Elvis Presley Index: Good Times (CD/LP - FTD, 2009/2010)

TRANSLATE THIS SITE / TRADUCIR ESTE SÍTIO

quinta-feira, 5 de maio de 2022

Good Times (CD/LP - FTD, 2009/2010)

Título:
Good Times
Selo:
FTD [FTD 087] [506020 975003 2]
Formato:
CD duplo
Número de faixas:
47
Duração:
158:00
Vinculado a:
Discografia FTD
Ano:
2009
Gravação:
21 de julho a 17 de dezembro de 1973
Lançamento:
Dezembro de 2009
Singles:
---



Good Times foi o 89º LP de Elvis e o 87º CD da FTD. Ele contém faixas gravadas entre 21 de julho a 17 de dezembro de 1973 no lendário Stax Studio de Memphis, sendo o primeiro disco do Rei do Rock a ser lançado em 1974.

O ano de 1973 seria o de maiores mudanças na vida de Elvis. Se por um lado o "Aloha from Hawaii" e seu LP duplo tinham sido grandes sucessos, por outro o cantor já não tinha tanta vontade de entrar em um estúdio e gravar, o que àquela altura já causava uma correria aos cofres da RCA para suprir a demanda de novas gravações.

O cantor participaria de sessões de gravação em julho daquele ano, mas não haveria sobras suficientes para que a RCA produzisse mais do que um disco. De fato, o Rei do Rock teve de ser obrigado a terminar mais algumas faixas para que o LP "Raised On Rock", lançado em outubro de 1973, pudesse ser produzido.

Elvis voltaria ao estúdio no fim do ano, mas o que se tinha por parte da RCA era a incerteza sobre o futuro das vendas. Felizmente, o material de dezembro era muito melhor quando comparado ao de julho e no fim daquela semana de sessões o cantor havia gravado 18 Master que definiriam sua carreira nos próximos dois anos.

Porém, 1974 chegaria sem um lançamento de Elvis há dois meses. "Raised On Rock" tinha feito algum sucesso em outubro do ano anterior, mas não era o que a gravadora queria. As compilações "ELVIS (RCA Special Products)" de 1973 e "A Legendary Performer, Volume 1" de janeiro de 1974 também haviam decepcionado.

Em 20 de março de 1974, enquanto Elvis se apresentava e gravava seu quinto disco ao vivo em Memphis, "Good Times" chegou às lojas. O bonito sticker dourado ou vermelho, hoje raríssimo, reforçava a presença dos singles "Take Good Care of Her" e "I've Got a Thing About You Baby" lançados em janeiro e que haviam feito um sucesso considerável, atingindo o quarto lugar nas paradas Country. Mas a estrela seria "My Boy", cuja adoração foi tanta que gerou um single em janeiro de 1975 que foi ao primeiro lugar das paradas.

No geral, "Good Times" teve uma boa recepção, atingindo o número 1 na Cashbox nos EUA e o Top 50 no Reino Unido.

Após anos sendo relançado em CD simples e sem extras, às vezes até mesmo em companhia de outro álbum qualquer do cantor, o disco finalmente recebeu uma reedição digna, dessa vez em CD duplo, pelas mãos da FTD, que trouxe ao público de forma oficial algumas partes do material das sessões de gravação que antes eram apenas ouvidas em bootlegs e outras totalmente inéditas.

Abaixo segue resenha do trabalho.
-----------------------------------------------------------------------------------------------


CD 1 - O ÁLBUM ORIGINAL

- 1-10. LP original: Masters como lançados em 1974.

HIGHLIGHTS DAS SESSÕES

- 11. Take Good Care of Her (Rehearsal + Take 1): Aqui temos um pequeno segmento de ensaio, seguido pela primeira tentativa de Elvis de gravar a música. Ele quase canta para si mesmo durante o ensaio, uma audição interessante apenas pelo aspecto de "mosca na parede". Ausente do Master, você pode ouvir uma pitada de amargura na voz do cantor enquanto passa pelo take 1.

- 12. Loving Arms (Take 1 + Rehearsal): Elvis brinca com o ritmo durante o take 1, obviamente tentando encontrar o ponto ideal. Você pode ouvir a confiança em sua voz quando começa a acertar. Na sequência, Ele e os outros músicos elaboram um novo final para a música.

- 13. I Got a Feelin' in My Body (Take 1): No final do take, Elvis começa a brincar com as palavras, mas mesmo assim evita que a música desmorone completamente.

- 14. If That Isn't Love (Take 1): Essa tomada é uma surpresa e certamente melhor do que o Master.

- 15. She Wears My Ring (Take 8): Elvis e companhia conseguem acalmar o riso e fazer um take decente, melhor que o Master.

- 16. I've Got a Thing About You Baby (Take 1): Quatorze takes separariam este do Master, e aqui entendemos o motivo. Elvis canta de forma ligeiramente diferente e tropeça em algumas das palavras nesta versão em ritmo acelerado.

- 17. My Boy (Take 1): Uma música que toca a alma, falando das consequências de uma separação para uma criança, foi polêmica na época e hoje tem um sabor agridoce entre os fãs. Elvis aborda a música seriamente desde o início, deixando óbvio que é importante para ele. Um pouco mais lento e com um som mais simples do que o Master, embora o cantor perca uma nota perto do final.

- 18. Spanish Eyes (Takes 1, 2): Elvis alegadamente resolveu gravar esta música porque Linda Thompson pedira. Ele erra o primeiro take. O segundo é decente, com um violão que soa magnífico.

- 19. Talk About the Good Times (Take 3): Além do Master, esta é aparentemente a única outra versão completa que Elvis fez desta música. Infelizmente, o piano é mais proeminente do que no primeiro take.

- 20. Good Time Charlie's Got the Blues (Takes 7, 8): Elvis estraga a letra no primeiro verso e depois faz uma paródia improvisada da música como só ele conseguiria. Quando Jarvis nota que este é o take 8, Elvis fica surpreso: "É mesmo? Caramba, esses takes estão passando rápido!" Alguns deles foram muito curtos', Jarvis aponta, arrancando uma risada de Elvis. Esta tomada é tão boa quanto a versão lançada.

- 21. I Got a Feelin' in My Body (Take 4): Uma versão pós-Master, o que na verdade é um tanto raro em uma sessão de Elvis. Talvez seja uma evidência de que ele não estava completamente satisfeito com o take 3, mas o cantor realmente soa mais confortável com a música do que nos anteriores.

- 22. I've Got a Thing About You Baby (Take 14): Elvis faz todo o caminho através desta versão espirituosa. Com as letras excessivamente complicadas, não é de admirar que essa música não tenha se tornado um dos pilares de seu repertório de shows.

- 23. Take Good Care of Her (Take 4): Nada de especial aqui também, embora você ainda possa ouvir mais amargura do que no Master.

- 24. If That Isn't Love (Splice of takes 5 & 7): Referindo-se ao take 4, Elvis diz a Jarvis para "guardar o último" antes de começar o quinto. Esta junção do take 5 (um longo false start) com o final do 7 também é melhor do que o Master. Falta algo, mas pelo menos é mais audível.

CD 2 - SESSÕES DE GRAVAÇÃO

- 1. I've Got a Thing About You Baby (Take 15 - Rough Mix of Master): Quase exatamente como lançado, com apenas alguns detalhes a menos no mix.

- 2. Loving Arms (Take 2): Esta é outra versão mais rápida da música. Provavelmente é muito rápida, mas o poder de sua voz ainda faz valer a pena ouvir.

- 3. I Got a Feelin' in My Body (Take 2): Isso soa mais como um ensaio do que uma tentativa real, principalmente no início. Elvis obviamente sabe que ainda não chegou lá, pois ri perto do fim.

- 4. Good Time Charlie's Got the Blues (Takes 1, 4, 6): Elvis instrui seus músicos: "Apenas mantenham-na sóbria." A melhor música do álbum começa a ser trabalhada com Elvis se estressando com o fio do microfone antes mesmo de poder cantar. No take 4, ele passa pelo primeiro terço da música antes de se distrair e pensar que está no final da música. O cantor brinca: "É culpa do Charlie!" A tomada 6 está completa, mas Elvis ainda parece distraído.

- 5. My Boy (Take 2): Outra versão séria. Elvis gagueja um pouco na metade, mas continua a música de qualquer maneira. Uma boa tomada, mas a menor das três. Quando Jarvis pede outro take, Elvis brinca: "Não consigo mais cantar essa!"

- 6. Take Good Care of Her (Takes 2, 3): O take 2 desmorona em apenas alguns segundos. A tomada 3 está completa, mas não digna de nota.

- 7. If That Isn't Love (Take 4 - Undubbed Master): Soa melhor do que o Master com overdubs, mas não é tão boa quanto o take 1.

- 8. I've Got a Thing About You Baby (Take 5): Esta é uma música divertida, então ouvir take após take não é problema. Tomada agradável, mas não digna de nota.

- 9. She Wears My Ring (Takes 1, 2, 3,  4, 5, 6, 7): Elvis e a banda têm crises de gargalhadas nestas primeiras tomadas, que passam rapidamente. Assim como algumas das músicas dos filmes da década de 1960, as conversas e risadas do estúdio são muito mais interessantes do que a música real em questão.

- 10. Talk About the Good Times (Takes 1, 2): O take 1 começa de forma bastante promissora, com a guitarra conduzida na veia de "Promised Land" e menos do piano muitas vezes irritante do Master. Elvis tropeça na letra, no entanto, e amaldiçoa a tomada a um final precoce. A segunda tentativa é ainda mais curta. O cantor desvia o olhar das letras, mas sente falta delas novamente. Ele então recita parte de "The Lord's Prayer" em um tom simuladamente sério.

- 11. Talk About the Good Times (Take 4 - Undubbed Master): O take é muito bom, mas soa como se Elvis e abnada tivessem decidido pegar o caminho mais fácil ao invés de melhorar o que tinham até agora.

- 12. Loving Arms (Take 3 - Undubbed Master): A qualidade do som aqui é simplesmente incrível, especialmente considerando que essas gravações são bem antigas. O Master com overdubs talvez seja a melhor versão, principalmente porque o final da música é melhorado removendo o refrão irritantemente alto na última nota.

- 13. I Got a Feelin' in My Body (Rehearsal + Take 3 - Undubbed Master): Mesmo este Master não soa como se eles tivessem trabalhado a música, mas soa marginalmente melhor do que a versão com overdubs.

- 14. If That Isn't Love (Takes 6, 7): Um erro do pianista termina a tomada 6 em apenas alguns segundos. Em seguida, vem a sétima, completa, mas esquecível.

- 15. She Wears My Ring (Take 10 - Undubbed Master): Elvis parece entediado, mas Jarvis declara no final: "Essa teve um gás!"

- 16. I've Got a Thing About You Baby (Takes 6, 8, 10, 11): Várias tomadas em uma única faixa podem significar apenas uma coisa: Muitos false starts. Esses takes são mais lentos que os 5 primeiros, aproximando-se da velocidade do Master. Elvis erra as letras nas promissoras tomadas 6 e 8, então pede um "grande, enorme quadro idiota" com as palavras. Ele acerta o take 10. Antes de começar a 11ª tentativa, ele comenta: "Eu sou muito louco para falar sério." O take 11 é mais longo, faltando algumas das linhas perto do final e finalmente terminando um pouco mais cedo.

- 17. Take Good Care of Her (Take 5): O produtor Felton Jarvis aparentemente encerra esta tomada cedo, fazendo com que Elvis comente: "Agora eu sei como Jesus se sentiu com aquela lança em seu flanco."

- 18. Take Good Care of Her (Take 6 - Undubbed Master): Um dos melhores serviços que a FTD presta a nós, fanáticos por Elvis, é fornecer as versões sem overdubs de muitos de seus Masters. Essas versões despojadas são muitas vezes revelações, às vezes soando melhor do que as lançadas. É bom ter ambas as opções para esta e as outras músicas deste álbum.

- 19. I Got a Feelin' in My Body (Take 4): Elvis parece cansado e o ritmo é um pouco mais lento, mas não é uma melhoria real.

- 20. My Boy (Take 3 - Undubbed Master): Apesar de sua piada no take anterior, Elvis se supera aqui. Uma audição interessante sem os overdubs.

- 21. Spanish Eyes (Take 3): O pianista David Briggs atinge uma nota muito alta, então a parte de Elvis neste pequeno take consiste apenas da primeira palavra. Algumas conversas divertidas de estúdio iniciam essa faixa, no entanto.

- 22. Spanish Eyes (Take 4 - Undubbed Master): Briggs novamente estraga o início deste take. Em uma nova tentativa, Elvis consegue cantar até o fim, mas o Master com overdubs soa melhor.

- 23. Good Time Charlie's Got the Blues (Take 9 - unedited, Undubbed Master): A FTD fecha este trabalho com uma surpresa, uma versão não editada e sem overdubs do Master que é ainda melhor do que a lançada.

//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Título:

Good Times - The Outtakes
Selo:
FTD 292 [506020 975011]
Formato:
LP duplo
Número de faixas:
27
Duração:
99:00
Vinculado a:
Discografia FTD
Ano:
2010
Gravação:
21 de julho a 17 de dezembro de 1973
Lançamento:
Julho de 2010
Singles:
---





Sete meses depois, a gravadora lançou um LP duplo contendo alguns dos takes presentes no CD e outros inéditos, concentrando-se mais nos primeiros takes. No trabalho constam as faixas:

LP 1
LADO A
1. Take Good Care of Her (Rehearsal + Take 1)
2. Loving Arms (Take 1 + Rehearsal)
3. I Got a Feelin' in My Body (Take 1)
4. If That Isn't Love (Take 1)
5. She Wears My Ring (Take 8)
6. I've Got a Thing About You Baby (Take 1)
7. My Boy (Take 1)
LADO B
8. Talk About the Good Times (Take 3)
9. Spanish Eyes (Takes 1 & 2)
10. Good Time Charlie's Got the Blues (Takes 7 & 8)
11. I Got a Feelin' in My Body (Take 4)
12. I've Got a Thing About You Baby (Take 14)
13. My Boy (Take 2)
14. Take Good Care of Her (Take 4)

LP 2
LADO A
1. I've Got a Thing About You Baby (Takes 6, 8, 10 & 11)
2. Loving Arms (Take 2)
3. I Got a Feelin' in My Body (Take 2)
4. Good Time Charlie's Got the Blues (Takes 1, 4 & 6)
5. Take Good Care of Her (Takes 2 & 3)
6. Spanish Eyes (Take 4 - Undubbed Master)
LADO B
7. Talk About the Good Times (Takes 1 & 2)
8. Talk About the Good Times (Take 4 - Undubbed Master)
9. She Wears My Ring (Takes 1 - 7)
10. I Got a Feelin' in My Body (Take 7)
11. My Boy (Take 3 - Undubbed Master)
12. Good Time Charlie's Got the Blues (Take 9 - Unedited Undubbed Master)
13. If That isn't Love (Splice of Takes 5 & 7)
-----------------------------------------------------------------------------------------------

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário!

LEMBRE-SE: Não postaremos mensagens com qualquer tipo de ofensa e/ou palavrão.