QUARENTENA NO ELVIS PRESLEY INDEX

O Elvis Presley Index está com atividade reduzida por tempo indeterminado em função da pandemia de Coronavírus.


Apesar de o Elvis Presley Index não ser afetado ou ter a obrigação de fechar ou diminuir seu funcionamento, a parada dos trabalhos será adotada por necessidade de auxílio a familiares nesse momento complicado e a falta de tempo que se instalará com isso.


Postagens esporádicas aparecerão durante a duração da quarentena, por isso é importante que nossos amigos retornem periodicamente ao site para não perder nenhum conteúdo.

I'VE GOT TO FIND MY BABY!

sexta-feira, 20 de dezembro de 2019

25 de Fevereiro de 1961: O Primeiro Retorno de Elvis aos Palcos

Elvis durante conferência de imprensa no Hotel Claridge; Memphis, Tennessee, 25 de fevereiro de 1961 

Depois de deixar de lado uma carreira extremamente meteórica iniciada em 1954 para arriscar uma manobra de marketing maluca do Coronel, Elvis abandonou os palcos no fim de 1957 para servir ao exército dos EUA por dois anos a partir do ano seguinte. Felizmente, a jogada foi um grande acerto e o Rei do Rock voltou a gravar em estúdio em 1960 sob uma popularidade ainda maior do que tinha três anos antes.

Todos os LPs, EPs e singles lançados naquele ano seriam sucessos absolutos e seus dois filmes seriam também bem recebidos. Mas Elvis já sentia falta dos palcos e isso era algo que o deixava preocupado com relação a sua carreira, uma vez que achava que apenas sua voz em discos e sua imagem em telões de cinema não conseguiriam manter seu status para sempre.

Para Parker, não havia necessidade de fazer shows tendo em mãos os contratos milionários com a RCA e estúdios de cinema. Essa mentalidade mudou rapidamente em 4 de dezembro de 1960, quando o Coronel leu em um jornal que as autoridades do Havaí estavam tendo dificuldade para arrecadar fundos para a construção do USS Arizona Memorial, um museu em homenagem aos mortos no ataque japonês a Pearl Harbor em 1941.

Vendo a oportunidade de exposição de sua mina de ouro, o agente recebeu o aval de Elvis e passou a fazer seus telefonemas, agendando dois concertos beneficentes em Honolulu. Durante uma extensa coletiva de imprensa em 11 de janeiro de 1961, Elvis e o Coronel explicaram que a apresentação teria todos os valores coletados com ingressos revertidos ao memorial em Pearl Harbor e que a mesma ocorreria em 25 de março daquele ano. Parker também deixou claro que ele e Elvis também doariam valores à causa e que todos os artistas envolvidos no evento seriam pagos do bolso deles.

Para saber mais sobre o concerto em Pearl Harbor, clique aqui.

Elvis e Parker durante conferência de imprensa no Hotel ClaridgeMemphisTennessee, 25 de fevereiro de 1961

A mídia começou a divulgar o retorno de Elvis aos palcos euforicamente, seja em críticas positivas ou negativas, deixando os fãs em polvorosa. Mas antes que o show havaiano acontecesse, o catálogo de discos de Elvis na RCA alcançou o incrível número de 75 milhões de cópias produzidas durante a prensagem do single "Surrender", em janeiro de 1961, e isso não poderia passar batido.

O presidente da RCA contatou Parker e informou sobre o acontecimento. O Coronel, por sua vez, repassou a notícia a Elvis e entrou em conversações com a prefeitura de Memphis e a gravadora para a realização de uma solenidade para entregar prêmios ao cantor e de dois concertos beneficentes que arrecadariam fundos para entidades previamente selecionadas no dia 25 de fevereiro de 1961. O prefeito da cidade decidiu então que, dada a importância desse evento, aquele seria declarado O Dia de Elvis Presley em Memphis. Aproveitando o momento, o governador do Tennessee concedeu ao Rei do Rock o título honorário de Coronel Ajudante de Campo na Equipe do Governador.

Às 12h15 de 25 de fevereiro de 1961, um grande almoço com a presença de autoridades, representantes da RCA, Vernon e Dee, Elvis e o Coronel, ocorreu no auditório do Hotel Claridge em Memphis. Cada pessoa presente pagou US$ 100 pela participação no almoço, gerando uma arrecadação inicial de US$ 17 mil. Na sequência, o Rei do Rock recebeu documentos que reconheciam a instauração do Dia de Elvis Presley e sua nomeação como Coronel, além de uma placa comemorativa e um relógio cravejado de diamantes pela prensagem de 75 milhões de cópias de seus discos.

Uma coletiva de imprensa ocorreu às 13h45, logo após o almoço e entrega de prêmios. Repórteres locais de todo o país se revezaram para fazer perguntas a Elvis, mas a questão que mais ressoou pelo ambiente e causou um pouco de constrangimento veio de Sam Phillips, dono do Sun Studio, que havia descoberto Elvis em 1953: "Por quê o Sun não tem o reconhecimento merecido pelo sucesso de Elvis? Se não fosse por nós, a RCA não o teria." Após o evento, Elvis foi levado de limusine até o Ellis Auditorium para se preparar para seu show.

ACIMA: Elvis recebe prêmio pela prensagem de 75 milhões de discos.
ABAIXO: Cumprimentando Sam Phillips.
Hotel Claridge, Memphis, Tennessee, 25 de fevereiro de 1961

Às 15h daquele dia, Elvis subiu ao palco pela primeira vez depois de quase três anos e meio de sua última apresentação. Em sua banda estavam Scotty Moore e Bob Suggs na guitarra, Bob Alexius no baixo (Bill Black havia se afastado do grupo em 1958), D. J. Fontana e Don Capone na bateria, Floyd Cramer no piano, Boots Randolph no saxofone, os Jordanaires nos backing vocals e Larry Mohoberac (que mais tarde trabalharia com Elvis em estúdio e palco) e sua orquestra, a King's Men, no acompanhamento.

Elvis apareceu no palco em grande estilo, com um terno cinza prateado com detalhes em azul marinho, camisa branca, calça preta com detalhes em azul marinho e sapatos pretos. A multidão de 3860 fãs gritou histericamente por vários minutos enquanto Elvis cantava as primeiras músicas da apresentação. Durante 45 minutos, o Rei do Rock rendeu seus maiores sucessos desde 1956, incluindo a novíssima "Surrender", e interpretou pela única vez a música "Doin' the Best I Can", da trilha sonora de "G. I. Blues", de 1960. Após o encerramento da apresentação com uma eletrizante "Hound Dog", Elvis foi levado às pressas para sua limusine e então para Graceland.

FOTOS: 25 DE FEVEREIRO DE 1961, 15H







Elvis retornou ao palco do Ellis Auditorium às 20h30, desta vez para se apresentar para 6540 pessoas. O mestre de cerimônias, o comediante George Jessel, que não conseguira abrir o show das 15h por causa de uma greve de companhias aéreas que ocorria à época, recebeu o cantor com um exagerado salamaleque que arrancou risadas de todos.

Com terno e camisa brancos, calças e sapatos pretos, Elvis fez um show ainda melhor. Por 50 minutos houve histeria de fãs, música de qualidade e os movimentos pélvicos clássicos do cantor em uma sequência quase hipnótica. "Doin' the Best I Can" e "Surrender" foram substituídas por "Fever" e "Swing Down, Sweet Chariot", outros dois sucessos de 1960. Elvis esqueceu algumas linhas de "Don't Be Cruel", mas soube disfarçar com uma maravilhosa improvisação. "Hound Dog" novamente fecharia a apresentação. Saindo às pressas, Elvis foi novamente levado para Graceland, onde deu uma festa para convidados seletos.

FOTOS: 25 DE FEVEREIRO DE 1961, 20H30





Todas as críticas em jornais do dia seguinte deram conta de que a maior lembrança de ambos shows foi "a excitação dos fãs, a euforia e a histeria causada pelo cantor". Os repórteres também deram conta de que o público total fora de 10400 pessoas, as quais pagaram US$ 33 mil em ingressos, e que a arrecadação total - contando com os US$ 17 mil do almoço - fechara em exatos US$ 50 mil que seriam divididos entre 26 entidades beneficentes por todo o Tennessee.

_________________________________________________________________________________________________________________

Texto original: Elvis Presley Index e Elvis Presley Music
Fotos: Google e Elvis Presley Music
Pesquisa e tradução: Elvis Presley Index | http://www.elvispresleyindex.com.br
>> a re-disponibilização desta postagem só é permitida se mantidos os créditos e sem edições.<<

Postagens populares