Elvis Presley Index: The Wonder of You (CD - FTD, 2009)

TRANSLATE THIS SITE / TRADUCIR ESTE SÍTIO

quinta-feira, 7 de abril de 2022

The Wonder of You (CD - FTD, 2009)

Título:
The Wonder of You
Selo:
FTD [FTD 082] [88697 55515 2]
Formato:
CD
Número de faixas:
21
Duração:
68:00
Tipo de álbum:
Concerto
Vinculado a:
Discografia FTD
Ano:
2009
Gravação:
13 de agosto de 1970 DS
Lançamento:
Dezembro de 2008
Singles:
---


The Wonder of You foi o octogésimo segundo CD da FTD. Ele cobre o show das 20h30 de 13 de agosto de 1970 em Las Vegas. O trabalho encontra-se atualmente fora de catálogo.


Quando Elvis retornou aos palcos em 31 de julho de 1969, o sucesso foi tão grande que chegou a ofuscar as comemorações da chegada do homem à Lua onze dias antes. A euforia tomou conta de Las Vegas de um jeito que não se via desde os primórdios da cidade, com hotéis superlotados, pessoas do mundo todo pela Sunset Strip e o International Hotel batendo recordes de reservas e venda de ingressos para um estabelecimento recém aberto. A recepção de Elvis foi mais positiva do que ele esperava e o nervosismo pelo "fracasso de 1956" na cidade logo se tornou entusiasmo para mais shows de sua parte e gravações por parte da RCA. que resultariam no LP "Elvis in Person".

Elvis retornaria ao showroom do International cinco meses depois de sua primeira temporada, em 26 de janeiro de 1970, já com planos sólidos de gravar mais um LP ao vivo. Mas seu triunfal retorno aos palcos após 9 anos de hiato e muitos filmes medíocres requeria algo grande para comemorar o feito, o que o Coronel providenciou junto à MGM. Contrato assinado, Elvis foi incumbido de dar seu melhor perante as câmeras de cinema na temporada de agosto/setembro de 1970, resultando no incrível "That's the Way it is".

Embora a MGM tenha procurado mostrar tudo sobre aquela temporada, muito material ficou de fora. A RCA também não teve interesse em divulgar shows completos de Elvis naquela época, fazendo com que as fitas das apresentações não usadas fossem deixadas de lado. Um dos casos é o desta apresentação, das 20h30 de 13 de agosto de 1970, a última gravada para o filme. Por ter passado décadas em prateleiras empoeiradas, ela acabou perdendo seu brilho até que foi esquecida totalmente. Claro, há outros fatores a se considerar na hora de lançar ou não um show, e parece que o caso aqui é que Elvis realmente soa muito cansado por causa de sua rotina de dois shows ao dia. Parker podia ter pensado melhor e priorizado a qualidade sobre a quantidade naquela temporada., de 10 de agosto a 8 de setembro de 1970, foi algo especial e um grande desafio para Elvis.

Em 2009 a FTD decidiu trabalhar em cima do show para ver se havia potencial de lançamento oficial. A gravadora chamou novamente o editor de áudio Vic Anesini, que havia remixado magnificamente a versão do "Elvis in Person" lançada por ela alguns meses antes, para tentar reavivar a gravação. Ele usou suas técnicas mais modernas e acabou criando um show totalmente novo, onde a vibração da banda e da orquestra junto aos backing vocals quase consegue esconder totalmente o cansaço na voz de Elvis.

Abaixo segue nossa resenha deste CD.
________________________________________________________________________________________________________________

- 1. That's All Right: O som cristalino da banda e dos backing vocals é notado desde o primeiro segundo. Há uma priorização à bateria de Ronnie Tutt e ao baixo de Jerry Scheff no mix, seguido da guitarra de James Burton e de alguns instrumentos da orquestra. Elvis realmente soa bastante cansado desde as primeiras palavras da música, mas a versão ainda assim é extraordinária. "Obrigado. Foi a primeira gravação que fiz."

- 2. I Got a Woman: Depois de um breve "well", Elvis explica: "Acabei de jantar, cara, é difícil." Esta é a versão presente no box de 2000 da Sony, embora lá apareça listada com a data errada. Uma versão boa, mas com metais muito proeminentes que distraem às vezes.

- 3. Hound Dog: "Muito obrigado, senhoras e senhores. Bem-vindos ao International Hotel, eu sou Fats Domino... Gravei uma música em mil novecentos e... Quando foi? Acho que foi antes da Grande Depressão." Elvis não faz sua rotina de trocadilhos sexuais sobre sua namorada com um grande olho quadrado aqui a pedido da MGM. Ele apenas comenta brevemente que se trata daquela história e observa que é a primeira vez que "entro montado em uma cobra vermelha" (referindo-se ao padrão de sua jumpsuit). A versão é muito curta, com apenas um minuto de duração.

- 4. Love Me Tender: "Espero que me perdoem porque durante a noite terei que vir aqui atrás e beber água e algumas coisas... Especialmente algumas coisas... É muito seco aqui em Las Vegas e você precisa se manter hidratado. É vodka pura, só isso." Depois de tirar um tempo para descanso e brincar com a plateia, Elvis fala sobre a próxima música: "Fiz um filme em  mil novecentos... Quando eu era um bebê, realmente... E a canção-título dele era assim." Após alguns segundos, o cantor para a música: "Foi assim mesmo, ladeira abaixo." A rendição é padrão, com Elvis se dedicando às fãs. Ele comenta a alguém sobre seu método para saber se pode ou não beijar uma delas: "Só as beijo se elas sorriem, cara.

- 5. Don't Cry Daddy / 6. In the Ghetto: "Tenho uma gravação que saiu ano passado, era assim." O sucesso de 1969 ganha um novo som aqui, com Elvis mais centrado no mix e os instrumentos nivelados. Esta é a última vez em que ele cantaria "Don't Cry Daddy" e, mesmo cansado, a versão é espetacular. Ela se une em um medley com "In the Ghetto" e foi estranhamente dividida em duas faixas neste CD, também aparecendo aqui em uma de suas últimas rendições. No geral, o medley é muito bom, ainda mais sendo a única vez em que ambas músicas eram interpretadas naquela temporada.

- 7. I Just Can't Help Believin': "BJ Thomas lançou uma nova gravação, senhoras e senhores. Eu particularmente não gosto dela, mas... Não, é uma linda música e eu gostaria de cantá-la para vocês." Cansado, Elvis faz uma versão curta em que enrola uma parte da letra e ri. Ela havia aparecido antes em "Writing For the King", mas aqui soa renovada com o mix de Anesini.

- 8. Stranger in the Crowd: "Vamos ver... Sabem, o que acontece é que estamos fazendo um filme e temos que interpretar muitas músicas novas, então... Vamos tentar cantar as que vocês gostam e tudo mais, mas temos que fazer algumas novas, então apenas aguentem conosco. Esta é uma nova música que gravei para um álbum que deve ser lançado lá por 1982. Se chama 'Stranger in theCrowd'." Elvis claramente adora render a música, mas o fato de errar uma parte da letra talvez tenha sido decisivo para que esta fosse a única rendição dela em toda sua carreira. A guitarra de James Burton, quase ausente em outros lançamentos, brilha magnificamente aqui.

- 9. Make the World Go Away: "Acabei de gravar um álbum country com muitas de minhas músicas country favoritas, e nele há uma que foi escrita antes do nascimento de Roy Acuff... Lá pelos anos 1800. É uma música linda, espero que gostem." Esta é a primeira de apenas 4 rendições desta música. A orquestra foi bem posicionada no mix e mesmo o cansaço de Elvis adiciona um feel diferente à rendição.

- 10. Sweet Caroline: "É hora de trabalhar agora", Elvis comenta enquanto a música inicia. Ele erra a letra e para a rendição com menos de 30 segundos. A segunda tentativa é muito boa, dadas as circunstâncias.  A orquestra soa maravilhosa.

- 11. You've Lost That Lovin' Feelin': É sabido que a rendição mais magistral desta música, que havia entrado para o setlist no dia 10 daquele mês e ano, foi interpretada no dia anterior, mas aqui nem parece que Elvis está interessado nela. Seu cansaço contribui para que ele esqueça ou troque partes da letra. Apesar disso, esta é uma das melhores da noite.

- 12. Polk Salad Annie: Esta versão sensacional fora lançada anteriormente no box "Elvis Aron Presley" de 1980, mas o novo mix faz muita diferença aqui. A orquestra mais proeminente ajuda no andamento da versão, enquanto o baixo dirige o feel para algo mais próximo ao funk setentista. Aumentar o volume dos backing vocals na finalização foi uma jogada de mestre.

- 13. Introductions: Elvis apresenta rapidamente as Sweet Inspirations, The Imperials, James Burton (como Chuck Berry), John Wilkinson, Ronnie Tutt, Jerry Scheff, Glen Hardin, Charlie Hodge (como Kate Smith), Joe Guercio e sua orquestra, e Eddie Graham. Na plateia, o cantor apresenta Art Carney. Ao ser lembrado por Charlie, o Rei do Rock apresenta a soprano Millie Kirkham. Por algum motivo estranho, Elvis decide fazer nesse ponto uma versão truncada de seu monólogo sobre como começou na carreira, citando apenas as apresentações na TV nos anos 1950.

- 14. The Wonder of You: "Lancei uma gravação ano passado... Ou este ano? Foi este ano? Ela se saiu muito bem, gostaria de cantar para vocês." Única versão filmada deste clássico, traz um Elvis que mesmo cansado tenta se superar, mas não consegue elevar esta versão ao patamar do single de abril daquele ano. Sua voz está posicionada mais para trás no mix, enquanto a orquestra aparece proeminentemente.

- 15. Heartbreak Hotel: Um pequeno medley de sucessos dos anos 1950 se inicia aqui. O cansaço aparente do cantor faz com que ele quase arraste a letra no começo, mas, como sempre, esta é uma música que o anima.

- 16. Blue Suede Shoes: Com a voz rouca, Elvis ordena o início da música. Novamente, é uma versão prejudicada por seu cansaço.

- 17. One Night: De maneira similar, a versão agrada, mas não é das melhores. O impulso que as Sweets tentam dar a Elvis é magnífico.

- 18. All Shook Up: "Obrigado. Só temos mais umas 42 para fazer." Elvis escolhe a música e a banda não está preparada, iniciando-a somente com Ronnie Tutt na bateria. É uma versão rápida, apenas para constar.

- 19. Bridge Over Troubled Water: "Esta é a sexta, faltam só mais 44. Vamos falar sério agora." Por incrível que pareça, o cansaço de Elvis ajuda a criar uma melancolia magnífica nesta rendição. Ele soa um pouco contido às vezes, talvez por querer preservar a voz para o show da meia-noite. A decisão de Anesini de colocar a orquestra e backing vocals em evidência não poderia ser mais acertada.

- 20. Suspicious Minds: A bateria é boa e clara aqui. Nada como a performance clássica da noite anterior, mas Elvis ainda está se divertindo. Por alguma estranha razão, a seção de metais perde o tempo e soa terrível. No entanto, Elvis ainda está entusiasmado em tocar este clássico, mesmo que esteja cansado.

- 21. Can't Help Falling in Love: "Vocês são uma plateia linda, senhoras e senhores. Muito obrigado." Com a rendição padrão do clássico de 1961, chega ao fim um dos melhores shows da temporada de agosto/setembro de 1970.
________________________________________________________________________________________________________________

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário!

LEMBRE-SE: Não postaremos mensagens com qualquer tipo de ofensa e/ou palavrão.