ATENÇÃO SEGUIDORES E VISITANTES

O ELVIS PRESLEY INDEX ESTÁ PASSANDO POR REFORMULAÇÕES. ALGUMAS PÁGINAS PODEM NÃO ESTAR DISPONÍVEIS EM DADOS MOMENTOS. AGRADECEMOS A COMPREENSÃO.

QUER SER UM ASSINANTE MENSAL? Com apenas R$ 19,90/mês, você nos ajuda a manter o site no ar!

Se você não deseja ser assinante, considere doar qualquer valor clicando no botão abaixo!

I'VE GOT TO FIND MY BABY!

O Lado Negro do Coronel Parker

"Todo artista deveria ir dormir à noite e rezar para que encontre um Coronel Tom Parker embaixo da cama quando acordar de manhã", declarou o comediante Nipsy Russell quando abriu um show de Elvis Presley.

Mas isso é realmente a verdade?

Em uma edição de 2011 da revista Essential Elvis, a viúva do Coronel, Loanna Parker, é compreensivelmente muito positiva sobre seu marido. Ela disse:

"O Coronel nunca hesitou em seu compromisso de fazer o melhor trabalho que podia por Elvis. Muito tem sido escrito sobre como o Coronel fez isso ou aquilo para impactar negativamente Elvis, mas eu posso lhe dizer que durante todo o tempo em que os vi juntos, de 1969 até Elvis morrer em 1977, nunca vi uma situação em que o Coronel não fizesse o que era do interesse de Elvis. Nunca houve uma vez que Elvis foi "forçado ou coagido" a fazer qualquer coisa que não quisesse. Em todo novo projeto o Coronel certificava-se de que Elvis conhecesse e aprovasse. Você tem que entender, o Coronel sabia do lado dos negócios e Elvis conhecia o lado criativo, e eles se permitiam fazer suas próprias coisas. Ninguém dizia a Elvis o que fazer. O relacionamento deles era muito complexo".

Muitas revistas falam bem de Parker, mas muitas outras não o veem com os melhores olhos. Para realmente conhecer o Coronel, é preciso analisar sua história e conhecê-lo através de pessoas que conviveram com ele e Elvis. O que segue abaixo é uma coleção de relatos sobre isso.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O "CORONEL"

O mundo o conhecia como Coronel Tom Parker, um dos agentes de maior sucesso que o setor de entretenimento já viu. Ele alegava ser um cidadão americano nascido em Huntington, West Virginia, que havia se tornado órfão ainda jovem e tivera uma infância colorida. Na realidade, porém, ele era Andreas Cornelis van Kuijk de Breda, na Holanda; não era um verdadeiro coronel, e sim um imigrante ilegal.

Embora Parker tenha se alistado no exército dos EUA, ele também foi listado como desertor e passou algum tempo em confinamento solitário como punição. Isso, por sua vez, terminou para ele com alguns meses em uma instituição mental sofrendo de psicose. Após sua expulsão do exército, Parker começou a trabalhar agenciando várias atrações circenses, antes de finalmente chegar ao seu grande momento com um contrato de 25% para administrar o promissor astro country Eddy Arnold.

Foi em 1948 que Parker conseguiu um dos seus mais inspirados "empregos" quando persuadiu Jimmie Davis, ex-cantor country que se tornou governador de Louisiana, a conceder-lhe o título honorário de "coronel". Com isso, a falsa americanização de Andreas van Kuijk estava completa.

Admiradores do estilo do Coronel apontam para os lendários programas de TV em 1956 e 1957 como exemplos brilhantes do gerente perfeito no trabalho. Foi realmente um trabalho de mídia inovador. Graças às conexões de Parker, aqueles cansados ​​e velhos formatos de TV de Perry Como, com cachorros dançantes e jogos bregas, foram alterados para sempre pelas performances de Elvis. Da mesma forma, as transações comerciais do Coronel que levaram Elvis ao estrelato no cinema também foram esforços pioneiros de seu tempo.

No entanto, ao examinar a surpreendente popularidade de Elvis nos anos 1950, você deve considerar o fato de que foram ELVIS e suas performances dinâmicas que alcançaram um tremendo impacto sobre adolescentes e a América. Foram o talento extraordinário de Elvis e a beleza de deus grego que criaram um grupo central de fãs cuja devoção era inigualável na história do pop. A administração do Coronel não causou isso. Foi causado pela necessidade geral do público por uma mudança social e musical pós-guerra combinada com o impacto dinâmico da criatividade de Elvis, o talento de Elvis e a aparência de Elvis.

É seguro dizer que foi apenas por causa dos primeiros sucessos dos anos 1950 que Elvis passou a confiar no Coronel Parker e muitas vezes lhe deu o benefício da dúvida. Não havia como Elvis saber que, depois dessa fase dos cinquenta, ele realmente havia superado seu gerente.

Joan Deary, da RCA:
"No começo, o Coronel era como um pára-raios, e acho que por isso Elvis conseguiu todas as coisas que conseguiu. O Coronel chamou a atenção de todo o país, de todo o mundo. Eu não acho que Elvis poderia ter se movido tão rapidamente sozinho. O Coronel conseguiu um contrato para filmes; mas, mais tarde, acho que Elvis poderia ter feito muito mais de sua criatividade sob diferentes gestões ou direções."

É comum notar que a mãe de Elvis, Gladys, nunca gostou de Parker e que foi apenas sua associação com o cantor country Hank Snow que ajudou a mudar o acordo gerencial com o qual ela teve que concordar.

Arlene Cogan (amiga de Elvis):
"Elvis mencionou em mais de uma ocasião quando alguns de nós estavam sentados com ele, que sua mãe não confiava realmente no Coronel Parker e não gostava dele. Elvis odiava quando o Coronel Parker chegava a Memphis - absolutamente odiava. O Coronel Parker simplesmente tomava conta da casa. Ele trazia alguns de seus homens e eles cuidavam dos telefones. Quero dizer, todas as chamadas eram filtradas por seu pessoal. Elvis detestava isso. Vernon nos dizia que quando o Coronel Parker chegava em sua casa e se trancava com Elvis para uma reunião, ele não podia nem falar com seu próprio filho até Parker sair."

Embora muitas vezes se diga que Elvis continuou trabalhando demais devido à sua necessidade de dinheiro, há poucas dúvidas de que uma estratégia de gerenciamento de lançar um álbum inspirado (juntamente com singles associados), uma turnê e talvez um filme original por ano seria suficiente para manter o dinheiro entrando. Na verdade, milhões de dólares foram literalmente oferecidos a Parker para uma turnê de Elvis no exterior. Isso não só criaria os desafios que o cantor precisava para se manter saudável e interessado, mas também forneceria uma fonte fácil de dinheiro.

Assim, enquanto o próprio Elvis tem que ser responsabilizado pelo modo como a sua vida, infelizmente, se descontrolou até seu final trágico, não pode haver qualquer dúvida de que a má gestão de Parker teve um papel importante na sua morte. Como fã, é preciso considerar que se Elvis tivesse mudado de direção na parte posterior de sua carreira, existe a pequena possibilidade de que ele ainda pudesse estar vivo hoje.

Elvis assina contrato com a RCA sob o gerenciamento do Coronel Parker e Hank Snow (D); 21 de novembro de 1955

HANK SNOW, SCOTTY MOORE, D.J. FONTANA, RED WEST

Hank Snow era um grande artista country já bem estabelecido em 1954, com uma série de sucessos para o seu crédito e alto nível na RCA Records e nos negócios. Na verdade, quando Elvis fez sua famosa aparição no Grand Ole Opry no início de outubro de 1954, foi Hank Snow quem o apresentou ao público de Ryman. Eles se tornaram bons amigos e Snow decidiu que sua agência deveria se envolver na reserva de alguns shows para o promissor recém-chegado.

Coronel Parker também fora empresário de Hank Snow e juntos eles uniram forças para criar a Hank Snow Entertainments / Jamboree Attractions. E quando chegou o dia em que Elvis e seus pais assinaram seu novo contrato, o Coronel fez com que Hank Snow convencesse os pais de Elvis a acreditar que ele seria um bom novo gerente para o filho deles. Como foi dito, Gladys nunca gostou muito do modo como o Coronel se comportava.

No início de 1956, no entanto, o advogado de Hank Snow suspeitou de seu suposto negócio conjunto e Snow confrontou o Coronel. Quando questionou sua parceria, Parker pegou o contrato que Vernon e Gladys tinham assinado e atirou em sua cara, gritando: "Elvis Presley é gerenciado pelo Coronel Tom Parker e por mais ninguém!" De acordo com Snow, esse era um contrato alternativo ao que eles haviam feito em Memphis no mês de agosto anterior. Parker, ao que parece, havia levado dois documentos legais com ele naquela viagem e conseguido obter todas as assinaturas em uma que não mencionava Hank Snow ou a Jamboree Attractions.

Hank Snow nunca fez sua parte do dinheiro de sua entrada na descoberta de Elvis. Mais de quarenta anos após o evento Snow ainda diz:
"Eu trabalhei com vários gerentes ao longo dos anos e tive respeito por todos, exceto um. Tom Parker (ele se recusa a reconhecer o título de coronel) era o ser humano mais egoísta e detestável com quem tive relações."

Vários outros antigos associados do Coronel Parker são igualmente desdenhosos.

Scotty Moore:
"A divisão entre nós e Elvis era Parker que fazia. Eu tentei não estar perto dele mais do que eu precisava. Eu tinha ouvido coisas sobre ele de outras pessoas quando ele apareceu pela primeira vez e eu fiquei desconfiado dele. Francamente, ele era apenas um vigarista. Eu podia ver o que ele fez com Bob Neat. Ele se afastou para se livrar dele. Ele queria se livrar da banda. Ele queria se livrar de qualquer um que fosse pré-Parker."

Gordon Stoker:
"Ele era um homem de negócios de coração frio e intransigente, mas era o que tinha de ser feito - ou pelo menos foi o que ele pensou que precisava ser feito para transitar por este mundo de bookers e tal em que todos queriam um pedaço dos lucros. Ele era um homem honesto e nunca fez um acordo que não cumprisse, mesmo que perdesse dinheiro ou o que fosse. Mas ele era um homem de coração frio e ele nunca mostrou qualquer amor ou respeito pelo talento que estava ao seu redor. Essa era uma coisa em que Elvis estava perdendo muito. Se em algum momento ele abraçasse Elvis ou dissesse que estava fazendo um bom trabalho e que ele estava orgulhoso, mas, não, o Coronel simplesmente não era assim."

D.J. Fontana:
"Eu aprendi a ficar fora do seu caminho. Ele foi provavelmente um dos caras mais espertos que eu já vi na minha vida. Eu realmente não sei qual era o seu verdadeiro propósito, mas funcionava e, evidentemente, Elvis estava feliz com o que ele estava fazendo ou, caso contrário, ele teria ido embora com outra pessoa. Eu acho que eles tinham algum tipo de acordo mútuo. Eu acho que às vezes alguns dos negócios podem ter sido feitos mais para a vantagem do Coronel, mas Elvis estava feliz, então o que você poderia dizer?"

Red West:
"O Coronel tratava todos os amigos de Elvis rispidamente, rispidamente. Ele era simpático, mas sempre mantinha distância. Eu nunca me importei com o Coronel. Eu gostaria de saber quem diz que ele é o melhor gerente. Não pode ser alguém que esteve perto de Elvis."

Elvis e o Coronel durante as filmagens de "Follow That Dream" em 1961; Elvis deveria ter atirado!



ONDE O CORONEL REALMENTE MERECE A CULPA

Em resumo, sua culpa é detectada em duas áreas muito básicas. Uma delas é que muitos de seus negócios posteriores com Elvis (50% de divisão, sua própria gravadora Box Car, extras em turnês, etc.) colocam seus próprios ganhos monetários acima dos de seu cliente. Este é o único pecado imperdoável para qualquer administrador.

Em segundo lugar, ele parecia ter pouca fé ou compreensão do verdadeiro talento de Elvis. Isso foi provado repetidas vezes em sua carreira. Isso é visto na maneira como ele lidou com a carreira cinematográfica de Elvis nos anos 1960; enquanto a música pop e o campo de entretenimento mudaram e amadureceram drasticamente, o Coronel mantinha seus velhos contratos enganosos com pessoas como o produtor Hal Wallis, e aparentemente ficava orgulhoso de seus golpes antiquados. Isso se mostrou também no programa de TV de 1968, quando Parker realmente queria que fosse "apenas um show de Natal no estilo de Perry Como". Há um pensamento recorrente de que o Coronel assinou o contrato de Las Vegas em 1969 na mesa do café, porque Parker achava que o desempenho incrível que Elvis produzira no palco do International naquela primeira noite fora um acaso.

No que diz respeito à indústria fonográfica, é óbvio para todos que Parker perdeu a transformação em que os álbuns se tornaram o importantíssimo identificador criativo. Em vez de mudar para um cronograma de lançamento moderno de um álbum blockbuster por ano e um par de singles, ele continuou usando a mesma técnica de saturação dos anos 1950. Mesmo depois das sessões cruciais de Memphis em 1969 e de ter restabelecido a importância criativa de Elvis com o '68 Comeback Special, Parker continuou diluindo essas conquistas com compilações baratas de budget que ainda incluíam músicas de filmes antigos e terríveis.

Quem em sã consciência lançaria um álbum como Let's Be Friends logo após os clássicos álbuns de Memphis? O LP de budget incluiu as novas músicas "I'll Be There" e "If I'm A Fool (For Loving You)" ao lado sobras patéticas como "Mama" e "Have a Happy". Nenhum outro artista da estatura de Elvis foi abandonado no fundo do barril apenas para cumprir seus contratos de gravação e diluir sua credibilidade artística no processo.


Em 1973, quando a RCA comprou os royalties do catálogo de lançamentos passados de Elvis, o Coronel acabou ganhando mais dinheiro do que seu protegido. Parker é conhecido por ter embolsado US$ 6 milhões no negócio, US$ 1,5 milhão a mais do que Elvis, seu cliente! Isso nunca deve acontecer em um relacionamento gerente / cliente.

Depois do enorme triunfo do Aloha, Parker negociou um novo contrato de sete anos com a RCA, que exigia que Elvis lhes fornecesse dois novos álbuns e quatro singles por ano. O novo contrato foi datado de 1 de março de 1973. Sem material novo deixado no cofre da RCA, o executivo da gravadora George Parkhill foi forçado a escrever para Elvis em junho para lembrá-lo de suas obrigações no estúdio, forçando o cantor a se apresentar, totalmente a contragosto, para gravar no mês seguinte. Enquanto isso, em um estilo típico de tentar tirar leite de pedra, a RCA estupidamente decidiu acompanhar o enorme sucesso do Aloha com mais um álbum mal pensado, Elvis (Fool), um compilado de sobras antigas e gravações anteriormente rejeitadas. Esta certamente não era a maneira correta de manter o ímpeto do sucesso de Elvis, nem a maneira correta de cuidar de seu cliente número 1.

Marty Lacker:
"As músicas que o Coronel Parker e Freddy Bienstock enviaram para Elvis gravar foram as porcarias costumeiras das quais eles tinham uma participação nos lucros das publicações. Então, em 1973, principalmente por causa das músicas ruins que ele estava recebendo desses dois, Elvis olhava para as gravações como um trabalho penoso."


É interessante notar que até mesmo Ernst Jorgensen faz uma declaração anti-Coronel sobre este assunto nas notas do CD Standing Room Only da FTD:

Após o álbum ao vivo do Madison Square Garden, o que poderia ser lançado era um álbum de gravações de fevereiro e março, o STANDING ROOM ONLY. Isso teria sido musicalmente crível, fornecendo uma declaração atual de Elvis e sua música, ao contrário do aspecto retrô dos álbuns de concerto e teria apresentado um verdadeiro single de sucesso em "Burning Love" para impulsionar as vendas para o topo das paradas.

O que aconteceu, no entanto, parece, por qualquer padrão, ser um triunfo da má gestão do artista e da insanidade comercial. Em outubro, a RCA lançou o segundo volume de sua série de orçamento ELVIS SINGS HITS FROM HIS MOVIES. O novo lançamento foi intitulado BURNING LOVE AND HITS FROM HIS MOVIES VOL. 2 em um esforço para capitalizar. Com exceção de "It's A Matter of Time", o repertório restante era de gravações antigas de trilhas sonoras. Além do insulto aos verdadeiros fãs de Elvis que já tinham essas gravações, também foi um caso de séria deturpação do artista. A RCA anunciou com orgulho o lançamento do álbum, estabelecendo vários "primeiros". O mai surpreendente desses "primeiros" foi que uma gravadora, e um artista, quisessem lançar um single atual em um álbum de budget e combiná-lo com uma pilha de gravações antigas e irrelevantes.

O que é ainda mais alarmante é que o mesmo conceito foi usado para o próximo single: "Separate Ways" / "Always On My Mind". Desta vez, no entanto, a tag "Hits From His Movies" foi descartada. É um testemunho do talento de Elvis que ele foi capaz de sobreviver e prosperar apesar dessa negligência criativa que teria terminado a carreira de qualquer artista menor.

A carta da RCA para Elvis; 1973



"ERROS" ÓBVIOS COM QUE PARKER LUCROU

O trabalho de um gerente deve ser traduzir as aspirações de seus clientes em realidade, com a esperança de estimular o público, juntamente com a possibilidade de obter lucro. Se Elvis quisesse fazer uma turnê mundial, Parker deveria ter feito isso acontecer. Suas desculpas declaradas de questões de segurança, tamanho do local ou similares não são aceitáveis. O Coronel também priorizou seus próprios ganhos monetários aparentemente sem qualquer cuidado sobre se isso levou a alienar pessoas criativas na vida de Elvis. Exemplos não faltam:

A) O longo contrato de Elvis com Hollywood, excluindo todas as outras atividades.
B) A escolha da quantidade sobre a qualidade.
C) A insistência de que Elvis só gravasse músicas onde Parker tivesse uma parte da publicação.
D) Recusar-se a permitir que Elvis trabalhasse ou mesmo se encontrasse com seus compositores (Otis Blackwell nunca conheceu Elvis, e Leiber e Stoller foram excluídos depois de "Jailhouse Rock" por tentarem apresentar idéias sem passar pelo Coronel)
E) Não permitir que Elvis fizesse turnês no exterior nos anos setenta.


Aqui está outra história mostrando como ele mais uma vez conseguiu enganar algumas das principais pessoas criativas na vida de Elvis com seus merecidos ganhos. Esta história vem de Steve Binder, diretor do '68 Comeback Special.

"Howe Bones e eu tentamos arduamente proteger nossos interesses e controlar os lucros de nosso trabalho criativo. Bones estava produzindo discos para "The Fifth Dimension" e "The Association", que lhe renderam royalties, então pensamos que, já que estávamos produzindo a trilha sonora de "Elvis", não havia por que as mesmas regras não serem aplicadas. Liguei para nosso agente, Fred Apollo, na William Morris Agency, e expliquei nossa posição para ele. Ele disse que iria transmitir a mensagem ao Coronel Parker.

Tão logo desliguei o telefone, Fred Apollo me ligou de volta e disse que eu tinha aberto um ninho de vespas e o Coronel queria que nós dois fossemos demitidos imediatamente. Eu sustentei que nossa demanda era 100% justificável. O Coronel ficou furioso e ligou-me pessoalmente para dizer, em termos inequívocos, que "ninguém produz Elvis Presley, a não ser o próprio Elvis", e desligou. Era um fato bem conhecido, mas não divulgado nos negócios, que se você quisesse que Elvis gravasse uma de suas músicas, você teria que ceder seus direitos de publicação para a empresa dele. Bones e eu sacamos nossas armas e não recuamos. Não muito tempo depois, Fred ligou para dizer que tudo estava resolvido e que poderíamos começar a trabalhar de novo.

A solução encontrada foi que nada em nosso contrato mencionaria algo sobre uma trilha sonora ou gravações. O Coronel me telefonou pessoalmente e me deu sua palavra de honra de que definitivamente não haveria nenhum álbum da RCA ou trilha sonora com material do especial, então não tínhamos nada com o que nos preocupar. Fred me ligou para confirmar a conversa do Coronel. Eu era muito ingênuo e aceitei o Coronel e a William Morris Agency. Aqui está a virada na trama, o fato de que antes mesmo de o especial começar a produção, o Coronel fez um acordo com a NBC para entregar as fitas de áudio para a RCA sem custos. Um acordo que teria rendido milhões de dólares em direitos autorais. Elvis conseguiu um álbum grátis com o orçamento do especial de televisão.

E depois que o especial foi entregue à NBC, o Coronel enviou para minha casa um cheque de US $ 1.500 junto com um acordo para eu assinar a renúncia de todos os meus direitos legais à trilha sonora e me parabenizar pelo lançamento do álbum. Em vez de assinar o acordo, enviei o cheque não assinado de volta ao Coronel com uma pequena nota dizendo-lhe onde ele poderia colocá-lo. Até hoje, Bones e eu nunca recebemos um centavo dos ganhos da trilha sonora."

No aniversário do Coronel, Elvis lhe presenteia com uma pequena mensagem subliminar;
NBC-TV Studio 4, Burbank, Califórnia, 26 de junho de 1968

Se Steve Binder tivesse conversado com Jerry Leiber e Mike Stoller, os compositores de "Hound Dog", ele saberia o que esperar do enganoso Coronel.

Jerry Leiber: Uma noite, em Nova York, fui convidado para um coquetel muito elegante na casa de Charles Feldman, o conhecido agente e produtor. Ele disse: "Estou muito feliz em conhecê-lo. Acho excelente o trabalho que você e seu parceiro fazem. Acabei de escolher um romance de Nelson Algren, A Walk On the Wild Side, e aqui está o que quero. Elia Kazan concordou em dirigir e eu contatei Bud Schulberg para escrever o roteiro e James Wong Howe para fazer a cinematografia. Eu quero que você e seu parceiro escrevam as músicas e Elvis Presley para fazer o papel principal." Eu estava em êxtase. Liguei para Mike e ele ficou emocionado. Achamos que a notícia iria impressionar Elvis, o Coronel e Jean e Julian Aberbach. Fomos até o escritório de Aberbach, na Hill & Range, e contei a eles toda a história, incluindo todos os detalhes empolgantes.

Quando terminei, Jean disse: "Teremos que falar com o Coronel Parker. Vocês podem esperar lá fora?" Quando nos sentamos do lado de fora do escritório de Jean, imaginávamos como Parker ficaria empolgado. Depois de dez minutos, fomos convocados de volta ao escritório de Jean e ele nos informou que o Coronel disse: "Se você ousar tentar interferir na carreira de Elvis Presley novamente, nunca trabalhará em Nova York, Hollywood, Londres ou em qualquer outro lugar no mundo".

Mike Stoller: Foi isso. Depois disso, paramos de escrever para Elvis.

Jerry Liber: Algum tempo depois, eu tive pneumonia galopante. Desmaiei em Greenwich Village e fui para o hospital. Eu estava na lista crítica. Fiquei lá por dez ou 12 dias. Eu finalmente melhorei e recebi alta. Cheguei em casa e vi 20 ou mais correspondências, muitas delas em envelopes pardos, além de alguns telegramas. Todos os telegramas diziam: "Elvis está se preparando para gravar. Por favor, venha para a Califórnia imediatamente. Ele não quer pôr os pés em um estúdio sem você".

Liguei e pedi para falar com o (Coronel) Tom. Ele pegou o telefone e disse (Leiber imita Parker) "como você está, menino?" Eu disse: "Estou bem. Quase morri, tive pneumonia galopante e acabei de sair do hospital." Ele disse que queria que eu empacotasse minhas coisas imediatamente e pegasse um avião. Eu disse que não estava em condições de pegar um avião porque tinha acabado de sair do hospital. Ele disse: "Se eles te deixaram sair, isso significa que você está bem". Eu disse a Parker que precisava de um ou dois dias para me recompor, mas ele disse que o cronograma era muito apertado e que precisava que eu saísse imediatamente.

Então ele disse: "Você já viu o contrato?" Eu disse, "contrato?". E ele:" Tenho certeza de que está aí agora. É um contrato que cobre o próximo filme e trilha sonora. É melhor você dar uma olhada, assinar e mandar de volta". Então desliguei, tirei o contrato de um dos envelopes e não vi nada além de uma página em branco. Nada estava escrito nela, exceto duas linhas na parte inferior, onde Mike e eu deveríamos assinar nossos nomes.

Eu pensei que eles tinham cometido um erro ridículo. Liguei para a secretária de Parker e disse: "Houve um erro", e ela disse: "Deixe-me chamar Tom". O Coronel Parker pegou o telefone e eu lhe disse: "Há um pedaço de papel aqui com dois lugares para assinaturas, mas o contrato está faltando". Ele respondeu: "Não há erro - apenas assine. Não se preocupe. Vamos preenchê-lo mais tarde".

Eu desliguei e imediatamente liguei para Mike. Disse a ele: "Romper com Presley é como jogar fora uma licença para imprimir dinheiro. Depois de todo esse trabalho, eu realmente odeio fazer isso, mas estou realmente ofendido" (Quando eu estava no telefone com Parker, eu quase disse a ele que não era um dos seus 'paus mandados'). Eu disse a Mike que não queria mais trabalhar com esse idiota.

Perguntei a Mike: "Como você se sente sobre isso?" Agora Mike é muito medido e modesto com boas maneiras. Ele parou por um momento, e então ele disse, "Jer ... diga a ele para se foder!" Então, liguei para o Coronel Parker e disse: "Tom, pensei no que você me disse". Ele disse: "Bom! A que horas você vai chegar aqui?" Então eu disse: "Tom, falei com o Mike sobre o contrato e ele me disse para dizer para você se foder". Eu desliguei e nunca mais falei com ele.

A constante vigília do Coronel sobre Elvis incomodava tanto ao cantor quanto a parentes e amigos
(FOTO: no set de "Change of Habit"; fevereiro de 1969)

OUTROS PRÓXIMOS A ELVIS COMENTAM SOBRE PARKER

Ronnie Tutt:
"O Coronel era um cara difícil de se interpretar. Você poderia passar por ele em um corredor e ele não diria uma palavra. Você tentaria estabelecer contato visual e ele simplesmente o ignoraria completamente. Eu posso contar nas mãos as vezes que ele falou comigo durante todo o tempo em que estava trabalhando com Elvis."

Lamar Fike:
"O Coronel era uma figura complicada. No começo, o retorno aos shows ao vivo em Las Vegas foi inacreditável, mas como o Coronel sempre fazia, ele voltou a controlar tudo e isso ficou chato para Elvis. O Coronel nunca entendeu que Elvis precisava de um desafio criativo. Naqueles últimos anos, foi um caso de 'se apenas ...'. O cronograma de shows de Elvis, de 4 semanas com 2 shows por noite, sem dúvida, minou sua motivação e desejo de se apresentar. Nenhum grande astro vai a Vegas e se apresenta por quatro semanas, eles normalmente só fazem uma semana. Quatro semanas é uma maratona e a repetição de 60 shows nesse período pode ser realmente monótona, e a mente e o corpo se debilitam. A maior decepção para Elvis em sua vida foi não fazer uma turnê fora dos EUA."

Jerry Scheff:
"Eu estava andando no corredor para o meu camarim e o Coronel Parker estava indo na direção oposta. Era só ele e eu no corredor, e quando cheguei mais perto dele, disse 'oi, Coronel', e ele nunca me respondeu ou olhou na minha direção. Ele apenas passou direto por mim como se eu não existisse. Eu pensei, 'o que foi isso?' Então, mais tarde, eu estava conversando com Red West e contei o que havia acontecido. Ele disse: 'Eles tiveram uma reunião ontem à noite e o Coronel descobriu quanto dinheiro vocês estão ganhando.' Ele disse a Elvis: 'Você poderia ter um monte de chimpanzés no palco e as pessoas ainda amariam você'."

Marty Lacker:
"Eu nunca gostei ou confiei nele. Minha lealdade era com Elvis e Parker não gostava disso, especialmente quando eu era o chefe da equipe. O Coronel era bom nos primeiros anos, mas ele não mudou com os tempos. Ele tratava Elvis como um show de circo. Elvis e alguns de nós pensávamos que o Coronel precisava que ele continuasse trabalhando apenas para alimentar seu hábito de jogo. O Coronel sabia sobre Elvis estar experimentando com remédios nos anos 1960 e mais ainda nos anos 1970 - e ele deveria ter feito algo sobre isso enquanto podia."


Billy Smith:
"Nos primeiros dias eu admirava o Coronel. Ele tinha um olhar muito forte e olhos azuis penetrantes. Você sabia que ele estava no controle. Quando fiquei mais velho, vi que as coisas estavam mudando entre Elvis e Parker. Ele começou a pagar os caras, inclusive eu, para obter informações sobre Elvis. O Coronel sempre gostou de mim e da minha família, mas minha lealdade sempre esteve com Elvis. É claro que eu conhecia o Coronel desde que era criança. Eu sei que Elvis amava o Coronel, mas também tinha ressentimento por Parker detê-lo em certas coisas que ele realmente queria fazer. Uma coisa era fazer uma turnê pela Europa. Ele falou sobre isso muitas e muitas vezes, e todos nós esperávamos ansiosamente pelo dia em que aconteceria. Infelizmente, isso nunca aconteceu."

Larry Geller:
"Elvis gradualmente perdeu o respeito pelo Coronel porque sentiu que estava sendo usado. Elvis não sentia que o Coronel realmente se importava com ele como um ser humano. Elvis respeitou o Coronel pelo modo como ele lançou sua carreira, mas sentiu que foi maltratado mais tarde."

Sem contato visual, Elvis e o Coronel tentam conviver no set de "Girl Happy"; agosto de 1964


ELVIS DEMITE O CORONEL

A longa tensão entre Elvis e o Coronel chegou ao auge no final da temporada de verão em Vegas em 1973. Este era o ponto em que Elvis deveria ter se libertado do velho e seu circo ambulante. Elvis chegou a nomear o agente do Concert West, Tom Hullett, para seus amigos como um possível substituto que ele estava considerando.

Ed Bonja trabalhou para o Coronel, tendo feito muitas fotos impressionantes em shows, e estava presente quando Elvis tentou demitir Parker após o drama do 'Closing Night' de setembro de 1973 (leia mais aqui).


Ed Bonja:
"Quando eles terminaram em Las Vegas, em setembro de 1973, Elvis lhe disse: 'Fique fora da minha vida pessoal, eu mando em mim mesmo'. Se Elvis tivesse dito ao Coronel, 'quero tirar seis meses ou um ano de férias', isso teria sido feito! Para enfatizar isso, quando o Coronel, uma vez, tentou falar com Elvis sobre as drogas e coisas do tipo, Elvis ficou louco. Foi quando o Coronel digitou os termos do contrato que incluía Elvis pagando a ele uma quantia enorme (vários milhões de dólares). Então todos voltamos para nossos escritórios na MGM em Los Angeles e apenas esperamos.

Algumas semanas se passaram e eu fui ao escritório uma manhã, e o Coronel estava sentado em sua cadeira quando a linha privada tocou. Esta era a linha telefônica a que apenas Elvis e Vernon tinham acesso. Peguei o telefone e Elvis disse: 'Olá, Eddie, o Coronel está aí?' Foi uma conversa muito estranha, com o Coronel apenas dizendo quatro ou cinco vezes 'sim, sim' e depois 'vou organizar'. Depois disso ele desligou. Eu imediatamente perguntei ao Coronel, o que Elvis disse, e ele respondeu: 'Elvis apenas disse que quer que as coisas sejam como eram e que quer sair em turnê novamente'. E esse foi o fim das brigas e da separação. Tinha que haver uma enorme dependência psicológica entre os dois. Eles eram inseparáveis."

Marty Lacker:
"Eu acho que Elvis, até certo ponto, se importava com o Coronel por causa dos primeiros dias, mas nos últimos anos, as coisas começaram a mudar lentamente. Houve momentos mais tarde, em que Elvis queria se livrar de Parker. A sério. Mas o Coronel conhecia Elvis muito bem e tinha um plano. Como os negócios pessoais de Elvis foram deixados para Vernon, o Coronel os enganou. Quando Elvis ia demiti-lo, Parker entregou a Vernon uma conta de mais de dois milhões de dólares que ele disse que Elvis devia por despesas e merdas quaisquer (o que era totalmente falso). Isso assustou Vernon e ele convenceu Elvis a mudar de ideia."

O biógrafo de Elvis, Peter Guralnick, comparou Elvis e o Colonel a um casal infeliz:
"Elvis e o Coronel Parker eram realmente como um casal que começou com um grande amor, lealdade, respeito, que durou um considerável período de tempo, e que passou por várias etapas até que, no final da vida de Elvis, deveria ter se separado. Nenhuma das regras do relacionamento estava funcionando, mas também não havia a coragem de ir embora, por uma variedade de razões."

Desde cedo, a relação Elvis x Coronel gerava tensões (FOTO: no set de "King Creole", 1958)

OS ANOS FINAIS

Infelizmente, foi nos últimos anos em Las Vegas que a saúde de Elvis, tanto mental quanto fisicamente, começou uma espiral descendente e é aqui que as acusações mais sérias e vilificações pessoais contra o Coronel são acentuadas. Afinal, é papel de um agente profissional providenciar que seu artista esteja em um estado saudável, feliz e em forma para realizar performances, gravações e transmissões.

Dr. Nick:
"No início, foi emocionante viajar com a comitiva, mas a empolgação terminou no final de 1974 ou início de 1975, quando Elvis começou a perder o controle. Era difícil convencer sua administração de que era melhor para Elvis se ele viajasse por dez ou doze dias e tivesse descanso entre as turnês. O Coronel Parker não me levou a sério. Embora ele gostasse de se apresentar, Elvis não podia fazer muito mais do que isso; então produzia estresses nele. Muitos de seus problemas foram resultado de uma turnê de vinte a trinta dias seguidos. Em Las Vegas, Elvis fazia dois shows por noite, sete dias por semana, durante um mês inteiro. Elvis tinha respeito pelo Coronel Parker e pelo que ele fizera no passado; mas eles tiveram alguns problemas para se reunir e conversar sobre as coisas. No final, Elvis evitava conversas com ele."


A seguinte história de Larry Geller é muito perturbadora e certamente não é inacreditável.

"Em uma das últimas turnês de Elvis em 1977, estávamos em Louisville, Kentucky, e Elvis estava fisicamente doente e passando por muitas emoções. Essa noite, em particular, ele estava enjoado e febril e se sentia péssimo. No dia seguinte, quando voltei para a suíte de Elvis, entrei e surpreendentemente o Coronel Parker estava lá. Foi a primeira vez em que o vi ir ao quarto de Elvis. Eu digo: 'Oi, Coronel'. Ele diz: 'Onde ele está?' Eu explico que ele está com o Dr. Nick e digo: 'Deixe-me avisar a Elvis que você está aqui'. O Coronel passa por mim, dizendo: 'Não, eu vou entrar agora', e abre a porta.

Dói-me até mesmo dizer isso, mas o que eu vi foi o Dr. Nick ajoelhado na cama de Elvis. Elvis estava em coma e gemendo, e o Dr. Nick estava mergulhando a cabeça de Elvis em um balde de água gelada para revivê-lo. Foi uma visão patética. A porta se fecha e meu primeiro pensamento foi: 'Isso provavelmente é bom, pois finalmente Parker vai descobrir o que está acontecendo. O Velho vai ver Elvis nessa forma terrível, semiconsciente, e parar com essa turnê horrível'. Um minuto depois, a porta se abre, Parker se aproxima de mim e eu me levanto. Estamos frente a frente e ele me olha nos olhos. Ele diz: 'Agora, você me escute. A única coisa importante é que esse homem esteja no palco hoje à noite! Você me ouve? Nada mais importa!'. Então ele sai. Meu coração parou. Eu sabia a verdade e queria gritar: 'Oh, meu Deus, aquele filho da puta raso!'

Eu então ouvi Elvis gritar: 'Lawrence, você está aí? Por que diabos você deixou aquele desgraçado entrar aqui?' Expliquei que ele havia passado direto por mim e depois Elvis gritou por uma hora sobre o Coronel. Ele usou todas as palavras do livro e disse: 'Aquele grande, gordo, filho da puta... Eu vou me livrar daquela bunda gorda. Papai quer se livrar dele; ele o odeia há anos. Eu não o suporto. Ele perdeu o contato com o show business anos atrás. Ele está apenas me usando e eu quero que Tom Hullett seja meu empresário. Depois da turnê em setembro, acabou!' Ele falou sobre quem iria demitir e como iria mudar as coisas para melhor. Isso nunca aconteceu."

Mais positivo é Sonny West, que defende o Coronel contra as histórias mais duras.

"O Coronel é a pessoa mais difamada do mundo de Elvis Presley. Ele se importava com Elvis, mas usava uma maneira brusca às vezes quando a situação parecia justificar isso. Ele não estava certo o tempo todo, ninguém está, mas ele estava na maior parte do tempo. Ele merece ser bem melhor tratado do que foi. Em meu livro, corrijo muitos equívocos sobre o Coronel, a maioria dos quais foi feita por pessoas que simplesmente não sabiam a verdade sobre o assunto, até mesmo alguns membros do círculo interno de Elvis, ou outros que parecem ter um machado afiado para ele."

No mesmo dia e poucas horas após o fato descrito por Larry Geller, Elvis se apresenta;
Louisville, Kentucky, 21 de maio de 1977

No entanto, quando você basicamente compara o Coronel com outros grandes administradores (por exemplo, Berry Gordy, da Motown, que também roubou seus artistas), ele parece especialmente deficiente. Gordy, por exemplo, realmente preparou seus artistas para o estrelato, cultivou músicas e contatos de produção, escreveu e tocou músicas e era um bom promotor. Parker, no final, parecia estar lá apenas pelo dinheiro.

É notável que após a morte do pai de Elvis em 26 de junho de 1979, os representantes de Lisa Marie apresentaram alegações no tribunal contra o Coronel. Vernon manteve a extensão da comissão de Parker após a morte de Elvis em segredo. Então, foi somente após a morte de Vernon que finalmente foi revelado aos co-executores das propriedades de Elvis que o Coronel ainda estava recebendo mais de 50% da renda gerada pelo legado de Elvis, mesmo que ele não tivesse nenhum artista para gerenciar!

As acusações contra o Coronel Parker foram de que ele se enriqueceu administrando mal a carreira de Presley e privando o cantor de milhões de dólares negociando acordos desfavoráveis, bem como tirando vantagem de Elvis quando ele estava com problemas de saúde.

O advogado Blanchard Tual foi nomeado pelo juiz Joseph Evans para investigar o caso e passou quatro meses investigando as transações financeiras de Parker. Tual especulou que o Coronel vendeu Elvis a preços baixos para o Hilton, para ajudar a pagar suas dívidas de jogo, que muitas vezes se dizia estar na casa dos milhões. Também foi notado que na década de 1970 a taxa de royalties de Elvis na RCA estava muito abaixo de qualquer outro artista com seu nível de vendas. Mesmo os royalties de Elvis eram mal pagos porque o contrato não tinha provisão de auditoria. Este é o padrão da indústria. Na verdade, a falta de uma provisão de auditoria foi provavelmente o ato mais negligente de Parker.

É um fato triste que Tual finalmente concluiu que tanto o Coronel Parker (quanto a RCA) agiram em conluio contra os melhores interesses de Presley. Parker era culpado de autocontrole e superproteção, e havia violado seu dever para com Elvis e para com a propriedade intelectual. "Essas ações contra o herói folclórico americano mais popular deste século são ultrajantes e exigem uma contabilidade completa dos responsáveis.Em 1983, Parker acabou concordando em vender os Masters de algumas das maiores gravações de Elvis para a RCA por US $ 2 milhões, repassar a maior parte de seus ativos de Elvis para a EPE e desistir de quaisquer reivindicações que ele tivesse para com a propriedade de Presley.


Em 1968, quando perguntaram ao Coronel se ele tirava cinquenta por cento de tudo o que Elvis ganhava, Parker respondeu: "Não! Isso não é verdade. Elvis tira cinquenta por cento de tudo que eu ganho". Mesmo em 1993, o astuto Coronel ainda mantinha seu blefe, observando: "Acho que não explorei Elvis tanto quanto ele está sendo explorado hoje".

Em 1993 Parker ainda lucrava com Elvis ao vender
selos comemorativos em parceria com a RCA/Sony


O crítico Dave Marsh fez uma das avaliações mais contundentes do Coronel Parker quando disse:
"Parker era a pessoa mais superestimada da história do show business. O Coronel foi até o túmulo acreditando que havia conseguido realizar algum truque circense, quando o tinha feito realmente foi vender genialidade a preço irrisório por 23 anos".


É claro que não há como negar que o Coronel alcançou alguns marcos surpreendentes que demonstraram os talentos inacreditáveis ​​de Elvis, especialmente no início da carreira. Então Parker talvez não fosse o demônio completo, como alguns acreditam. No entanto, olhando para a administração dele, temos a sensação de que sua reputação na mídia ainda acaba sendo excessivamente inflada frente ao que ele realmente era.

Talvez o comediante Nipsey Russell não soubesse o que realmente estava acontecendo ou nunca conversasse com os amigos de Elvis. Todo artista realmente precisa de um Tom Parker embaixo da cama? Provavelmente não!

_________________________________________________________________________________________________________________

Texto original: Elvis InfoNet
Fotos: Google e Elvis InfoNet
Tradução: Elvis Presley Index | http://www.elvispresleyindex.com.br
>> a re-disponibilização desta tradução só é permitida se mantidos os créditos e sem edições.<<

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário!

LEMBRE-SE: Não postaremos mensagens com qualquer tipo de ofensa e/ou palavrão.

Postagens populares