Elvis Presley Index: Easy Come, Easy Go (CD/LP - FTD, 2007/2020)

TRANSLATE THIS SITE / TRADUCIR ESTE SÍTIO

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2022

Easy Come, Easy Go (CD/LP - FTD, 2007/2020)

Título:
Easy Come, Easy Go
Selo:
FTD [FTD 065] [88697 03630 2]
Formato:
CD
Número de faixas:
21
Duração:
61:00
Tipo de álbum:
Trilha sonora
Vinculado a:
Discografia FTD
Ano:
2007
Gravação:
28 a 30 de setembro de 1966
Lançamento:
Julho de 2007
Singles:
---


Easy Come, Easy Go foi a vigésima terceira trilha sonora de Elvis e o sexagésimo quinto CD da FTD. Ele reúne as faixas gravadas em 1966 para o filme homônimo e extras das sessões. O trabalho encontra-se atualmente fora de catálogo.

Após a relativa liberdade das sessões de Nashville em maio de 1966, que renderam o disco "How Great Thou Art" e outras músicas mais a seu gosto, Elvis ficou publicamente infeliz com a qualidade das músicas selecionadas para o filme, alegadamente se referindo às seleções como "merdas" durante as sessões. Diferentes fontes relatam que Elvis gravou uma versão vocal de "Leave My Woman Alone" para o filme. Essa afirmação trata-se de um boato, pois só existe um suporte instrumental gravado; Presley nunca gravou o vocal para a música.

Sete músicas foram gravadas para o filme; "She's A Machine" não foi usada, mas seria lançada em "Elvis Sings Flaming Star" no ano seguinte. As seis restantes apareceram no EP da trilha sonora, lançado em 23 de março de 1967, um dia após o filme. O disco não conseguiu figurar na Billboard Hot 100, e vendeu menos de 30.000 unidades nos EUA. A versão britânica do álbum, no entanto, foi ao topo dos gráficos do Reino Unido, apesar de apresentar apenas quatro das seis faixas da edição americana ("The Love Machine" e "You Gotta Stop" foram omitidas). Dado que os EPs já não eram um meio de marketing viável e a má performance do disco, este foi o último lançamento de material novo no formato. Em julho do mesmo ano a trilha foi lançada em LP, embora somente na Nova Zelândia.

Com capa original modernizada e um design atraente, a FTD tentou atrair o público EM 2007 para um lançamento que claramente não tinha muito o que mostrar. Apesar de todos os esforços, pouco material foi disponibilizado e a gravadora se limitou a apenas incluir "She's a Machine" como parte do álbum. Nos extras, alguns takes inéditos se destacam, como o Master de "Leave My Woman Alone". No fechamento do trabalho a FTD disponibiliza um livreto de 12 páginas com posters, capas de discos pelo mundo, memorabilias diversas, storyboards e fotos por trás das câmeras.

Abaixo segue resenha do trabalho.
________________________________________________________________________________________________________________

- 1-6. EP original: Faixas como foram lançadas em 1967.

- 7. She's a Machine: Faixa como lançada em 1968.

- 8. The Love Machine (Takes 1, 2, 3): O primeiro take tem uma introdução bastante psicodélica, mas Elvis o interrompe nos primeiros segundos. "Vou dar só mais uma chance a isso!" A segunda tentativa é parada por um erro da banda. Quando finalmente temos a primeira versão completa, notamos que o som dela é bastante abafado e alguns instrumentos soam bastante afastados. A guitarra é muito proeminente, no entanto, providenciando um ar novo a uma canção que claramente não funciona. Elvis se perde em algumas partes. Ele ainda brigaria com a música por mais 13 takes.

- 9. Sing You Children (Take 1): Para um primeiro take, este é bastante aproveitável e quase merecedor do título de Master. As próximas 16 tentativas  estão perdidas até hoje.

- 10. She’s a Machine (Takes 5, 6, 7): Com os primeiros 4 takes perdidos, começamos com a sessão em andamento. O take 5 mal começa e Elvis interrompe: "Que estática é essa que estou ouvindo nos meus fones?" A primeira tentativa do sexto desmorona no primeiro segundo. Quando parece que a versão vai andar, ela soa um tanto desconexa. Elvis reclama: "O fraseado é péssimo aqui." O take 7 sai melhor, mas ainda assim está longe do Master.

- 11. Easy Come, Easy Go (Take 10): Curiosamente o ritmo aqui é ligeiramente mais agradável do que o do Master, obtido no anterior, apesar de ser o mesmo. O take 10 é o outro único de dois sobreviventes, os oito primeiros foram todos perdidos.

- 12. The Love Machine (Takes 4, 5, 11): Elvis continua perdido no andamento dos takes 4 e 5. Com os próximos 5 perdidos, chegamos em seguida à décima primeira tentativa. Sem erros incapacitantes, este tornou-se o Master alternativo, mas Elvis ainda queria trabalhar em algo melhor.

- 13. I'll Take Love (Takes 1, 2A): O que soava como um bom começo é interrompido por Elvis: "Está muito lento, Harry!" Três inícios falsos se seguem até que a versão seja rendida em sua forma completa. Não é que ela seja tão ruim, o problema é que ela soa insossa.

- 14. She's a Machine (Take 10): A próxima faixa sobrevivente da música é bem interpretada e tem um bom andamento. O Master ainda está por vir.

- 15. Sing You Children (Takes 18, 19): Um take é perdido sem que Elvis se acerte com o início da música. As coisas parecem se acertar no de número 19, produzindo uma versão muito gostosa de ouvir.

- 16. Yoga is as Yoga Does (Takes 5, 6): Este é um exemplo das péssimas músicas que Elvis era obrigado a gravar para os filmes. É incrível podermos notar o tédio e a indignação na voz do cantor.

- 17. The Love Machine (Takes 13, 14): Logo depois de conseguir o Master (Take 12), Elvis tenta uma aproximação diferente. A versão é interrompida quando ele perde o tempo. Na sequência ouvimos o Master do filme, quase igual ao do disco.

- 18. She's a Machine (Take 13): Este é o Master do filme, obtido pouco antes da versão do disco. 

- 19. I'll Take Love (Take 2B): Não muito diferente do Master, este é o último dos únicos 4 takes sobreviventes a aparecer neste CD.

- 20. You Gotta Stop (Instrumental): Faixa instrumental usada para o Master.

- 21. Leave My Woman Alone (Instrumental): Faixa instrumental usada para o Master. A trilha não foi usada no filme e aparece aqui de forma inédita.
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Título:
Easy Come, Easy Go
Selo:
FTD [FTD 326] [506020 975151 2]
Formato:
LP duplo
Número de faixas:
23
Duração:
65:00
Tipo de álbum:
Trilha sonora
Vinculado a:
Discografia FTD
Ano:
2020
Gravação:
28 a 30 de setembro de 1966
Lançamento:
Novembro de 2020
Singles:
---


Easy Come, Easy Go foi a Para a alegria dos fãs de Elvis e do vinil, a FTD produziu uma versão especial em 2020 que trouxe duas músicas a mais - embora não sejam relacionadas ao filme - e quatro minutos de extras. No trabalho constam as faixas:

LP1
LADO A
ÁLBUM ORIGINAL REORGANIZADO
1. Easy Come, Easy Go
2. The Love Machine
3. I’ll Take Love
4. You Gotta Stop
5. Sing You Children
6. Yoga is as Yoga Does
MÚSICAS BÔNUS
7. She’s a Machine
LADO B
8. Come What May
9. Fools Fall in Love
OUTTAKES
10. The Love Machine (Takes 1, 2, 3)
11. She’s a Machine (Takes 5, 6, 7)
12. You Gotta Stop (Instrumental)

LP 2
LADO A
OUTTAKES
1. Easy Come, Easy Go (Take 10)
2. I’ll Take Love (Takes 1, 2A)
3. Leave My Woman Alone (Instrumental)
4. The Love Machine (Takes 4, 5, 11)
5. Sing You Children (Take 1)
6. She’s a Machine (Take 10)
LADO B
7. The Love Machine (Takes 13, 14)
8. I’ll Take Love (Take 2B)
9. She’s a Machine (Take 13, Movie Version)
10. Yoga is as Yoga Does (Takes 5, 6)
11. Sing You Children (Takes 18, 19)

________________________________________________________________________________________________________________

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário!

LEMBRE-SE: Não postaremos mensagens com qualquer tipo de ofensa e/ou palavrão.