantado em outras duas ocasiões de 1977, mas a canção estava oficialmente fora de seus shows desde setembro de 1973. A versão claramente não faz jus às mais famosas do início da década, mas mostra um Elvis que se inclinava a coisas diferentes do que às que Parker e parte do seu público gostariam de prendê-lo. A rendição é bem mais lenta do que o normal.

12. I Can't Stop Loving You - "Esta canção próxima... Esta próxima canção... Eu tenho uma lista de canções, o que gostariam de ouvir?", pergunta. O público sugere a canção, um clássico ausente dos palcos desde julho de 1974. Elvis erra a entrada na primeira tentativa, mas recomeça e mostra que ainda lembra perfeitamente da letra. Tirando as notas não tão altas e a rendição um pouco mais lenta, a canção é bem executada para algo escolhido espontaneamente.

13. Bridge Over Troubled Water - "Vamos cantar 'Bridge Over Troubled Water'", diz ao ouvir outro fã. A versão é bastante lenta e Elvis usa notas mais adequadas à sua potência vocal naquele momento, mas a plateia aplaude efusivamente o esforço para atender aquele pedido de uma canção que só era cantada esporadicamente desde setembro de 1974. Os gritos e aplausos do público tomam conta totalmente do lugar ao final da rendição.

14. Introduções -  É a hora de apresentar os membros de seu grupo. Com o solo de John Wilkinson na guitarra rítmica, Elvis canta "Early Morning Rain"; com a guitarra solo de James Burton, interpreta "What'd I Say" e "Johnny B. Goode". Larrie Londin performa um solo arrasador de bateria (o mesmo solo de Ronnie Tutt, mas muito mais elaborado), sendo seguido por um Blues de raiz no solo de Jerry Scheff e Elvis cantando "I Really Don't Want to Know" durante o segundo solo do novo pianista oficial Tony Brown. Por fim, Elvis apresenta o solo de Bob Ogdin no piano elétrico, Charlie Hodge, Joe Guercio e sua orquestra.

Elvis durante seu show; Indianapolis, Indiana, 26 de junho de 1977 (primeira foto - ©Tom Loomis; segunda foto - ©Len Leech; duas últimas fotos - ©Bob Heis)

15. Hurt - Elvis levanta a nota inicial e as fãs gritam junto. Um dos maiores clássicos dos shows de 1976 em diante, a canção é realmente emotiva para todos. Elvis dá seu melhor apesar dos pesares e entrega uma rendição sólida que é ouvida pelo público quase que em total silêncio e adoração. As notas finais de Elvis na canção parecem realmente expressar e extravasar toda sua dor.

16. Hound Dog - As fãs deliram com a canção e com os lenços entregues por Elvis durante ela. A bateria pesada de Larrie Londin incentiva o Rei do Rock a ir mais longe em sua já típica dança no fim da canção. Ele rebola, pula, esperneia; extravasa todo seu sentimento.

17. Can't Help Falling In Love / Closing Vamp - Elvis apresenta Vernon para a plateia emocionada e o chama para o palco, abraçando-o carinhosamente. Depois de agradecimentos a sua equipe de produção, familiares e amigos (Elvis chama Jo Smith de "minha assassina", em uma brincadeira um tanto estranha), o momento do último adeus se anuncia. "Se nos quiserem de volta, avisem e nós voltaremos. Adios!" A plateia suspira em uma mistura de tristeza, melancolia e êxtase, parecendo saber que a última oportunidade de vê-lo havia terminado ali. O último adios acontecera diante de seus olhos.

Elvis se despede de seus fãs pela última vez; Indianapolis, Indiana, 26 de junho de 1977 (última foto - ©Bob Heis


VÍDEOS: Show completo em áudio amador + trechos com vídeo amador




--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

LEIA TAMBÉM:

- Elvis In Concert - Parte 1: 17, 18 e 19 de junho de 1977 (clique aqui)
- Elvis In Concert - Parte 2: 20, 21 e 22 de junho de 1977 (clique aqui)
- Elvis In Concert - Parte 3: 23, 24 e 25 de junho de 1977 (clique aqui)
- Elvis In Concert - Parte 5: Elvis In Concert (clique aqui)

2 comentários:

  1. Apesar de muito doente ele cantava com uma voz abençoada. Viva ELVIS! <3

    ResponderExcluir
  2. Nessa filmagem no aeropórto ele não aparenta estar tão gordo. Está lindo com um sorriso terno!

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário!

LEMBRE-SE: Não postaremos mensagens com qualquer tipo de ofensa e/ou palavrão.

Postagens populares