TRANSLATE THIS SITE / TRADUCIR ESTE SITIO

ATENÇÃO SEGUIDORES E VISITANTES

O site Elvis Presley Index está passando por algumas reformulações.
Durante esse processo, algumas páginas estarão indisponíveis em dados momentos.
Agradeço a compreensão desde já.

Att.,
Diego Mantese.

I'VE GOT TO FIND MY BABY!

Entrevista com Donna Butterworth

Nascida em 23 de fevereiro de 1956 naPennsylvania, Donna teve uma curta carreira. Ela foi descoberta pela Paramount enquanto se apresentava como cantora no Havaí e maravilhava os turistas, entre eles Jerry Lewis. Sua carreira se resume a dois filmes, sendo "Uma Família Fuleira" (1965), com Jerry Lewis, e "No Paraíso do Havaí". Ela também teve uma breve participação em alguns episódios da série "Wonderful World of Color" em 1967.

Donna abandonou o cinema e a TV para se dedicar à música e teve uma carreira prolífica no ramo na década de 1970. A partir dos anos 1980, ela se tornaria uma reclusa e vê-la era, para os fãs, tão raro e surpreendente quanto seria ver o próprio Elvis. A atriz e cantora morreu em 6 de março de 2018, aos 62 anos, de causas desconhecidas.

No final de março de 2015, ela cedeu uma rara entrevista em áudio ao site Elvis 2001, reproduzida aqui a partir de postagem com a transcrição da mesma no site do fã-clube Elvis Australia.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Joe Krein: Você pode me contar um pouco sobre você, onde nasceu e cresceu?

Donna Butterworth: A maioria das pessoas pensa que eu nasci no Havaí, mas não, eu nasci na Pensilvânia. Vivi lá até os três anos de idade, depois nos mudamos para o Havaí. Meu pai estava no grande boom da construção que acontecia no Havaí, então ele nos mudou para Wahoo e eu fui criada lá, e pouco depois eu aprendi a tocar o Ukulele. Essa é a maneira como minha carreira musical começou. O Havaí foi um ótimo lugar para ser criada e eu ainda estou aqui hoje. O Havaí realmente é o paraíso, mas está ficando um pouco mais cheio, não é como nos velhos tempos. Mas ainda é realmente um paraíso.

JK: Eu sei que Elvis adorava o Havaí.

Donna em apresentação, 1967
DB: Ah, sim, realmente amava o Havaí. Quando estávamos fazendo Paradise Hawaiian Style, ele adorava o Havaí. Eu acho que era onde ele ficava relaxado. Ele ficava feliz, gostava do sol em sua pele, gostava da água e estava sempre de bom humor quando estávamos no Havaí.

JK: Quando você decidiu que queria começar a atuar? você começou quando era muito jovem.

BD: Certo. Na verdade, como eu disse, comecei a tocar música havaiana, acho que quando eu tinha cerca de três anos. Eu tive a sorte de ser ensinada por um dos grandes compositores havaianos, John Alneeta, e um belo dia eu estava fazendo pequenos concertos ao redor da ilha. Eu estava me apresentando com Don Ho na década de sessenta, então fui convidada a trabalhar no Royal Hawaiian Hotel. Na minha noite de abertura, o produtor do Andy Williams Show estava lá e queria ser meu agente. Então eu fiz o Andy Williams Show e consegui trabalhar com Jerry Lewis. Meu maior sonho era conhecer Elvis, e naquela época Paradise Hawaiian Style estava em andamento e eu já havia feito algumas coisas profissionalmente. Fiquei encantada ao descobrir que eles me queriam no filme. Eles estavam fazendo muitas filmagens praticamente no meu quintal, então isso foi ótimo.

JK: Então, você pode me contar sobre a primeira vez que conheceu Elvis?

DB: Bem, na verdade, é uma espécie de história engraçada, nós estávamos no Maka Pu'u Point, que é um belo ponto em Oahu, que você tem que passar por uma estrada do governo para chegar. Essa era a cena do acidente, era o primeiro dia de filmagem para mim com Elvis. Eu tive que correr para seus braços e dizer 'tio Rick, tio Rick!' e explicar o que aconteceu. Você sabe, tinha acabado de conhecê-lo meio timidamente cerca de meia hora antes, mas quando disseram 'ação' eu tive que correr para seus braços e olhar diretamente para o seu rosto lindo. Eu simplesmente tive um branco e não podia dizer minhas falas, e todos começaram a rir. O diretor disse 'corta!' Quando eu cheguei a três centímetros de seu rosto, eu não podia acreditar que realmente estivesse em seus braços e olhando para ele. Eu acabei congelando, estava maravilhada em olhar para ele. Então eu me recompus, e consegui na segunda tomada. Esse foi o meu primeiro encontro de perto com Elvis.

Donna e Jerry Lewis no set de "Uma Família Fuleira" (1965)

JK: O produtor provavelmente estava dizendo, "oh não, ela é uma fã de Elvis".

DB: Bem, claro, acho que todos sabiam disso quando começamos, mas é por isso que eu acho que foi tão engraçado quando todos riram, porque quando olhei direto para ele, eu estava tão apaixonada que simplesmente não podia falar.

JK: Então, como era trabalhar com Elvis? Além da primeira vez. Como você acha que ele era como ator. Eu sei que você era muito jovem.

DB: Certo. Eu tinha dez anos, mas era muito esperta. Eu sabia o que estava acontecendo e fiz esse filme com Jerry Lewis, estava familiarizada com o processo. Elvis era um profissional fabuloso, mas também era um ser humano fabuloso porque ele ficava muito confortável com todos. Ele sempre tentou se divertir muito no set. Então, nos quatro meses que todos estávamos juntos no Havaí e, claro, no Paramount Studios em Hollywood, ele era simplesmente um ótimo cara para se estar por perto. Ele separava para mim e para o técnico de iluminação, se o homem falasse com ele. Ele era apenas um ser humano real e um ótimo cara para se estar por perto.

JK: Então, você conseguiu se sentar e ter uma conversa com Elvis e apenas falar sobre outras coisas?

DB: Bem, há uma história engraçada que Bill Brown escreveu para uma revista na Inglaterra. Eu contei a ele essa história que será lançada em breve. Ele me fez a mesma pergunta. Você sabe, eu já conhecia Priscilla e gostava dela, mas você sabe, eu tinha apenas dez anos. Ele andava a beijando todas essas mulheres nos filmes e eu realmente não entendia como isso funcionava. Então ele me levou para almoçar, eles me pegaram em um carrinho de golfe estendido para que todos os seus guardas pudessem andar com ele. Ele me pegou e me levou para o seu vestiário, onde ele comeu cheeseburgers e eu comi tacos do Del Taco, porque era o meu favorito. Ele passou uma hora explicando-me a diferença entre amar e estar apaixonado. Ele explicou isso de uma maneira muito amorosa. "Deus quer que amemos todos os seus irmãos e irmãs. Estamos fazendo um filme que está separado desta linha da história, mas é claro que você só pode estar apaixonado por uma única pessoa e essa é a Priscilla." Então, aqui está o Rei do Rock sentado com cheeseburgers e tacos, tomando tempo em sua vida agitada para explicar isso para uma criança de dez anos de idade. Então eu tenho grandes lembranças de Elvis, ele era um ótimo cara.

Donna em sua primeira cena com Elvis

JK: Como era Priscilla?

DB: Priscilla era adorável, mas ela era tão jovem, e parecia uma pequena boneca de porcelana com seus cabelos e maquiagem. Ela era muito quieta, mas aparecia no set algumas vezes, e ficava lá. Mas ela era amável e muito amigável. Era mais privada, mas não era uma pessoa ruim.

JK: Tenho certeza que ainda era tudo muito novo para ela.

DB: Sim, parecia que sim, você poderia dizer que ela estava maravilhada com o processo. Fazer filmes é uma coisa tão pura. Eu podia ver que ela estava interessada nisso e simplesmente ficava na linha lateral observando tudo. Ela conversava com as pessoas se conversassem com ela, era elegante e tranquila, mas uma pessoa encantadora.

JK: Seu pai Vernon estava no set?

DB: Ah sim, ele estava por lá e sua namorada, Dee, estava também. Eles estavam todos no Havaí conosco e ele ia ao set. Eu via muito Vernon.

JK: Há algo que aconteceu no set que você sempre lembrará? Algo engraçado que aconteceu?

DB: Bem, houve uma parte em que Elvis começou a rir e não pode parar por quatro horas. Era hilário, ele estava fazendo a cena com o helicóptero e Julie Parrish. Eles tinham todos aqueles cães no helicóptero. Essa foi uma cena difícil de fazer, a pobre Julie realmente ficou arranhada de um jeito horrível. Então, estavam fazendo essa cena no interior do estúdio da Paramount e foi uma cena frustrante porque os cães nem sempre cooperaram. Foi uma gravação simplesmente difícil. Elvis estava de bom humor de qualquer maneira, mas nosso diretor acidentalmente chamou os poodles de "foodle" e Elvis acabou perdendo a linha. Mickey Moore estava dirigindo de forma tão séria, que quando ele chamou esse cachorro de "foodle", Elvis perdeu a linha. Nunca vi um homem rir tanto e por tanto tempo. Então todos começaram a rir. Foi uma coisa muito boba, mas fez Elvis rir, então eu nunca vou esquecer. Ele tinha uma risada muito infecciosa e gostava de rir. Então, quando Elvis entrava em alguma coisa e começava a rir, era isso. Foi muito divertido.

JK: Como foi trabalhar com Julie Parrish?

DB: Todas as garotas daquele filme eram apenas pessoas adoráveis, você sabe, cada uma se divertiu fazendo aquilo, exceto por isso, ela [Julie] foi arranhada por esses cães. Em outras palavras, você tem que tirar o bem do ruim. Essa é uma parte do negócio em que estamos. Mas ela aguentou com firmeza,  era uma pessoa encantadora e profissional. Você sabe, muitas pessoas voaram para o Havaí e foi uma cena completamente diferente, é um paraíso tão adorável. Isso pôs as pessoas de bom humor e foi uma ótima gravação.

Elvis e Julie Parrish em cena

JK: Então, quando o filme terminou?

DB: Estou tentando pensar, eu sei que começamos no verão. Nós gravamos em 1964, eu acredito, e terminamos logo após o Natal. Então eu acho que saiu em 1966. Então, tivemos bons quatro meses juntos, você sabe, foi uma ótima experiência.

JK: Elvis gostava de fazer muitas brincadeiras, ele fez alguma enquanto estava no set?

DB: Sim, ele e os meninos dele sempre estavam fazendo alguma coisa. Eles sempre estavam correndo ou alguém estava tentando perseguindo alguém. Estavam rindo de alguma coisa. Sim, todos tinham algo acontecendo. Lembro-me quando estávamos na praia fazendo a cena onde Elvis perde a chave do helicóptero. Elvis sempre gostou de ter seu refrigerador cheio de Coca e cubos de gelo até o topo. Se ele tomasse uma, alguém tinha que substituí-la ou então ele ficaria irritado. Então, uma vez Elvis foi buscar uma Coca e todas tinham acabado. Além disso, todo o gelo desaparecera. Todo mundo estava esperando sua reação, mas ele sabia qual dos seus garotos falhara, então ele o perseguiu por toda a praia. Apenas coisas infantis, mas eles sempre estavam se divertindo.

JK: Então, o filme terminou, como você diz adeus a Elvis?

DB: Bem, não é fácil, mas você percebe que tudo assim chega ao fim. Lembro-me que minha mãe e eu estávamos saindo do meu vestiário. Estávamos nos arrumando para nossa limusine nos levar de volta ao hotel, e depois um avião de volta ao Havaí. Ele saiu do camarim com uma calça preta, camisa preta e sapatos pretos. Joe Esposito e Jerry Schilling estavam esperando por ele em seu Rolls Royce branco. Ele veio até minha mãe e deu-lhe um maravilhoso beijo e um abraço, disse o quão bom tinha sido trabalhar com a gente e me deu um grande abraço e beijo. Disse que tinha sido bom trabalhar comigo e que esperava me ver novamente. Eu disse que esperava o mesmo. Foi um adeus sincero. Então ele saiu em seu carro, nós fomos embora e foi isso.

JK: Agora, você foi à première do filme? E Elvis?

DB: Bem, não houve realmente uma première, por assim dizer. Houve uma aqui no Havaí porque era uma grande coisa eu estar nele. Eu já tinha fãs aqui porque comecei a tocar por aqui em uma idade tenra, então tivemos um grande première no Havaí, mas não em Hollywood. Naquela época, nem sempre faziam isso, simplesmente faziam a estreia toda no mesmo dia. Eles faziam anúncios na TV, mas não havia realmente uma première, por assim dizer.

Foto de 2015 exibida no obituário do jornal Hawaii
Tribune-Herald
de 9 de março de 2018 é a última
imagem pública conhecida de Donna
JK: Você manteve contato com Elvis?

DB: Não, nunca. Fui vê-lo enquanto estava em concerto no Havaí, o que ele fez por satélite.

JK: Oh, você estava lá!

DB: Certo, vi o coronel Parker andando e quase fui até ele. Eu queria dizer "nossa, eu adoraria ver Elvis", mas simplesmente não parecia certo. Simplesmente não pareceu apropriado no momento. Lamento isso desde então! É claro que quatro anos depois o perdemos.

JK: Então, como você ouviu que Elvis morreu?

DB: Eu estava no meu apartamento, lembro disso vividamente, o rádio estava ligado. Então, foi anunciado pelo rádio e meu primeiro instinto foi correr para meu armário, pegar meu livro de recordações e abri-lo na página onde ele e eu estávamos juntos. Então eu apenas chorei; todo mundo chorou, eu acho. Esse foi um dia completamente horrível. Foi bastante chocante, eu sabia que ele estava tendo problemas, mas ninguém sabia a extensão deles.






_________________________________________________________________________________________________________________

Texto original: Elvis Australia
Fotos: Google
Tradução: Elvis Presley Index | http://www.elvispresleyindex.com.br
>> a re-disponibilização desta tradução só é permitida se mantidos os créditos e sem edições.<<

Um comentário:

  1. Amei esse comentário, assisti esses filmes de Elvis com essa pequena,é uma pena que já perdemos Elvis, eh agora perdemos ela também, mas acho que ela passou muitos momentos bons com ele, pois ele parecia ser uma pessoa muito boa,foi uma grande perda a morte desse sé tão iluminado e tão lindo que era meu querido Elvis Presley,eu sou fã dele dedes muito novinha,para mim nunca mas vai Existi um ser humano como ele lindo de esprito e alma ,vc deixo muitas saudades Elvis pra sempre Elvis inesquivável

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário!

LEMBRE-SE: Não postaremos mensagens com qualquer tipo de ofensa e/ou palavrão.

Postagens populares

Creative Commons