QUARENTENA NO ELVIS PRESLEY INDEX

O Elvis Presley Index está com atividade reduzida por tempo indeterminado em função da pandemia de Coronavírus.


Apesar de o Elvis Presley Index não ser afetado ou ter a obrigação de fechar ou diminuir seu funcionamento, a parada dos trabalhos será adotada por necessidade de auxílio a familiares nesse momento complicado e a falta de tempo que se instalará com isso.


Postagens esporádicas aparecerão durante a duração da quarentena, por isso é importante que nossos amigos retornem periodicamente ao site para não perder nenhum conteúdo.

I'VE GOT TO FIND MY BABY!

quarta-feira, 11 de dezembro de 2019

Elvis no Havaí - Parte 2: 25 de Março de 1961 (Such a Night In Pearl Harbor [CD - MRS, 2012])

Frente e verso do ingresso para o show de Elvis
em Pearl Harbor; 25 de março de 1961
Ao longo dos anos, ficou evidente que Elvis tinha um grande apreço pelo Havaí. Foi lá que alguns dos melhores momentos de sua carreira ocorreram, como o concerto beneficente em Pearl Harbor e o filme "Blue Hawaii", ambos em 1961. As ilhas do arquipélago ainda serviriam de cenário para "Girls! Girls! Girls!" e "Paradise, Hawaiian Style", de 1962 e 1966, respectivamente, além do especial "Aloha From Hawaii" em 1973.

Mas o amor pelas belas ilhas havaianas havia começado bem antes, em 1957, quando Elvis as visitou pela primeira vez. O Rei do Rock ficou tão maravilhado com o lugar que decidiu que aquele seria seu recanto, passando várias de suas férias dali até 1977 no arquipélago. Mais tarde, em 1968, ele compraria uma casa à beira da praia de Lanikai, em Oahu, e faria dela seu refúgio sempre que possível.

Abaixo descrevemos a segunda experiência de Elvis no Havaí: o único show em Pearl Harbor.










_________________________________________________________________________________________________________________

Passados três anos desde suas últimas apresentações, ocorridas em 10 e 11 de novembro de 1957 em Honolulu, no Havaí, Elvis agora já cumprira seu serviço militar obrigatório e retornara aos trabalhos em estúdio e às filmagens em Hollywood. Seus novos discos e filmes eram o sucesso do momento e sua carreira não poderia estar em melhor estado.

Segundo Ernst Jorgensen e Peter Guralnick em seu livro "Elvis: Day By Day", a gênese do show de 1961 no Havaí ocorreu em 4 de dezembro de 1960, quando o Coronel Parker leu um editorial no Los Angeles Examiner sobre o esforço para arrecadar fundos para um memorial de guerra em Pearl Harbor.

O USS Arizona Memorial seria uma homenagem ao encouraçado afundado e a todos as pessoas que perderam a vida no ataque a Pearl Harbor em 7 de dezembro de 1941. Os esforços iniciais para angariar fundos para construí-lo haviam parado com apenas metade do valor levantado e, em um esforço para reenergizar a campanha, os jornalistas do Havaí enviaram um apelo aos editores de jornais de todo o país, pedindo apoio editorial.

Vendo uma oportunidade de expor sua mina de ouro ao público pela primeira vez naquela década, o Coronel contatou Elvis e lhe informou da ideia. O cantor concordou e Parker então começou a fazer seus telefonemas, realizando uma conferência de imprensa em 11 de janeiro de 1961 para anunciar publicamente o primeiro grande concerto da década de 1960 (Elvis já havia se apresentado em um pequeno show em Memphis no dia 25 de fevereiro), que se daria no Hawaiian Village Hotel, em Honolulu, onde o Rei do Rock havia feito sua última apresentação pública em 1957.

Elvis em apresentação no Honolulu Stadium; Honolulu, Havaí, 10 de novembro de 1957

No dia seguinte, os jornais havaianos reportaram a conferência de imprensa. Parker revelou que Elvis apareceria em Honolulu em 25 de março em um concerto beneficente para o USS Arizona Memorial Fund. "Cada centavo do valor arrecadado deve ir para o fundo, caso contrário, não estamos interessados ​​em fazer o programa", esclareceu Parker. Àquela altura Elvis já teria atestado que o público não o esquecera nos palcos, tendo se apresentado para 10500 pessoas em dois shows no Ellis Auditorium, em Memphis, no dia 25 de fevereiro de 1961. Devido ao tamanho do local onde a performance beneficente aconteceria, a Bloch Arena, a plateia teria um número semelhante de espectadores - cerca de 5 mil.

A venda de ingressos foi aberta ao público na Bloch Arena em 13 de março de 1961 e os fãs compraram todos em menos de dois dias. Os preços variavam de US$ 3 a 10 nos lugares mais afastados do palanque, com cadeiras à beira do palco custando US$ 100. O concerto, que contou com Elvis Presley e uma lista de artistas famosos, arrecadaria pouco mais de US$ 64.000 com ingressos, em torno de 10% da meta de US$ 500.000. Muitas doações públicas e privadas foram feitas, sendo que o Coronel e o cantor também fizeram sua contribuição. Os artistas que antecederam e sucederam a apresentação do Rei do Rock foram pagos por Parker e Elvis de seu próprio bolso.

Em 20 de março de 1961, a Paramount escalou Elvis para as filmagens de "Blue Hawaii" e pediu sua presença em Waikiki no dia 27. Na manhã do dia 25, o cantor embarcou em Los Angeles em um voo que o levaria para um dia longo e cansativo.

Elvis e fãs no aeroporto de Los Angeles; 25 de março de 1961

Antes mesmo de o avião decolar, mais de 3 mil pessoas já o esperavam no aeroporto de Honolulu. Quando a aeronave tocou o solo havaiano às 12h15, os gritos dos fãs ensandecidos era ensurdecedor. Elvis apareceu no topo da escada do avião às 12h30 e, depois de passar por um enorme corredor de repórteres, políticos e celebridades locais, foi dar atenção à multidão que o observava.

Protegido por um grande contingente de policiais e uma barreira de metal, Elvis, parecendo um tanto pálido e preocupado, passou rapidamente pela multidão e parou apenas duas vezes para apertar algumas mãos e receber leis, adentrando um carro que o levaria até o Hawaiian Village Hotel em seguida. Mesmo que tenha feito tudo de forma automática e rápida, os repórteres observaram em suas críticas nos dias seguintes que "algumas fãs pareciam prontas para arrancar seus membros, um a um, e levar para casa como souvenir."

Elvis cumprimenta fãs no aeroporto de Honolulu; 25 de março de 1961

Elvis estava extremamente cansado, dado que passara os quatro dias anteriores dentro dos estúdios da RCA em Hollywood gravando material para a trilha sonora de "Blue Hawaii". Mesmo assim, ele colocava seu dever com o público em primeiro lugar, como sempre. Uma longa conferência de imprensa iniciou às 15h45 com o cantor recebendo uma placa de cidadão honorário do prefeito de Honolulu. O Rei do Rock adentrou a sala de conferências com o olhar ainda sonolento, tendo dormido cerca de 15 minutos antes de se dirigir para o local. Perguntas sobre filmes, discos, sua vida particular, projetos futuros e outros pormenores se seguiram por mais de uma hora antes que Elvis se despedisse e voltasse para seu quarto para descansar.

Do lado de fora, a multidão de fãs começou a tomar as ruas adjacentes à Bloch Arena em torno das 16h30. As filas já dobravam quarteirões em torno das 18h e, uma hora depois, o trânsito estava totalmente parado na capital havaiana. Quando os portões abriram às 19h15, era possível ouvir de longe o estrondo do público que corria para seus lugares na arena. Meia hora antes do início das apresentações, era quase impossível ouvir alguma coisa devido aos gritos ensurdecedores dos fãs. Entre eles estava a futura coadjuvante de Elvis em "Paradise, Hawaiian Style" (1966) Donna Butterworth.

ACIMA: Elvis, aparentando cansaço, Parker e Hal Wallis no quarto do cantor antes da conferência de imprensa;
ABAIXO: Elvis e o Coronel durante a conferência - 25 de março de 1961

O show começou às 20:30 e foi aberto pela Phil Ingall Orchestra, seguida pelo comediante havaiano Sterling Mossman, mas Elvis não subiu ao palco até depois do intervalo. Entre os atos de abertura também estavam o pianista Floyd Cramer, os Jordanaires, o saxofonista de jazz Boots Randolph e a comediante Minnie Pearl.

Após o intervalo, o contra-almirante Robert L. Campbell finalmente apresentou Elvis ao público, que o aplaudiu de pé e sob gritos histéricos por quase três minutos. Ele usava sua famosa jaqueta de ouro com brilhos prateados lantejoulas, calças azul-marinho, camisa branca e gravata azul, parecendo radiante e preparado para dar o seu melhor.

Com a ajuda de Elvis, o USS Arizona Memorial pôde ser inaugurado em 30 de maio de 1962.

Esta seria a última vez que Elvis usaria a jaqueta de ouro e o show em si se tornaria a última apresentação no palco até seu retorno, quase 8 anos depois, em Las Vegas, em 1969.

Elvis durante o show de 25 de março de 1961


Abaixo fazemos a resenha da apresentação beneficente de 25 de março de 1961.
_________________________________________________________________________________________________________________

Título:
Such a Night In Pearl Harbor
Selo:
Memphis Recording Service [MRS30025361]
Formato:
CD
Número de faixas:
26
Duração:
79:00
Vinculado a:
Discografia extra
Ano:
2012
Gravação:
25 de março de 1961
Lançamento:
2 de abril de 2012
Singles:
---



Such a Night In Pearl Harbor foi lançado pela primeira vez no box "Elvis Aron Presley", em 1980, sem ainda ter algum nome definido. Em 2012 a Memphis Recording Service (MRS) relançou o show com áudio remasterizado e extras, dando o título pelo qual agora o conhecemos. O CD ainda vem com um livreto de 100 páginas sobre o evento.

1. Elvis chega (25/03/61, 12h30 - inédito): O CD inicia com o áudio da transmissão de rádio da chegada de Elvis ao aeroporto de Honolulu. O repórter se mostra realmente excitado ao anunciar que o cantor estava em solo havaiano, descrevendo o que ele vestia e comentando que o Rei do Rock está ainda mais bonito do que quando esteve no Havaí em 1957.

2. Elvis recebe prêmios honorários (25/03/61, 15h45 - inédito): Antes da conferência de imprensa, Elvis recebe placas que o certificam como cidadão honorário de Honolulu, uma placa de honra pela ajuda que o cantor estava dando à causa do memorial e um certificado de membro honorário da comissão que presidia o mesmo.

3. Introdução de Elvis (25/03/61, 21h15 - inédito): O contra-almirante Robert L. Campbell anuncia o início da apresentação do Rei do Rock.

4. Heartbreak Hotel (25/03/61, 21h15): Sob os gritos histéricos das fãs, Elvis toma o palco. Durante mais de um minuto o cantor se mantém em silêncio até soltar um grito que faz as mulheres ficarem ainda mais ensandecidas. A versão é bastante dinâmica, mas parecida com a ouvida no Master. Elvis parece se divertir, imitando os gritos das fãs e rindo.

5. All Shook Up (25/03/61, 21h15): "Muito obrigado, senhoras e senhores. Muito obrigado. Gostaria de dizer que é um prazer estar de volta a Honolulu." Há um corte na fita que faz o show andar rapidamente, mas Elvis falou por um bom tempo enquanto um problema elétrico era solucionado. "Quero agradecer a todos por terem vindo. Ficamos sem energia aqui no palco, por isso estou falando tanto. Conseguimos consertar?" Com a resposta positiva, o cantor faz uma versão padrão do sucesso de 1957.

6. (Now and Then There's) A Fool Such as I (25/03/61, 21h15): Sem pausa entre uma canção e outra, Elvis vai direto ao hit de 1959 que inicia com uma batida funk que leva todos à loucura. O cantor dança e remexe no palco enquanto Scotty Moore faz seu solo de guitarra, O Rei do Rock também se diverte trocando partes da letra da música.

Elvis durante o show de 25 de março de 1961

7. I Got a Woman (25/03/61, 21h15): Pela primeira vez ouvimos um ensaio do que se tornaria a "rotina well, well, well" antes da canção nos anos 1970. Elvis põe bastante força em sua voz para esta rendição, soando como se estivesse dançando e fazendo os movimentos que as mulheres adoravam.

8. Love Me (25/03/61, 21h15): Por incrível que pareça, as fãs ficam mais quietas durante o início da rendição do sucesso de 1956. Elas só voltam a soltar gritos histéricos quando Elvis senta na beira do palco e canta diretamente para o público.

9. Introduções (25/03/61, 21h15): "Obrigado, obrigado. Obrigado novamente, senhoras e senhores." Uma fã grita incessantemente por Elvis, ao que ele responde: "Ok, querida, já vou aí, só um segundo." Ele procede à apresentação dos artistas que o acompanham no palco. "Antes de irmos em frente, senhoras e senhores, gostaria de apresentá-los os membros da minha gangue... Digo, grupo... Os Sem Banho." Elvis apresenta os Jordanaires, Bobby Moore em seu primeiro trabalho com o cantor, D. J.  Fontana, Boots Randolph, Scotty Moore, Hank Garland e Floyd Cramer.

10. Such a Night (25/03/61, 21h15): As fãs voltam à histeria quando Elvis inicia a música, mas Elvis somente anda para um lado e outro do palco tentando descansar. A versão é um tanto fraca, mas ainda assim acima da média.

11. Reconsider Baby (25/03/61, 21h15): Blues era a especialidade de Elvis e aqui ele mostra o por quê. A rendição é excelente e o cantor realmente aproveita o momento, até mesmo pedindo para Boots Randolph fazer um segundo solo de saxofone durante a execução. O Rei do Rock fica tão imerso na música que até esquece de cantar e deixa Scotty fazendo um solo inesperado por alguns instantes.

Elvis e Scotty Moore apreciam o solo de Boots Randolph durante o show de 25 de março de 1961

12. I Need Your Love Tonight (25/06/61, 21h15): Depois de reclamar do calor extremo no palco, Elvis inicia a rendição do hit de 1959. Ele está mais ativo e realmente começa a fazer mais dos movimentos que levavam as fãs à loucura, talvez em preparação para as canções que estavam por vir.

13. That's All Right (25/03/61, 21h15): "Senhoras e senhores, gostaria de cantar a primeira gravação que fiz, ainda com o pessoal da Sun Records, em Memphis, Tennessee, onde comecei. Se chama 'That's All Right, Mama'." Elvis realmente se solta a partir daqui. Ele dança, mexe e remexe enquanto canta e mais ainda durante os solos de Scotty. A versão é muito boa.

14. Don't Be Cruel (25/03/61, 21h15): "Meu maior, meu maior disco... Meu maior disco - na verdade, é do tamanho comum... Meu disco de maior sucesso é de uma canção chamada 'Don't Be Cruel'." Devido a problemas elétricos, o microfone de Elvis fica desligado durante toda a primeira estrofe da canção. A rendição é padrão.

15. One Night (25/03/61, 21h15): O hit de 1957 leva as fãs à loucura mais uma vez. Novamente, o microfone de Elvis perde o áudio em alguns pontos. Uma versão muito boa e ritmada, trazendo um Elvis bastante animado.

16. Are You Lonesome Tonight (25/03/61, 21h15): O recente sucesso de vendas é recebido com euforia que logo se transforma em momentos de silêncio e adoração. Elvis até mesmo dá um suspiro de alívio ao perceber que podia ouvir sua voz pela primeira vez naquela noite. Aparte de algumas mudanças na letra para inserir piadas, a rendição é ótima e semelhante ao que se ouve no disco.

Elvis à beira do palco durante o show de 25 de março de 1961

17. It's Now or Never (25/03/61, 21h15): O lado B do single de "Are You Lonesome Tonight" também ganha espaço. É uma pena que o microfone de Elvis se desligue ou perca o volume às vezes e que o cantor esqueça de partes da letra, mas a rendição é muito boa e ele quase alcança a nota alta no final da gravação de estúdio.

18. Swing Down Sweet Chariot (25/03/61, 21h15): "Gostaríamos de cantar uma música espiritual, senhoras e senhores, de nosso álbum religioso chamado 'His Hand In Mine', se conseguirmos ligar esse microfone. Gostaríamos de cantar um dos spirituals dele, que é assim." A canção não parece agradar muito à plateia, que provavelmente preferia ver Elvis se contorcendo e cantando com toda a voz. O silêncio só é quebrado por ocasionais rompantes de gritos quando o cantor se aproxima da beira do palco.

19. Hound Dog / Closing (25/03/61, 21h15): É chegado o momento que as fãs esperaram durante toda a noite. Elvis se lança em uma rendição de puro rock e faz os movimentos pélvicos que elas tanto queriam ver. Ele ri algumas vezes, provavelmente por perceber a reação histérica das mulheres. O clássico final lento da canção é deixado de fora aqui. Cerca de um minuto após Elvis acabar sua performance, ouvimos o apresentador dizer a famosa frase pela primeira vez: "Elvis já deixou o recinto."

Faixas 20 a 26. Elvis saúda o USS Arizona Memorial (19/03/61 - inédito): As últimas faixas do CD trazem um programa de rádio pago pelo Coronel Parker para promover a apresentação de Elvis em Pearl Harbor. O programa de 30 minutos traz narrações sobre a natureza beneficente do cantor e entrevistas com autoridades que convidam as pessoas a comparecerem ao show. Conectando as falas, canções Gospel gravadas pelo Rei do Rock entre 1957 e 1960 são ouvidas.
_________________________________________________________________________________________________________________

VÍDEO (CD MRS* COMPLETO)
*ao contrário do que o título do vídeo leva a crer, este CD não é da FTD e sim da MRS


_________________________________________________________________________________________________________________

Texto original: Elvis Presley Music
Fotos: Google e Elvis Presley Music
Tradução: Elvis Presley Index | http://www.elvispresleyindex.com.br
>> a re-disponibilização desta tradução só é permitida se mantidos os créditos e sem edições.<<
_________________________________________________________________________________________________________________

LEITURA COMPLEMENTAR:

- Elvis no Havaí - Parte 1: 10 e 11 de Novembro de 1957 (clique aqui)
- Elvis no Havaí - Parte 3: 17 e 18 de Novembro de 1972 (Aloha From Hawaii Original) (clique aqui)
Elvis no Havaí - Parte 4: 12 e 14 de janeiro de 1973 (Aloha From Hawaii via Satellite [Single/LP - RCA, 1973]) [CD - Sony Legacy, 2013] (clique aqui)
Elvis no Havaí - Parte 5: Visitando as Ilhas (clique aqui)

Postagens populares