TRANSLATE THIS SITE / TRADUCIR ESTE SITIO

ATENÇÃO SEGUIDORES E VISITANTES

O site Elvis Presley Index está passando por algumas reformulações.
Durante esse processo, algumas páginas estarão indisponíveis em dados momentos.
Agradeço a compreensão desde já.

Att.,
Diego Mantese.

I'VE GOT TO FIND MY BABY!

Menos Conversa, Mais Ação: Live a Little, Love a Little

LIVE A LITTLE, LOVE A LITTLE (EUA, 1968)

Título brasileiro: Viva Um Pouquinho, Ame Um Pouquinho
Gravação:
1 de abril a 1 de maio de 1968
Lançamento:
23 de outubro de 1968
Duração:
90min
Produtora:
Metro-Goldwyn-Mayer
Orçamento:
US$ 3 milhões
Arrecadação:
US$ 3 milhões
Elenco principal:
Elvis Presley
Michele Carey
Dick Sargent
Rudy Vallée
Trilha sonora:
"Almost In Love" (single)
[b/w "A Little Less Conversation"]
(3 de setembro de 1968)
"Elvis Sings Flaming Star" (LP)
(18 de outubro de 1968)
"If I Can Dream" (single)
[b/w "Edge of Reality"]
(29 de novembro de 1968)
"Almost In Love" (LP)
(Novembro de 1970)
"Command Performances: Essential 60's Masters II" (CD)
(15 de julho de 1992)
"Live a Little, Love a Little" (CD)
(FTD, novembro de 2015)


Live a Little, Love a Little é o 28º filme de Elvis. Nele, Greg Nolan é um fotógrafo levado ao limite da realidade por uma misteriosa mulher cheia de surpresas e um cão endiabrado. Esta produção marca o retorno de Elvis aos filmes (mais ou menos) sérios, os quais não fazia desde 1958.

Baseado no romance "Kiss My Firm But Pliant Lips", escrito por Dan Greenburg em 1965, e com roteiro co-escrito por ele, "Viva um Pouquinho, Ame um Pouquinho" foi o primeiro filme a desviar totalmente do padrão das produções medíocres das quais Elvis fazia parte desde 1964. Ainda havia músicas, algumas brigas e situações engraçadas, mas a produção tinha uma tom mais maduro, com uma linguagem forte, referências a drogas, e um encontro sexual implícito.

Elvis e Michele Carey na cena final de "Viva Um Pouquinho, Ame Um Pouquinho"


Ao contrário de muitos filmes anteriores que envolveram Elvis em estúdio atuando em frente a um chromakey, neste ele foi capaz de fazer mais cenas em locações reais do que o habitual. A maioria delas foi filmada em torno de Hollywood, ao longo da costa de Malibu e no Los Angeles Music Center. A cena de abertura foi filmada sem o uso de dublês profissionais, com Elvis e Red West fazendo todas as manobras perigosas. As gravações começaram em 1º de abril de 1968, dois meses após o nascimento de Lisa Marie, e terminaram em 1º de maio, dia do 1º aniversário de casamento de Elvis e Priscilla.

Durante o intervalo das gravações de uma cena, Elvis foi empurrado e jogado ao chão por um bando de senhoras que correram em sua direção. Para a surpresa de todos, elas não tinham interesse nele, e queriam apenas o autógrafo de Rudy Vallée.

Poster promocional com o elenco principal: Elvis, Michele Carey e Dick Sargent.

A produção foi co-estrelada por Michele Carey e Dick Sargent, e contou com o pai de Elvis, Vernon, em um cameo sem créditos. Vários amigos da Máfia de Memphis, como Red West e Joe Esposito, também aparecem. Apesar de muitas informações desencontradas, o cão visto no filme era realmente Brutus, de propriedade de Elvis, adquirido para a proteção de Lisa. Na direção, Norman Taurog fazia sua despedida do cinema.



Lançado em 23 de outubro de 1968, o filme não conseguiu impressionar a maioria dos críticos nem o publico, e arrecadou apenas o que custou - US$ 3 milhões em cima do orçamento de US$ 3 milhões (destes, US$ 850 mil foram para o cachê de Elvis, que também recebeu 50% da arrecadação). Devido ao desempenho decepcionante nos EUA, o filme não foi lançado em outros países na época.


TRILHA SONORA

Sendo este o segundo dos cinco últimos filmes de Elvis durante a década de 1960 feito com apenas um punhado de números musicais, a sessão de gravação das quatro músicas vistas na produção teve lugar no Western Recorders, em Hollywood, Califórnia, em 7 de março de 1968. O produtor encarregado da sessão, Billy Strange, que tinha trabalhado tanto com Frank quanto com Nancy Sinatra, e em sintonia com as tendências atuais na música popular, trouxe um grupo de músicos de fora do conforto habitual de Elvis e produziu um som que passou longe da mediocridade das trilhas de seus filmes até então.

"Almost in Love", a única música de um brasileiro (Luíz Bonfá) a ser gravada por Elvis, "Edge of Reality" e "A Little Less Conversation" se tornariam hits do filme. A última foi lançada como um single, com "Almost in Love" no lado B, em 3 de setembro de 1968, entrando para a lista da Billboard Hot 100. Mais de três décadas depois, em 2002, um remix de "A Little Less Conversation" se tornaria um #1 hit global, embora a versão de origem para ele tenha sido, na verdade, a regravação feita por Elvis para seu especial de 1968.

"Edge of Reality" surgiu em 29 de outubro de 1968 como lado  do single de "If I Can Dream", a canção usada para fechar seu especial de televisão que iria ao ar ainda naquele ano. "Wonderful World", ouvida durante os créditos de abertura do filme, havia aparecido na compilação "Elvis Sings Flaming Star", em 18 de outubro de 1968. Todas as três faixas lançadas em singles ressurgiram remasterizadas no box "Command Performances: The Essential 60's Masters II" em 1992.








_________________________________________________________________________________________________________________

ESTRELAS COADJUVANTES

MICHELE CAREY

Carey nasceu em 26 de fevereiro de 1943, em AnnapolisMaryland. Em tenra idade Michele provou ser um prodígio do piano; ela ganhou um concurso nacional no Festival de Música de Chicago, aos 13 anos, e se apresentou com a Orquestra Sinfônica de Rochester.

Enquanto estudava, ela teve um casamento rápido que gerou um filho e depois mudou-se para Los Angeles, em 1964, para seguir uma carreira de modelo de sucesso, mas estava mais interessada em atuar. Ajudada por sua beleza, ela logo chamou a atenção dos produtores de Hollywood e fez suas primeiras aparições.

Michele Carei atuou em seu primeiro grande filme, "El Dorado", em 1966, ao lado de John Wayne, co-estrelou "Viva Um Pouquinho, Ame Um Pouquinho" com Elvis, em 1968, e "O Mais Bandido dos Bandidos", com Frank Sinatra, em 1971. Na televisão fez papéis como convidada especial em séries como "Gunsmoke" (1972) e "Starsky e Hutch" (1975). Seu último trabalho se deu em "À Sombra do Kilimanjaro" (1986), aposentando-se no ano seguinte. A atriz vive atualmente em Maryland e tem 75 anos.


DICK SARGENT

Nascido Richard Stanford Cox em Carmel-by-the-SeaCalifórnia, em 19 de abril de 1930, Dick se formou em Teatro e foi figura marcada em centenas de produções desde sua estréia no cinema em "Prisioneiro de Guerra" (1954).

Suas maiores contribuições foram para a televisão, onde viveu diversos personagens em séries de sucesso, como Darrin Stephens na série "A Feiticeira" (1964-1972) durante as quatro últimas temporadas. No cinema, Sargent tem poucas aparições, como em "Anáguas À Bordo" (1959).

Ao longo da década de 1980, ele se juntou à atriz Sally Struthers como um defensor do Fundo Cristão para Crianças e descobriu um câncer de próstata diagnosticado que debilitou sua saúde em 1989. No National Coming Out Day de 1991, declarou publicamente sua homossexualidade.

Depois de seu diagnóstico, os médicos estavam inicialmente otimistas de que ele poderia ser tratado; no entanto, a doença continuou a se espalhar e no início de 1994, ele se tornou seriamente doente. Sargent, que vivera toda sua vida com seu parceiro, Albert Williams, morreu em decorrência da doença em 8 de julho de 1994, aos 64 anos.


RUDY VALLÉE

Rudy Vallée nasceu Hubert Prior Vallée em Island PondVermont, em 28 de julho de 1901. Em 1917, ele decidiu se alistar para a Primeira Guerra Mundial, mas foi rejeitado quando as autoridades da Marinha descobriram que tinha apenas 15 anos. Depois de tocar bateria em sua banda escolar, Vallée tocou clarinete e saxofone em torno da Nova Inglaterra e foi integrante oficial da banda do Hotel Savoy Havana, em Londres, de 1924 a 1928.

Ele então retornou para os Estados Unidos e formou sua própria banda, a "Rudy Vallée and the Yankees from Connecticut", sendo descoberto por um produtor ainda em 1928 e tornando-se o mais proeminente, e sem dúvida o primeiro, de um novo estilo de cantor popular - o crooner. Em 1929, Vallée fez seu primeiro longa-metragem, "O Amante Vagabundo", para a RKO.

Os mais de 30 anos seguintes foram totalmente dedicados a seus discos e o cinema. De fato, "Viva Um Pouquinho, Ame Um Pouquinho" foi o último filme do qual participou como um dos personagens principais, aparecendo depois em somente mais cinco. Na TV, Vallée fez aparições em séries até 1984, quando deixou a atuação e a música para se aposentar. Vallée morreu de câncer em sua casa em 3 de julho de 1986, aos 84 anos.


CELESTE YARNALL

Nascida em 26 de julho de 1944, Yarnall teve uma proeminente carreira na televisão a partir de 1964, quando ganhou o concurso nacional Miss Rheingold, com 20 milhões de votos. Isso levou a numerosos papéis na TV, em séries como "Heróis de Hogan", "Bonanza", "Terra de Gigantes", "O Homem da U.N.C.L.E." e a seu papel mais memorável, a Yeoman Landon na série "Jornada nas Estrelas" (1966-1969), em 1967. No ano seguinte, foi uma das co-estrelas de "Viva Um Pouquinho, Ame Um Pouquinho" com Elvis.

Embora Celeste tenha alguns papéis no cinema dos anos 1970, ela começou a se concentrar em outras coisas. Em 1979, abriu seu próprio negócio imobiliário, especializado em ajudar principalmente as empresas de entretenimento a alugar ou comprar edifícios de escritórios. Hoje, Celeste tem Ph.D. em Nutrição Animal e vários livros sobre o assunto. Ela agora tem sua própria linha de produtos para animais disponíveis através de seu website, e um site oficial onde é possível encomendar fotos autografadas.






_________________________________________________________________________________________________________________

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário!

LEMBRE-SE: Não postaremos mensagens com qualquer tipo de ofensa e/ou palavrão.

Postagens populares

Creative Commons