PESQUISAR


quinta-feira, 24 de junho de 2021

1957: Elvis Invade o Canadá

Elvis e The Jordanaires durante apresentação em TorontoCanadáMaple Leaf Gardens, 2 de abril de 1957


Com o sucesso de Elvis nos Estados Unidos e sua fama chegando ao Reino Unido, era natural que seu agente procurasse levá-lo a todos os cantos possíveis do mundo. Por mais centrado no dinheiro que fosse, esse plano e seus ganhos pareceram passar desapercebidos pelo Coronel na época (claro, ainda não se sabia que sua recusa em sair dos EUA fosse devido ao fato de ser clandestino). Mas ele ouviu o clamor dos fãs canadenses (uma vez que o país vizinho não exigia passaporte para americanos) e fechou um contrato nada modesto para quatro shows no início de abril de 1957.

Durante uma pequena turnê entre gravações de filmes e discos, de 28 de março a 6 de abril de 1957, Elvis fez 14 shows previamente contratados e saiu dos EUA pela primeira vez na vida, embora fosse apenas para ir até o quintal do país. Lá, seus cinco shows, em 2 (Toronto), 3 de abril (Ottawa) e 31 de agosto de 1957 (Vancouver), foram imensamente bem recebidos pelos fãs e totalmente odiados pela maior parte da imprensa.

Abaixo descrevemos como Elvis chegou ao Canadá e como as apresentações citadas se desenrolaram.
_________________________________________________________________________________________________________________

TORONTO, 2 DE ABRIL DE 1957

"É óbvio, ele tem todo o apelo de uma banana de dinamite e de um ímã para as adolescentes, mas para alguém como eu que não é nem menina nem adolescente, eu só poderia sentir que ele é notavelmente desprovido de talento", escreveu o crítico musical do Toronto Star, Hugh Thomson, em uma crítica mordaz sobre os dois concertos de Elvis Presley no Maple Leaf Gardens em 2 de abril de 1957.

"Enquanto uma plateia frenética, composta em sua maioria por mulheres de quatro a sessenta e quatro anos, gritava e aplaudia com aprovação e Elvis deslizava pelo palco seduzindo o microfone e parando para balançar os quadris ao ritmo da música, uma balada de rock'n'roll soava exatamente como a outra, e o tema básico e o apelo eram sexo, o que Elvis colocava acima de tudo com a sutileza de um rolo compressor em época de acasalamento, você poderia dizer. Ele é o próprio Sr. Superestima. Ele tem que enlouquecer a si mesmo e sua audiência em cada batida", dizia a resenha de Thomson.

A ida de Elvis a Toronto foi creditada no Toronto Telegram aos esforços da Carol Vanderleck de Leaside, que enviou uma petição com 2.443 assinaturas pedindo-lhe para se apresentarlá. The Toronto Star sugeriu que outra fã, Shirley Harris, que com a ajuda de um programa de rádio local coletou 2.000 assinaturas, era a responsável. Na época foi amplamente divulgado na imprensa canadense que, por porcentagem, Elvis recebeu mais cartas de fãs do Canadá do que de qualquer outro lugar. Mas foi para Vanderleck que o Coronel Tom Parker ligou pessoalmente para anunciar um concerto no Maple Leaf Gardens.

Artigo que atribuía a ida de Elvis ao Canadá a Shirley Harris; Toronto Star, 2 de abril de 1957


Com uma música de sucesso depois de outra até 1956, Elvis disparou em popularidade e, Jerry Hopkins sugere em "Elvis: A Biography" (Warner Books, 1971), que Parker estava descontente em continuar a apresentar sua estrela de graça na televisão. Assim, ele organizou uma turnê para fazer dinheiro na primavera de 1957, começando em Chicago e incluindo paradas em Fort WayneSt. LouisPhiladelphia Buffalo. Suas aparições em Toronto Ottawa nessa turnê - e um subsequente parada em Vancouver no final daquele verão - seriam as únicas de Elvis fora dos EUA em sua carreira.

Elvis tinha lançado seu primeiro single, "That's All Right", apenas três anos antes; sua popularidade explodiu rapidamente, com inúmeras aparições na televisão e filmes em Hollywood em 1956 e início de 1957. Ainda a 10 meses de ser recrutado para o exército, Elvis estava no auge de sua carreira inicial. Em toda parte em que ele fazia uma aparição, o caos se seguia.

"Ela gerou cobertura, controvérsia e dinheiro, e de quase todos os pontos de vista não poderia deixar de ser considerada um sucesso. Mas se alguma coisa era necessária para confirmar a crescente convicção do Coronel de que este era um fenômeno que orbitava fora de controle ... esse passeio serviu para fazê-lo ... Estava ficando cada vez mais impossível até mesmo de se fazer os shows", lembrou Scotty Moore, membro da banda de Elvis, sobre a turnê de março/abril de 1957.

O primeiro na fila para ingressos quando eles entraram em venda em 20 de março era um garoto de 13 anos de idade, que chegou às 5:45 da manhã; a bilheteria do Maple Leaf Gardens não abriria até as 10. Com preços que variavam de US$ 1,25 a US$ 3,50 por lugar, os ingressos se esgotaram dentro de 48 horas. Elvis e seus contratantes rapidamente concordaram em fazer um segundo show: Os ingressos que já haviam sido vendidos seriam cobertos pelo show original às 21h, e uma apresentação às 18h seria adicionada.

Elvis recebe fãs nos bastidores; Maple Leaf GardensTorontoCanadá, 2 de abril de 1957

O primeiro grande evento de rock 'n' roll em Toronto tinha acontecido quase um ano antes, quando Bill Haley & His Comets se apresentou no Maple Leaf Gardens. Mas enquanto Haley - um cantor jovial e corpulento que se aproximava da meia-idade - tinha sido aceito como relativamente inócuo para moralistas políticos, pregadores e pais, Presley representava uma nova e perigosa cultura juvenil. Os críticos canadenses, como os americanos antes deles, comentaram seus sugestivos movimentos no palco; sua ruidosa (para orelhas mais velhas) fusão de Country Rhythm & Blues; e, o mais importante, a resposta que o cantor provocava entre seus novos fãs.

A jornalista Barbara Moon deu a líderes religiosos de Toronto um reinado livre para falar sobre Elvis na revista Maclean a partir de 7 de julho de 1957. Jan Scott, colunista religiosa do Toronto Telegram, insistia que os adolescentes que ouviam rock'n'roll inevitavelmente lamentariam uma vez que percebessem que "todo o negócio da busca de prazer e auto-indulgência era uma zombaria e uma farsa". O Reverendo WG McPherson do Evangel Temple proclamou que o rock tocava as emoções "como a música dos pagãos na África".

"Elvis Presley é um amador vulgar, sem gosto!", exclamou Rudolf Bing, gerente geral da Metropolitan Opera Company, que estava visitando Toronto no final de março. Ele foi pressionado pelos repórteres de Toronto sobre se havia pelo menos algo divertido nas "palhaçadas de Elvis no palco". "Não!", ele insistiu severamente. "Eu acho que isso não é algo para rir. As coisas estão em um estado desesperador quando você considera que milhões de jovens estão crescendo com gibis de terror e Presley."

Fãs vão à loucura durante apresentação de Elvis; Maple Leaf GardensTorontoCanadá, 2 de abril de 1957


Presley não fez nenhum favor a si mesmo frente a críticos que alegavam uma ligação entre o cantor e a delinquência juvenil quando entrou em uma briga de rua em Memphis algumas semanas antes.

Na ocasião, Elvis assinava autógrafos quando foi confrontado por um soldado de 18 anos que alegava que o cantor havia empurrado sua namorada meses antes. Sem nenhuma culpa, Elvis puxou uma pistola de brinquedo de Hollywood, e com um largo sorriso em seu rosto exclamou: "Eu vou explodir seu cérebro, seu idiota." "Foi tudo um mal-entendido", explicou Presley depois que o assunto foi resolvido amigavelmente por mediação de um juiz de Memphis. "Nós dois sentimos muito pelo que aconteceu. Eu pensei que ele e seus amigos estavam tentando me bater." Por mais insignificante que seja, o incidente, amplamente divulgado, serviu para sublinhar o "perigo" que Elvis e seu rock 'n' roll traziam para a juventude da América do Norte.

Enquanto o Telegram fazia campanhas de rebaixamento, havia entre os meios de comunicação de Toronto aqueles que defendiam o cantor e seus fãs adolescentes.

"Há demasiado insulto gratuito nestes dias aos jovens e sobre o que eles gostam ou não, e a técnica da culpa por associação está sendo muito usada em muitos jovens decentes que genuinamente gostam de Presley ao ponto de imitar seu corte de cabelo", Scott Young, colunista do Globe and Mail, escreveu pensativo, colocando Elvis dentro do contextos da longa história da cultura jovem e das mães que tinham desmaiado por Rudy Vallée em seus anos mais jovens. "E em 20 anos, algum jovem, com cabelos longos ou sem cabelos, virá tocar um alaúde tibetano e encherá o Maple Leaf Gardens com os filhos e filhas das pessoas que estarão lá para ouvir Elvis terça-feira à noite", concluiu. "E os veteranos deste recital de Elvis, lá em 1977, irão sentar em casa, olhar para suas xícaras de café e se perguntar para onde o mundo está indo".

Quando finalmente o encontraram pessoalmente - como o repórter do Star, John Beehl, fez quando Elvis iniciou a turnê em Chicago no final de março - os jornalistas ficaram surpresos ao descobrir um rapaz jovem mas respeitoso, de voz suave, que não bebia, não falava palavrões, ao invés da caricatura descrita em tantos púlpitos. "Se eu pensasse que estava contribuindo para a delinquência juvenil ou fazendo com que alguém se desviasse, eu voltaria a dirigir um caminhão", Elvis disse quando um repórter canadense lhe deu a oportunidade de responder a seus críticos. Sobre suas atuações provocativas, ele acrescentou: "Quando começo a cantar, sou levado, afasto meus pés, pego a guitarra, e o ritmo me carrega de lá. Eu não posso evitar de me mexer. É o jeito com que eu canto."

Elvis, Gene Smith (E) e George Klein (D) nos bastidores do Maple Leaf GardensTorontoCanadá, 2 de abril de 1957

Nas semanas que antecederam a chegada de Elvis, a imprensa de Toronto transmitiu dezenas de histórias sobre ele e seus fãs locais. O Star visitou os adolescentes da Presley Avenue em Scarborough. "As garotas continuam me perguntando o tempo todo se eu realmente moro na Presley Avenue", comentou um residente de 14 anos e fã de Elvis. "Quando eu digo que sim, elas praticamente desmaiam". "Ah, eu gostaria de viver na Presley Avenue", diziam elas. O Globe and Mail apresentou uma foto de dois adolescentes de East York, Helen Hagen e Judi Reilly, que compuseram uma canção em homenagem a Elvis. Estações de rádio realizaram concursos para dar a chance a jovens ouvintes de conhecer Elvis em pessoa.

Star enviou Don Carlson a Memphis para escrever um perfil biográfico de três partes do cantor, recontando sua ascensão de motorista de caminhão a sensação do rock 'n' roll em menos de quatro anos. Ele escreveu: "Vendendo discos a uma taxa de um milhão por mês, Elvis ganhou cerca de US$ 1 milhão em royalties anualmente por seu contrato com a RCA Victor, as aparições na televisão acrescentaram US$ 100.000 por ano, e aparições pessoais outros US$ 25.000 por semana. Compromissos de Hollywood acrescentaram entre US$ 100.000 a US$ 250.000 por filme em um contrato de três filmes por ano". Carlson citou ainda estimativas conservadoras de que os consumidores gastaram US$ 25 milhões por ano em produtos com fotos do cantor - como cachecóis, bustos, camisas, pijamas e lancheiras - e produtos associados a Elvis, como cosméticos e refrigerantes.

Antes do show das 6 da tarde, sentado em uma mesa em uma sala de concreto nas entranhas do Maple Leaf Gardens, Presley conversou com os jornalistas que estavam lá para cobrir sua apresentação. Usando uma camisa de seda prateada e uma jaqueta de camurça vermelha, ele impressionou a maioria deles com seu charme natural, humor e facilidade em responder a perguntas sobre seus críticos, sua vida amorosa, seu gosto em mulheres e sua multifacetada carreira - que a maioria dos repórteres presentes assumia que acabaria em breve.

Ele já pensou em se tornar um médico ou psiquiatra, perguntou um jornalista. "Eu não pensei em me tornar um psiquiatra, mas muitas vezes pensei em ir a um", veio a resposta rápida. Perguntado sobre a técnica musical formal, Elvis brincou: "Não sei nada sobre música - na minha linha eu não preciso." Ele admitiu experimentar um pouco de medo do palco, apesar do entusiasmo do público. "É a espera [para entrar no palco] que me assusta", disse a um repórter. "Não é tão ruim assim depois que cantei algumas canções. Mas eu nunca estou completamente à vontade."

Outros repórteres, enquanto inegavelmente impressionados por Presley, achavam seu encanto perigoso. "Depois de ver Elvis em ação, a questão não é o que vai acontecer com os guinchos das adolescentes que, sem dúvida, vão recuperar seus equilíbrios, mas o que acontecerá com esse menino que lê a Bíblia, não fuma, não bebe e é tão bom para sua mãe", Angela Burke do Star ponderou após a conferência de imprensa. "O problema com Elvis, do ponto de vista desta observadora, é a completa falta de ingenuidade do jovem Mr. Presley. Até mesmo a maneira como ele se porta em uma conferência de imprensa, respondendo perguntas às vezes com humor e às vezes com insinuações notáveis, é um choque quando se considera sua idade."

Lá fora na arena, a multidão ficou em silêncio por meia dúzia de atos de abertura. Um show de uma hora com o dançarino Frankie Trent, o cantor Pat Kelly, o cômico Rex Marlowe e o banjo de Jimmy James culminaram em um coro de vaias para o tenor irlandês Frankie Connors. Apenas um solo montado pelos Jordanaires, cantores de apoio de Elvis, foi bem recebido pela audiência impaciente. Depois de um intervalo de 20 minutos, quando as luzes da casa se apagaram e um DJ local anunciou a chegada iminente de Elvis ao palco, a multidão gritou em volume ensurdecedor por 30 segundos seguidos. "A partir daí o Gardens tornou-se um mar de gritos, assobios, pés pisando e batendo, iluminado pelo raio de flashes de fotógrafos amadores", o Globe and Mail recordou.

Mas, tendo quebrado uma corda do violão ou batido nos olhos com um microfone (versões variam), Presley foi ainda mais atrasado para o palco. "Elvis não acha que vocês estão fazendo barulho suficiente", veio outro anúncio no sistema de PA, e os aplausos trêmulos da multidão tornaram-se ainda mais altos. Quando ele finalmente apareceu no palco - vestido com o famoso traje de lamê dourado projetado por Nudie Cohn que havia introduzido no início da turnê - o barulho impediu que alguém ouvisse Elvis realmente cantar. "Foi Presley a la pantomima o tempo todo", informou o Globe and Mail, "mas ninguém parecia se importar".

Elvis no palco do Maple Leaf Gardens em TorontoCanadá, no dia 2 de abril de 1957

"Subindo e descendo o palco ele vai, arrastando o microfone como um cativo, remexendo, gritando febrilmente", escreveu o organista Charles Peaker, que assistiu ao concerto a convite do Star. "Ele congela, a orquestra pára - ele olha para o público como em um transe hipnótico, então salta, mostra a língua e começa a deslocar suas pernas de ouro novamente." Fornecendo as descrições mais coloridas do desempenho de Elvis realizado em Toronto, Peaker continuou: "Então seu rosto se prepara, seus lábios se curvam e, segurando o microfone pelo pescoço, ele engatinha para cima e para baixo da plataforma, rosnando, e conduzindo seus adoradores à loucura."

Sempre que Presley sorria sedutoramente para uma seção da plateia ou estendia o braço em direção a outra, os espectadores irrompiam com gritos de êxtase. Sua guitarra era mais acessório do que instrumento musical. "Às vezes ele se equilibra nos dedos dos pés com os joelhos para a frente, os quadris balançando e o peito para fora", lembrou o repórter Joe Scanlon. "A posição parece fisicamente impossível de segurar, mas Elvis consegue ficar assim por 15 ou 20 segundos."

Nenhum dos movimentos de palco ou msm o concerto era ensaiado, o que causou problemas para seus backing vocals. "Nós estávamos prestando tanta atenção nele que estragávamos as músicas, esquecíamos de entrar com os 'ooooowahhhh' e ele se virava e movia o lábio - você sabe a maneira como ele movia o lado esquerdo de sua boca em um arrogante desprezo - ou dizia algo como 'oh yeah?' ou 'filho da mãe'", um dos Jordanaires, Gordon Stoker, recordou na biografia de Elvis.

Entre os 23 mil que assistiram aos concertos de Elvis em Toronto estavam várias celebridades locais, incluindo os comediantes Wayne e Shuster - que caracterizaram Elvis como "uma espécie de E.P. Taylor com costeletas" - e o maestro da Sinfônica de Toronto Walter Susskind. "Eu sinto que o Sr. Elvis Presley é tudo o que disseram que ele seria", resumiu Susskind. Um contingente do Toronto Town Jazz Club assistiu "por curiosidade". "Que uma experiência horrível", o presidente do clube e crítico de jazz Dave Caplan reclamou. "Infelizmente, eu mal podia ouvi-lo. Eu vim para descobrir o que era todo o barulho sobre Presley; e isso é o que tudo significava ... um monte de barulho.Evelyn Dumas (há uma pequena entrevista com ela no último vídeo desta postagem), uma mulher de vinte e poucos anos de Saskatchewan trabalhando para uma família de Toronto, foi presenteada com um ingresso de primeira fila por seu empregador. Um pouco mais velha do que a maioria da audiência adolescente, entretanto cedeu à exuberância de menina: "Embora eu nunca tenha feito isso - ele andou naquele palco, apontou o dedo, começou a cantar - eu gritei tão alto quanto o resto das garotas na platéia naquela noite! Eu estava encantada."

Elvis cantou a maioria de seus sucessos, exceto "Blue Suede Shoes". Ele deu à platéia de "Heartbreak Hotel", "Don't Be Cruel", "Love Me", "Too Much", a "All Shook Up"-  que seria o número um na parada CHUM em 27 de maio de 1957 -, bem como algumas canções menos conhecidas como a ainda não lançada "One Night" e "Butterfly", que nunca gravou formalmente. Os membros da comitiva de Elvis disseram aos jornalistas de Toronto que "os gritos e excitação simplesmente não se comparavam ao que haviam visto em outras cidades". Na noite anterior, em Buffalo, uma mulher agarrara o cantor até que a polícia conseguiu soltá-lo.

A polícia de Toronto tenta conter fãs na entrada do Maple Leaf Gardens; 2 de abril de 1957

A polícia de Toronto, sob o comando do chefe distrital George Elliott, não deu chance para isso se repetir, colocando cerca de 125 policiais ao redor da arena para detectar problemas antes de começarem. "Sempre que um jovem saltava de seu assento, um policial estendia o braço e o sentava de novo", observou Scanlon do Star. "Isso às vezes dava ao Gardens a aparência de um grande jack-in-the-box, mas parecia ter o efeito desejado." Duas jovens fãs foram expulsas naquela noite quando correram para o palco. Além disso, o Globe and Mail notou "uma multidão de mulheres desmaiadas".

Examinando a cena do fundo do palco, Elliott, satisfeito que a multidão estava bem comportada, foi visto batendo seu pé no ritmo da música. "Eu sou um pouco fã de Presley", disse ele à imprensa. "Eles foram boas pessoas", disse Elliott sobre a plateia, que evitou as feias cenas testemunhadas em outros lugares nas apresentações de Presley - como em Vancouver vários meses depois, quando o concerto foi interrompido porque a multidão subiu ao palco. A tarefa mais difícil da noite para a polícia foi limpar a arena para que aqueles com ingressos para o show das 21h pudessem tomar seus assentos. Entre as performances Elvis descansou nos bastidores, deitado em seu camarim e conhecendo alguns fãs sortudos, incluindo Vanderleck e Harris, cujas petições tinham levado aos concertos.

O primeiro show provou ser a última vez que Elvis usaria o traje completo de lamê dourado. Seu estilo de atuação, caindo regularmente de joelhos, rapidamente desgastou o ouro na frente das calças. Fora esse detalhe, o segundo show foi muito parecido com o primeiro. Com 15.000 fãs agora amontoados no Maple Leaf Gardens (a maior audiência até esse ponto na carreira de Elvis) a multidão gritando mais uma vez afogou o cantor e seus músicos. Ao aproximar-se do final de outra apresentação de uma hora, Elvis estava encharcado de suor, com o cabelo desarrumado. Um repórter o comparou a "um garoto cambaleante depois de um difícil jogo de basquete".

Fãs no Maple Leaf Gardens incluíam pessoas de idades variadas; TorontoCanadá, 2 de abril de 1957


Elvis fechou o show com "Hound Dog", repetindo o refrão uma dúzia ou mais vezes em um crescente crescendo. E então, um instante depois que as últimas notas foram tocadas, ele se foi. Para sua própria segurança, Elvis nunca fez encores ou demorou-se no local. Antes que o público pudesse reagir - ainda esperando que houvesse uma chamada de cortina - ele fugiu do palco e entrou em um carro que o esperava. "Aposto que não deu tempo de a guitarra cair no chão desde o momento em que ele a largou até o momento em que estava no carro", um policial de Toronto observou. "Seu rápido desaparecimento tornou muito mais fácil para nós."

Enquanto centenas de curiosos lotavam a entrada de serviço no lado norte do Maple Leaf Gardens, Elvis estava em um táxi, com destino à Union Station. Esquadrões de policiais foram enviados para o King Edward Hotel esperando, como a maioria dos fãs de Elvis, que o cantor gostaria de voltar para lá. No momento em que todos perceberam que não era assim, ele já estava em um trem para Ottawa.

_________________________________________________________________________________________________________________

OTTAWA, 3 DE ABRIL DE 1957

Depois de seus shows no Maple Leaf Gardens, Elvis e sua comitiva de 15 homens pegaram o trem noturno para a Union Station de Ottawa e chegaram à capital às 8 da manhã. Apesar de seu meio e hora de chegada terem sido um segredo, uma dúzia de adolescentes ficaram sabendo daquilo e estavam na estação esperando por ele. Na manhã de 3 de abril de 1957, estava ensolarado, a temperatura era exatamente 0ºC, e Elvis saiu do trem vestindo um terno preto, uma camisa de veludo de gola aberta, uma capa de chuva rosada e um sapato branco. Debaixo de seu pompadour brilhante, seu rosto estava pálido e preocupado.

As garotas da pequena multidão gritaram quando o viram caminhando pela estação até um táxi. Elvis sorriu, deu-lhes um aceno e fez um rápido movimento com sua perna direita. Cercado pela polícia de Ottawa e sua comitiva, ele parou para assinar autógrafos antes de entrar no táxi, que o levou ao Beacon Arms Hotel para descansar antes de seus dois shows naquele dia no Auditorium, um às 16:30 e outro às 20h. Ingressos para ambos os shows custavam US$ 3,50 cada e ambos lotaram. Embora tenha chegado ao Canadá de trem dos Estados Unidos, dois de seus Cadillacs - um rosa e um amarelo - foram levados e estacionados no porão do hotel. A palavra logo se espalhou, e um adolescente foi expulso depois que conseguiu se esgueirar até um dos carros e quase arrancar e levar a placa da frente.

Elvis chega a Ottawa na manhã de 3 de abril de 1957

A grande maioria dos fãs de Ottawa desconhecia seu paradeiro, e todos os dias enxames de adolescentes vagavam pelos corredores e lobbies dos hotéis da cidade à procura dele. Além disso, ao longo do dia, os fãs de Presley invadiram a cidade de ônibus, carro e trem de todas as partes de OntárioQuebec Nova York. Um trem chamado "Presley Special", que tinha 10 vagões e transportava 800 fãs que pagaram US$ 11 pela viagem de ida e volta, chegou de Montreal, onde Elvis deveria ter se apresentado naquela noite em vez de Ottawa. O Conselho Municipal de Montreal o proibiu de aparecer, temendo que causaria um tumulto, além da indignação moral que seus movimentos corporais e música gerariam.

Não foram apenas os adolescentes que pegaram a febre de Elvis. Em uma sessão noturna da Câmara dos Deputados naquele dia, apenas 37 dos 259 membros estavam presentes, e o CCF Whip Stanley Knowles disse que os faltantes tinham ido ver Elvis. Era diferente na escola do Convento de Notre Dame; a Madre Superiora disse aos alunos que não podiam assistir aos concertos de Presley e que eles escreveriam seus nomes nos quadros prometendo obedecer o edital. Muitos fizeram. Muitos também desobedeceram. Muitos foram ver Elvis com seus pais e oito meninas da escola foram pegas e suspensas. Os pais que levaram seus filhos para ver Elvis e os pais das garotas suspensas ficaram indignados. Elvis, naquele momento, não era chamado de O Rei ou Rei do Rock, mas era referido como "o ídolo adolescente" ou "a sensação da música adolescente".

Ele usava sua famosa jaqueta de ouro de 2500 dólares com uma camisa preta, calças pretas e sapatos brancos para seus dois shows. Cada show durou apenas 40 minutos e teve nove canções, incluindo "Don't Be Cruel", "Hound Dog", "Heartbreak Hotel" e "Love Me Tender". A brevidade das performances era fiel à filosofia de seu agente, o Coronel Tom Parker, que andava de um lado para o outro em frente ao palco: "Dê-lhes apenas um gosto, deixe-os implorar por mais". Elvis canta, mas ninguém pode ouvi-lo sob o ensurdecedor pandemônio. É loucura total, uma parede de gritos sem parar. Quando ele cai de joelhos, quando toca a orelha com o polegar, quando bate as pernas, quando gira os quadris, quando treme, quando cantarola. Quando ele sorri aquele sorriso torto, é histeria em massa.

Fãs vão à loucura com as apresentações de Elvis; Municipal AuditoriumOttawaCanadá, 3 de abril de 1957 

Durante sua interpretação pélvica de "Hound Dog", três policiais percorreram o corredor central jogando fãs de volta em seus assentos como sacos de batatas. Mais de 100 policiais, especialmente designados para o auditório, guardaram o palco e foram colocados em toda a multidão. Fãs foram avisados ​​de que qualquer um que atacasse Elvis seria expulso. Foi um belíssimo caos com gritos incessantes.  O repórter Richard Jackson do The Ottawa Journal escreveu: "A maior parte da multidão era adolescente, as meninas sua meias compridas brancas e calças largas, saias plissadas e blusas soltas, e os meninos de jeans, jaquetas e botas. Com cada balanço, os joelhos do ídolo chegavam mais perto do assoalho. Quanto mais perto, mais altos os gritos, e quando ele finalmente tocou o chão - trovão! Muitos na multidão usavam buttons 'I Like Elvis' de 75 centavos e tinham programas de um dólar".

Sob a dupla revisão de Greg Connolley e Gerry Mulligan do The Citizen: "Os gritos eram tão devastadores que era praticamente impossível ouvir qualquer coisa que Presley estava supostamente cantando". A repórter do The Ottawa Journal, Helen Parmalee, falou com um embaixador na plateia que timidamente lhe disse que estava lá em missão "para estudar a cultura canadense." Parmelee escreveu "Alguns choraram, alguns gemeram, alguns apertaram suas cabeças em êxtase. Cada corpo gritou, bateu palmas, uma pessoa caiu de quatro e bateu no chão. Elvis me mandou para casa com uma dor de cabeça enorme, ainda estou perplexa ... A exposição contorcionista de ontem à noite no Auditorium foi a mais próxima da selvageria que eu jamais conseguiria imaginar".

Duas adolescentes tinham vindo naquela manhã de Montreal a pé até que um empresário lhes deu carona. Quando chegaram a Ottawa, foram expulsas do Beacon Arms Hotel por tentarem procurar Elvis. Elas não tinham ingressos para seus shows, mas conseguiram convencer um repórter a deixá-las a entrar com seu passe de imprensa. Sua obsessão foi superada apenas pelos 10 fãs no trem de Montreal que deixaram seus empregos em tempo integral para que pudessem ver Elvis. O DJ da estação de rádio CFRA Gord Atkinson patrocinou o show de Presley e mais tarde conduziu aos bastidores várias meninas que tinham ganhado o concurso para encontrar seu ídolo. Uma garota, depois de conhecê-lo, chorou e disse que nunca mais lavaria o braço direito, que Elvis beijara. Outra garota não conseguia parar de chorar porque Elvis tinha autografado seu braço.

Sentado de pernas cruzadas sobre uma mesa em um dos vestiários de hóquei Elvis foi perguntado pelo repórter James Perdue sobre quanto tempo ele pensava que seu sucesso duraria. Elvis disse que achava que seus dias estavam chegando ao fim, que sua popularidade provavelmente não duraria mais de um ano, dois no máximo. Ele disse que queria capitalizar rapidamente a mania do Rock 'n' Roll para que ele pudesse economizar dinheiro para a meia-idade e um casamento mais tarde. Quando perguntada sua opinião sobre o Convento de Notre Dame ele expressou surpresa: "Eu gostaria de convidar o diretor para o meu show; pular, remexer e dançar não é indecente - eu não incito os jovens a roubar bancos ou comprar uma arma." Um repórter lhe perguntou se ele alguma vez pensou em se tornar um médico ou um psiquiatra, e Elvis disse: "Não senhor, eu não pensei em me tornar um psiquiatra, mas muitas vezes pensei em ir a um."

Elvis dando entrevistas no bastidores do Municipal AuditoriumOttawaCanadá, 3 de abril de 1957

Rei do Rock fez um comentário sobre Ottawa quando um repórter perguntou o que ele pensava da cidade: "Bem, senhor, eu não tive a chance de vê-la. As pessoas são muito amigáveis, mas é um pouco legal lá fora". Enquanto Presley estava em sua entrevista, a polícia estava envolvida em brigas com vários adolescentes que tentavam abrir caminho através da parte de trás do auditório para ver Elvis. Hordas de fãs de Presley marcharam ruidosamente pelas ruas da cidade, cantando suas canções e gritando seu nome. Cinco adolescentes foram detidos por soltarem fogos de artifício na rua e no lobby do Chateau Laurier Hotel.

Esquadrão Presley do Departamento de Polícia de Ottawa foi mantido ocupado durante muito tempo naquela noite. Todos os que assistiram aos dois concertos terão lembranças a serem valorizadas por toda a vida - vieram, viram, se emocionaram com o Rei do Rock naquele dia histórico em que ele foi a Ottawa.

A histeria gerada por Elvis foi tão grande que, dessa vez, Parker não deixaria passar batido. Ele assinaria outro contrato para mais um show no dia 31 de agosto de 1957 em Vancouver.


FOTOS: MUNICIPAL AUDITORIUM, OTTAWA, 3 DE ABRIL DE 1957

























_________________________________________________________________________________________________________________

VANCOUVER, 31 DE AGOSTO DE 1957

Em 31 de agosto de 1957, Elvis, Scotty Moore, Bill Black, D.J. Fontana e os Jordanaires foram para Vancouver de trem para se apresentarem no Empire Stadium. Era a segunda parada de uma turnê pelo Noroeste que tinha começado um dia antes em Spokane. Por esta altura Elvis tinha gravado oito singles nº 1 em dois anos, tinha feito três filmes e estava prestes a lançar "Jailhouse Rock" como seu mais novo single. Tendo se apresentado em Toronto Ottawa em abril, esta foi apenas a terceira vez que eles fariam shows fora dos EUA e para Elvis seria a última.

O primeiro show de Rock de Vancouver tivera lugar apenas um ano antes, quando Bill Haley and His Comets atraíram 6.000 pessoas para a Kerrisdale Arena. Agora Elvis tinha atraído uma multidão mais de quatro vezes maior. Os 26.500 fãs presentes foram selvagens com o Rei do Rock. O palco foi montado no campo de futebol vazio, mas os fãs quiseram ficar mais perto. Milhares contornaram a segurança para encontrar um lugar na frente do palco. O show teve de ser interrompido duas vezes por questões de segurança. O Coronel Tom Parker, sugeriu que o tom do seu show fosse amenizado, mas sendo um rebelde do rock, Elvis não o ouviu. Ele encurtou a apresentação, no entanto, e - por razões de segurança - enganou o público. Ele deu seu casaco de ouro para um membro da equipe usar ao entrar em um carro, para que os fãs pensassem que era Elvis. Os fãs seguiram o homem de jaqueta de ouro, e Elvis foi autorizado a deixar o estádio ileso.

Fãs driblaram a segurança e invadiram o gramado do Empire StadiumVancouverCanadá, 31 de agosto de 1957

Red Robinson, de 20 anos, o DJ da rádio CKWX, que tinha coberto o show de Bill Haley e agora endossava Elvis, disse: "Essa foi a primeira vez que colocamos um artista na frente de 26.000 pessoas em um estádio alugado pessoalmente. Sinatra, Crosby, ninguém jamais alugou estádios antes dele". De acordo com registros dados a Red pelo promotor Hugh Pickett pouco antes de morrer, havia 25.898 admissões pagas e preços de ingressos variando de US$ 1,50 a US$ 3,50. As receitas brutas chegaram a US$ 61.099,86 dos quais Elvis ganhou provavelmente US$ 21.936,32.

Red Robinson também revelou: "Com a conferência de imprensa terminada, os repórteres foram levados para fora. Como promotor do show, eu fiquei com Elvis. Deixe-me dizer-lhes sobre um incidente que aconteceu enquanto matávamos o tempo até a hora do show. Aquilo me ensinou que, enquanto Elvis era sempre educado, ele também tinha uma série de formas de diversões selvagens. Depois de conversarmos por algum tempo, Elvis abriu a porta do vestiário no estádio e convidou um dos policiais para entrar. Ele pediu emprestado as algemas do policial ... e casualmente me algemou a um cano de chuveiro. Então ele escondeu a chave e riu loucamente da piada".

Elvis durante a conferência de imprensa no Empire StadiumVancouverCanadá, 31 de agosto de 1957


A multidão estava sentada nas arquibancadas do estádio de cada lado do campo de futebol, e o palco foi montado na seção norte. Foi construído na parte de trás de dois caminhões de plataforma com uma cerca colocada em torno dele e entre o palco e o público havia quase 100 metros de campo vazio com cadetes da Aeronáutica e policiais alinhados como seguranças. A banda de abertura tocou por cerca de 45 minutos antes de Elvis. Quando a música começou, mais ou menos afogada pelos gritos da multidão, a massa passou rapidamente pela "segurança", foi para o campo e sentou-se em frente ao palco. Scotty Moore disse: "Devíamos parecer formigas de onde estavam sentados. Tudo o que queriam era se aproximar. Eles não se importavam se tinham cadeiras ou não".

Elvis e a ganhadora do concurso da rádio local para conhecê-lo pessoalmente são conduzidos ao redor do Empire Stadium
em carro aberto pelo chofer George Corrie; VancouverCanadá, 31 de agosto de 1957 

Funcionários do estádio pararam o show e disseram à multidão que não iriam continuar até que eles voltassem a seus lugares. D.J. Fontana lembra como a multidão estava desafiadora. Os oficiais do estádio não puderam movê-los. D.J. disse: "Eles tentaram e tentaram, mas não iriam se mover, então nós finalmente começamos o show". O concerto tinha durado 22 minutos. Assustado com os fãs, Parker disse a Elvis para cortar a apresentação. Quando Elvis saiu abruptamente do palco, Scotty e os outros foram deixados para enfrentar os fãs sozinhos. Sem que o público soubesse, Elvis tinha ido para uma sala do lado da escada atrás da cortina e dado sua jaqueta de ouro a um membro de sua comitiva (possivelmente Gene Smith), que então correu para o carro para ser perseguido pelos fãs.

O fotógrafo do Vancouver Sun, Ralph Bower, disse: "Derrubaram a cerca e perseguiram-no, e foi quando ele se afastou. Eles vieram como um rebanho de gado. Eu estava de pé lá e eles correram bem para cima de mim". Elvis atravessou o campo para os vestiários sem ser notado em sua camisa preta. D.J. Fontana lembra: "Os jovens correram até lá e o palco se inclinou para um lado". Quando levaram seus instrumentos em seu carro, foram cercados por fãs. Tudo o que podiam fazer era sentar e esperar. "Eles sacudiram o carro um pouco pensando que Elvis estava lá dentro conosco", disse D.J., "mas finalmente eles nos deixaram ir. Foram necessárias cerca de duas horas para podermos sair. Geralmente levava duas horas para sair de qualquer edifício".

Elvis no palco do Empire StadiumVancouverCanadá, 31 de agosto de 1957

Bower tirou uma foto da multidão imediatamente antes que o atropelassem, e o jornal a colocou na primeira página, acompanhado por uma revisão mordaz de John Kirkwood. "Era como assistir um exército demente descer da colina para fazer batalha na planície quando aqueles adolescentes frenéticos invadiram o campo", escreveu. "Elvis e sua música tiveram uma pequena parte no circo. O grande show foi oferecido pelos adolescentes de Vancouver, transformados em idiotas frenéticos e retorcidos de prazer pela música selvagem da selva. Um muro duro de adolescentes desordeiros transformou a parada de uma noite de Elvis Presley no Empire Stadium na mais repugnante exposição de histeria em massa e loucura que esta cidade já testemunhou". Os adolescentes que estavam no show, é claro, sentiram diferente e adoraram a condenação histérica de Kirkwood. O Coronel Parker também gostou de ler os relatos dos distúrbios no dia seguinte. Scotty disse: "Realmente não foi um tumulto, os fãs estavam apenas tentando se aproximar do palco para ver, isso é tudo".

Red Robinson lembra que no show eles tocaram "Money Honey", "That's When Your Heartaches Begin", "Hound Dog" e "Jailhouse Rock". Red disse que "a maior gafe" de sua longa carreira foi ir ao rádio no dia seguinte e divulgar o número do quarto de Elvis. "Fui ao ar no dia seguinte e disse 'não foi maravilhoso, Elvis ficou no Hotel Georgia, quarto 1226. As crianças subiram e rasgaram o tapete, rasgaram peças da cama. Custo à rádio CKWX cerca de US$ 5.000 para reparar o quarto".
_________________________________________________________________________________________________________________

Fotos: York University Libraries, Clara Thomas Archives & Special Collections, Toronto Telegram, Elvis InfoNet, A. Andrews, C. Buckman, D. Gall, T. Grant; Andrews-Newton Photographers Fonds (Copyright: City of Ottawa Archives), Elvis Australia e Google
Tradução: Elvis Presley Index | http://www.elvispresleyindex.com.br
>> a re-disponibilização desta tradução só é permitida se mantidos os créditos e sem edições.<<
_________________________________________________________________________________________________________________



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário!

LEMBRE-SE: Não postaremos mensagens com qualquer tipo de ofensa e/ou palavrão.