Elvis Presley Index: Paradise, Hawaiian Style (CD - FTD, 2004)

TRANSLATE THIS SITE / TRADUCIR ESTE SÍTIO

terça-feira, 12 de abril de 2022

Paradise, Hawaiian Style (CD - FTD, 2004)

Título:
Paradise, Hawaiian Style
Selo:
FTD [FTD 037] [82876 59846 2]
Formato:
CD
Número de faixas:
24
Duração:
69:30
Tipo de álbum:
Trilha sonora
Vinculado a:
Ano:
1966
Gravação:
26 e 27 de julho / 2, 3 e 4 de agosto de 1965
Lançamento:
17 de julho de 2004
Singles:
---


Paradise, Hawaiian Style foi o vigésimo primeiro trabalho de trilha sonora de Elvis, seu 22º LP pela RCA e 37º CD da FTD. Gravado no Radio Recorders entre julho e agosto de 1965, ele contém a trilha sonora completa do filme homônimo do mesmo ano.

Elvis encontrava-se em 1965 gravando álbuns de trilhas sonoras para filmes que estavam quase a um ano de distância - sendo os dias em que a sessão final de um disco e seu lançamento tinha um espaço máximo de uma semana uma memória distante. Enquanto trabalhava neste álbum, seu filme mais recente nos cinemas era "Tickle Me", e Elvis completara mais três filmes desde então.

Com títulos como "A Dog's Life" e "Queenie Wahine's Papaya", ele ridiculizou abertamente o material, fazendo questão de perder bastante tempo - algo extremamente caro quando se trata de gravações - antes de se aproximar do microfone para fazer o trabalho da forma que mais lhe convinha. Elvis, profundamente enraivecido, aceitou gravar músicas que teria rejeitado veementemente anos antes. Claro, sua ética permitiu que ele terminasse o trabalho, mas Elvis se viu comandado por forças maiores e não um astro dono de sua própria carreira.

Das dez músicas gravadas nas sessões para a trilha sonora, nove aparecem no filme e todas estão no LP. A música omitida da produção, "Sand Castles", foi incluída no álbum para levar o número de faixas a 10 e o tempo de execução a mais de 20 minutos, requisitos mínimos para se poder lançar um LP à época. Nenhum single foi lançado para promover a trilha, mas a RCA colocou no mercado em 8 de junho de 1966, dois dias antes do início das vendas do LP, um single com as faixas "Come What May" e "Love Letters", gravadas durante as sessões para "How Great Thou Art" em maio de 1966.

As vendas para o álbum foram menores que 250.000 cópias, uma nova baixa na popularidade de Elvis. Surpreendentemente, o LP conseguiu, de uma maneira inexplicável, ficar em 15º lugar nas paradas e se sair melhor do que "Frankie and Johnny" (20º) e até mesmo o lendário "How Great Thou Art" (18º). A notícia realmente boa ficou por parte do single citado acima, que alcançou um respeitável 19º lugar na Billboard Hot 100 e, pelo menos, refletia os gostos reais de Elvis fora das obrigações das gravações das trilhas sonoras. O single também foi sua primeira gravação contemporânea desde "(You're the) Devil in Disguise", de junho de 1963, a chegar às lojas.

Em 2004 "Paradise, Hawaiian Style" foi reeditado no rótulo Follow That Dream. Sem muito material com o qual trabalhar, a FTD decide disponibilizar apenas o disco remasterizado e alguns novos takes, assim como fizera, pelo mesmo motivo, com "Harum Scarum" e "Frankie and Johnny". A melhora do áudio, retirando o ruído de fundo e modificando as faixas mono para soar como estéreo, foi a melhor das jogadas da gravadora para este trabalho. Um livreto de 12 páginas com informações sobre as sessões de gravação, filmagens, fotos de bastidores e promocionais fecha este lançamento.

Abaixo segue resenha do trabalho.
________________________________________________________________________________________________________________

O ÁLBUM ORIGINAL

- 1-10. LP original: Masters como lançados em 1966.

OUTTAKES

- 11. This is My Heaven (Take 4): Pelo timbre de Elvis, ele está se sentindo miserável antes do início deste take. Pudera, estas não eram as melhores músicas do mundo. Com um único take completo antes deste, o cantor ainda está trabalhando a melhor forma de interpretar a música. Ele erra no final e admite: "Não consegui ouvir direito. É difícil, a demo é horrível."

- 12. A Dog's life (Takes 4, 5, 6): Elvis está supreendentemente de bom humor e faz um take quase perfeito, cantando uma linha do hino dos Estados Unidos no final. A tomada 5 é interrompida quando Elvis ri da infantilidade da letra. A sexta tentativa é completa e quase idêntica ao Master, mas Elvis não está contente com os resultados e a música é deixada de lado por algum tempo, sendo terminada no fim naquela sessão.

- 13. Datin' (Takes 6, 7, 8, 11, 12): O take 6 acaba em segundos com Elvis rindo copiosamente por ter se confundido com a letra. "Se eu errar agora, vamos dar um tempo." E ele ri logo no primeiro segundo da tomada 8. Talvez fosse melhor tirar um tempo mesmo, porque a próxima tentativa também o faz rir. Depois de uma tentativa completa, o take 11 traz Elvis tendo problemas com a letra novamente. A tomada 12 é completa e está a menos de meio caminho do Master.

- 14. This is My Heaven (Take 7): Entre os dois takes que foram usados para compor o Master, Elvis faz uma tentativa satisfatória, mas erra o tempo próximo ao fim.

- 15. Drums of the Islands (Takes 4, 5): Aqui encontramos Elvis fazendo o vocal overdub da trilha previamente gravada. Ele erra a letra no take 4, mas entrega uma versão sensacional na sequência que só não é o Master porque o cantor erra no final.

- 16. Queenie Wahine's Papaya (Take 5): Mais um vocal overdub que mostra a dedicação de Elvis até para com as piores músicas de seu repertório. Dave Wiechman parece animado: "Cara, duvido superar esta!" Mas Elvis não se dá por satisfeito e o Master só vem alguns takes depois.

- 17. Stop Where You Are (Take 1): A primeira versão desta música é muito sólida, mas serva mais como ensaio do que qualquer coisa séria. Elvis soa animado e satisfeito no final, estando pronto para tentar o Master.

- 18. House of Sand (Take 3 + Intro): Aqui ouvimos Elvis fazendo um take bastante aproveitável e tentando acertar a introdução em várias tentativas.

- 19. Paradise, Hawaiian Style (Takes 1, 4): Vindo da mesma sessão de "A Dog's Life", ainda encontramos Elvis rindo e se deliciando com a imaturidade do material antes de fazer um take completo. O último minuto da tomada é um splice com o final do take 4.

- 20. Scratch My Back (Take 1): Elvis entrega uma versão excelente  e a repete para o Master no take 2.

- 21. A Dog's Life (Take 8): Uma tomada antes do Master, essa é uma versão que só não funciona completamente porque Elvis cai na risada em meio a ela.

- 22. Sand Castles (Take 1): Este é o Master da versão do filme, que acabou não sendo usado.

- 23. Datin' (Takes 1, 2, 3, 4): As primeiras três tomadas são apenas false starts. Elvis provavelmente está resfriado e isso interfere em seu trabalho no início do take 1. O mesmo acontece no segundo e terceiro. Apesar dos pesares, o take 4 sai quase perfeito.

- 24. This is My Heaven (Takes 1, 2, 3): O primeiro take desanda antes mesmo de Elvis cantar. O segundo é interrompido por Elvis. A tomada três é completa, mas não pode ser usada porque Elvis erra no tempo no final.
________________________________________________________________________________________________________________

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário!

LEMBRE-SE: Não postaremos mensagens com qualquer tipo de ofensa e/ou palavrão.