Elvis Presley Index: How Great Thou Art (CD/LP - FTD, 2010/2011)

TRANSLATE THIS SITE / TRADUCIR ESTE SÍTIO

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2022

How Great Thou Art (CD/LP - FTD, 2010/2011)

Título:
How Great Thou Art
Selo:
FTD [FTD 092] [506020 975014 2]
Formato:
CD duplo
Número de faixas:
49
Duração:
158:30
Tipo de álbum:
Disco comum
Vinculado a:
Discografia FTD
Ano:
2010
Gravação:
31 de outubro de 1960 / 25 a 27 de maio de 1966
Lançamento: 
Junho de 2010
Singles:
---


How Great Thou Art foi o vigésimo terceiro LP de Elvis, seu 24º pela RCA e seu segundo LP Gospel. Na discografia da FTD, este é seu 92º CD.  As sessões de gravação aconteceram no RCA Studio B em NashvilleTennessee, entre 25 e 27 de maio de 1966. O trabalho encontra-se atualmente fora de catálogo.

Em meados dos anos 1960 a exposição de Elvis nas rádios era baixa e por muitas vezes nula, devido ao fato de que seus LPs de música contemporânea eram escassos naquele período e trilhas sonoras nunca haviam sido bem-vindas nas estações. Seu álbum Gospel anterior, "His Hand In Mine", de 1960, tinha sido um sucesso de vendas para a RCA, o que levou o Coronel a perceber que, como álbuns religiosos eram tocados sistematicamente em todas as estações na Páscoa Natal, nada melhor do que produzir um disco do tipo para reconquistar o espaço.

Outro ponto decisivo foi o fato de que as rádios já não se interessavam em rocks antigos e Elvis lançara seu último trabalho não-trilha sonora com material contemporâneo há quase 5 anos (não contando "Elvis For Everyone!", de 1965, por ser uma compilação de gravações anteriores). Isso, aliado ao declínio das vendas das trilhas sonoras, fez com que o cantor e seu agente adotassem a ideia por completo.

"How Great Thou Art" seria de fato o primeiro disco não-trilha sonora de Presley desde "Pot Luck with Elvis" em 1962, e seu primeiro álbum a não incluir quaisquer gravações de trilhas sonoras desde "His Hand In Mine", em 1960. Este disco também introduziu o trabalho do produtor Felton Jarvis, que continuaria com Elvis pelo resto de sua carreira.

Enquanto as sessões de gravação progrediam, Elvis rejeitou muitas das músicas planejadas para o projeto, substituindo-as por canções de sua preferência ou sugestões dos seus músicos. Cinco delas estavam em domínio público, o que possibilitou que fossem lançadas pela Elvis Presley Music e arranjadas pelo cantor. Outras sete faixas foram concluídas para o álbum, e a faixa 13 trouxe "Crying in the Chapel", gravada durante as sessões para "His Hand In Mine" em 1960 e lançada como single somente 5 anos depois. As sessões também produziram o single "Love Letters", dois lados B, e duas músicas adicionais que seriam acrescentadas ao disco de "Spinout" no fim daquele ano.

O álbum alcançou a 18ª posição no Top Pop Albums e foi certificado como Ouro em 16 de fevereiro de 1968, Platina 2x Platina em 27 de março de 1992, e 3x Platina em 13 de outubro de 2010 pela RIAA. O trabalho ganhou um Grammy Award na categoria de Melhor Performance Sacra de 1967.

Em 2008, a Sony Music relançou o disco em versão remasterizada e com três faixas bônus ("You'll Never Walk Alone", "We Call On Him" e "Who Am I?"), mas foi a Follow That Dream, dois anos depois, que finalmente trouxe ao público as verdadeiras e inéditas pérolas deste disco.

Com material suficiente para trabalhar, a FTD quis presentear os fãs com um álbum totalmente remasterizado e cheio de takes alternativos cobrindo gravações de maio de 1966 a setembro de 1967, as quais incluíam os trabalhos disposto no relançamento da RCA em 2008. Na sequência a gravadora traz alguns dos takes alternativos mais aguardados pelos fãs, os quais nunca haviam sido lançados anteriormente e compunham os materiais  para LPs de 1967 a 1971. Finalizando o CD, FTD disponibiliza um livreto de 12 páginas cheio de informações sobre os takes e o LP original, capas do disco pelo mundo e memorabilia em geral.

Abaixo segue resenha do trabalho.
________________________________________________________________________________________________________________

CD 1 - O ÁLBUM ORIGINAL

- 1-13. LP original: Masters como lançados em 1967.

MÚSICAS BÔNUS

- 14. You'll Never Walk Alone: Master como lançado em 1968.

- 15. We Call On Him: Master como lançado em 1968.

- 16. If Every Day Was Like Christmas: Master como lançado em 1966.

PRIMEIROS TAKES

- 17. How Great Thou Art (Takes 1, 2): "Rodando, esta é 'How Great Thou Art', take 1", anuncia Felton Jarvis. A tomada falha em segundos. Na segunda tentativa, Elvis faz um trabalho perfeito, dando a todos a segurança para tentar um Master. Não à toa, ele viria no take 4, após um false start no terceiro.

- 18. Somebody Bigger Than You and I (Takes 1, 3, 11): O take 1 trata-se apenas de segundos de conversas de estúdio, enquanto o terceiro é um false start longo em que Elvis desafina. O cantor tenta emular a voz extremamente grave do cantor original, Jimmy Jones, mas sem conseguir manter as notas pelo tempo correto. Oito takes depois, ele ainda encontrava dificuldades em atingir uma nota alta em particular. O Master seria construído unindo partes do Take 16 ao Take 6 WP, trabalhando mais tarde naquele dia. Os takes 2, 4 a 10 e 16 não foram trabalhados pela FTD neste lançamento.

- 19. Stand By Me (Takes 1 - 2nd FS, 2): A música mais forte do álbum depois da que dá seu título começa a ser trabalhada. Somente o segundo false start do take 1 é ouvido aqui, seguido de uma tomada completa e muito bem executada.

- 20. Without Him (Take 1): Gospel era o refúgio de Elvis e aqui podemos ouvir que ele está muito leve e de bom humor logo no início. Não fosse por pequenos erros na letra e o rangido dos sapatos de Elvis em partes da gravação, este take poderia muito bem ter sido usado no lugar do Master (Take 12), que só se diferencia por ter um tempo mais rápido e um arranjo de bateria que só havia sido adicionado no take 8.

- 21. So High (Take 1): Já entrando na madrugada do dia 27, Elvis começa a trabalhar em mais faixas para "How Great Thou Art". Como sempre, os primeiros takes não decepcionam e surpreendem. Felton Jarvis autoriza: "Deixem rolar!". O resultado é uma versão mais crua e mais lenta do que a do Master (Take 4), com todos batendo palmas e com uma verdadeira atmosfera das igrejas negras que Elvis tanto adorava.

- 22. By and By (Take 4): Com os primeiros três takes abortados, este é o que finalmente veio completo. Não há muito erros aqui, mas certamente Elvis gostaria de corrigir algo que o incomodava. Não à toa, os próximos 4 takes seriam todos de false starts.

- 23. If the Lord Wasn't Walking By My Side (Take 1): O clássico do pianista e compositor do The Imperials, Henry Slaughter, é o próximo a ser trabalhado. Este take tem um feel mais rock 'n' roll e realmente é maravilhoso.

- 24. Run On (Takes 1, 2): Tendo suas raízes no sul escravagista dos EUA, a música é uma celebração do poder da oração frente aos desafios daqueles tempos. Elvis faz um bom take 1, mas erra o momento de entrar quase no final e o aborta. a tomada 2 é mais forte e puxada ao funk do que o Master (Take 7), o que dá um ótimo início aos trabalhos - ainda mais por ser uma das canções preferidas de Elvis.

- 25. Where No One Stands Alone (Spliced Takes 1, 4): Esta é uma edição de parte do take 1 - o qual teve parte cortada da fita ou nunca foi completado - e a parte final do Master Take 4. Esta versão sem overdubs soa ainda mais poderosa do que a do disco.

- 26. You'll Never Walk Alone (Take 1): Na noite de 11 de setembro de 1967, Elvis grava um sucesso de 1945 que era relembrado mesmo mais de vinte anos depois. Tocando piano, o cantor faz com que a banda e os backing vocals trabalhem bastante para acompanhá-lo. Na metade do take, Elvis para e recomeça a canção imediatamente e é esta segunda parte que seria usada em um splice com parte do take 8 para criar o Master ouvido no lado B do single de "We Call On Him".

- 27. We Call On Him (Takes 1, 2): Na mesma noite Elvis trabalharia em outro Gospel bonito e subestimado. Dois false starts cancelam o take 1, que é seguido de uma versão completa no segundo. Elvis produziria 9 takes até que se satisfizesse e escolhesse o último como Master.

CD 2 - SESSÕES DE GRAVAÇÃO

SESSÕES DE MAIO DE 1966

- 1. Run On (Takes 3, 4, 5, 6): O então inédito take 3 tem um andamento muito bom, mas Elvis erra e o para. O mesmo ocorrem com as tomadas 4 e 5. A sexta tentativa é fascinante. Além deste e do Master (Take 7), só existe mais um take completo, o 2. A única mudança significante para com a versão do Master é a linha adicional que Elvis canta no final.

- 2. Stand By Me (Takes 5, 6, 7): Contam as histórias que Elvis pediu que as luzes do estúdio fossem apagadas para que ele pudesse entrar na sintonia certa para a canção. Seja verdade ou não, qualquer técnica que tenha sido usado deu certo. Três false starts em 2 takes levam à tomada 7 e o que se segue são dois minutos e meio de pura magia. Elvis ainda trabalharia nela até obter o Master (Take 11).

- 3. Stand By Me (Takes 8, 9, 10): Alguns diálogos do take 8 são ouvidos antes de um false start longo em que Elvis ainda está ensaiando alguns detalhes e por isso erra a letra. 

- 4. Where No One Stands Alone (Spliced Takes 2, 3 & Workpart Take 1): Elvis acerta alguns últimos detalhes e faz mais uma tentativa. O piano faz um trabalho excepcional aqui, mas o cantor erra e para a gravação. A terceira tomada é quase completa, mas Elvis admite que perdeu o andamento. Após o Master (Take 4), Felton, Elvis e os músicos trabalham em uma parte pequena do final da música, o qual soa magnífico mas ainda não perfeito.

- 5. Where No One Stands Alone (Workpart Takes 2 - 2nd FS, 3, 5): Elvis não está satisfeito com a finalização da música e continua a executa-la até que tudo saia certo. Um breve false start leva ao terceiro take, que é melhor em comparação. Na quinta tomada, pode-se ouvir claramente que um dos backing vocals saiu do ritmo. O sétimo take seria o Master desta workpart.

- 6. So High (Takes 2, 3): Se "Run On" era uma das preferidas de Elvis, esta era "a" preferida. O cantor usa toda sua voz para correr pelos graves a agudos enquanto a harmonia é bem mais levada pelas palmas dos backing vocals do que no Master (Take 4), onde é a bateria de Murrey 'Buddy' Harman que predomina.

- 7. Farther Along (Takes 1 LFS, 2): O primeiro false start do take 1 é omitido aqui, e por isso somente o false start mais longo - em que Elvis desafina - é ouvido. A tomada 2 é completa e uma frase dela foi usada no splice do Master (Takes 2, 3).

- 8. By and By (Takes 1, 2, 3, 4 FS, 5 - 2nd FS, 7): Aqui a FTD faz uma coleção de false starts, colando as tentativas falhas umas às outras. Para isso, o take completo após a parte falha da tomada 4 é omitido.

- 9. By and By (Takes 8, 9): A coleção de false starts continua aqui, com 2 na tomada 8 e mais um na nona. O take 9 finalmente sai completo e o Master vem na sequência (Take 10).

- 10. In the Garden (Takes 1, 2, 3 - Undubbed Master): Elvis trabalha na abertura da música nos dois primeiros takes. A tomada 3, a primeira e única completa, é o Master sem overdubs.

- 11. Somebody Bigger Than You and I (Take 12): Aqui Elvis demonstra toda sua técnica ao usar sua voz grave. Esta versão é bem parecida com o Master (Take 16), à exceção de que o piano soa mais proeminente e não há o eco adicionado na sessão de overdubs.

- 12. Somebody Bigger Than You and I (Takes 13, 14, 15 & Workpart Take 5): Dois false starts trazem Elvis tentando encontrar um jeito de iniciar a música. Quando ele finalmente acerta um take completo, logo após outro início falso, a rendição é linda. Mesmo assim, o cantor ainda quer melhorar o final e trabalha na quinta workpart com sucesso.

- 13. Without Him (Takes 4 - 1st FS, 8): Talvez seja a adoração de Elvis pelo Gospel que deixa tudo perfeito, mas o fato é que o take 8, após dois false starts, é fantástico.

- 14. Without Him (Takes 11, 13, 14): Elvis quase acerta o passo no take 11, mas erra a letra na marca de 1 minuto. Após corrigir, a tomada 12 foi o Master. Embora já tivesse conseguido seu objetivo, o cantor ainda acha que pode fazer melhor e inicia uma 13ª tentativa, que falha rapidamente. O take 14 é completo e repete a perfeição do 12º.

- 15. If the Lord Wasn't Walking By My Side (Takes 2, 3, 4): Elvis se perde na letra e para o take 2. Ele pede que a banda deixe o tempo um pouco mais rápido, mas a tomada 3 falha nos primeiros segundos. Com uma quarta tentativa completa e satisfatória, Elvis consegue o Master na tomada seguinte.

- 16. If the Lord Wasn't Walking By My Side (Take 6): Elvis novamente sente que poderia melhorar o Master (Take 5) e faz uma rendição fantástica

SESSÕES DE JUNHO DE 1966

- 17. If Every Day Was Like Christmas (Takes 1, 2 - Undubbed Master)Esta é uma sessão de overdub vocal e Elvis está bem humorado. Ele erra o início do take 1 e ri copiosamente. A segunda e última tomada é o Master sem overdubs.

SESSÕES DE SETEMBRO DE 1967

- 18. We Call On Him (Takes 4, 5): Gravada durante uma sessão avulsa entre os trabalhos para "Clambake", a mesma que trouxe clássicos como "Guitar Man" e "Hi-Heel Sneakers", esta canção acabou sendo lançada somente em 26 de março de 1968 como faixa-título de um single que trazia "You'll Never Walk Alone", da mesma sessão, no lado B. O descontentamento de Elvis com o início do take 4 mostra seu perfeccionismo e traz uma versão bastante adorável e bem próxima ao Master (Take 9) na sequência.

- 19. We Call On Him (Take 7): O órgão está mais presente neste take, o que dá uma sensação bastante diferente. Em termos gerais, ele é novamente bem próximo ao Master.

- 20. We Call On Him (Take 8): Aqui já ouvimos os tons do Master tomando forma mais clara. Apenas alguns ajustes e a próxima tomada seria a vencedora.

- 21. You'll Never Walk Alone (Take 2): Os pequenos problemas detectados no take 1 vão começando a desaparecer aqui. Elvis está mais confiante com a música e produz uma versão apaixonante e bem interpretada.

- 22. You'll Never Walk Alone (Takes 3, 4, 5, 6, 8): Embora confiante, Elvis ainda percebe que pode melhorar algumas partes. Isso leva a uma sequência de 4 false starts em que ele não consegue se acertar com a hora de entrar na música, erra a letra ou não alcança uma nota. Já na oitava tentativa e com outro false start, o cantor decide ensaiar a música. Os 30 segundos iniciais deste último take foram usados no splice do Master

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Título:

How Great Thou Art
Selo:
FTD 294 [506020 975016 6]
Formato:
LP duplo
Número de faixas:
27
Duração:
85:00
Vinculado a:
Discografia FTD
Ano:
2011
Gravação:
31 de outubro de 1960 / 25 a 27 de maio de 1966
Lançamento:
Maio de 2011
Singles:
---




Um ano depois, a gravadora lançou um LP duplo contendo alguns dos melhores takes e outtakes presentes no CD de 2010. No trabalho constam as faixas:

LP 1
LADO A
1. How Great Thou Art (Master)
2. In the Garden (Master)
3. Somebody Bigger Than You and I (Master)
4. Farther Along (Master)
5. Stand By Me (Master)
6. Without Him (Master)
7. How Great Thou Art (Takes 1, 2)
LADO B
8. So High (Master)
9. Where Could I Go But to the Lord (Master)
10. By and By (Master)
11. If the Lord Wasn't Walking By My Side (Master)
12. Run On (Master)
13. Where No One Stands Alone (Master)
14. Crying in the Chapel (Master)
15. Somebody Bigger Than You and I (Takes 14, 15 & Workpart Take 5)

LP 2
LADO A
1. Run On (Takes 1, 2)
2. Stand By Me (Takes 9, 10)
3. So High (Take 1)
4. By and By (Takes 1, 2, 3, 4, 5, 7)
5. By and By (Takes 8, 9)
6. Beyond The Reef (Master)
LADO B
7. If the Lord Wasn't Walking By My Side (Take 1)
8. Without Him (Take 1)
9. Somebody Bigger Than You and I (Take 12)
10. In the Garden (Takes 1-3)
11. Run On (Takes 3-6)
12. Where No One Stands Alone (Takes 2, 3 & Workpart Take 5)

_________________________________________________________________________________________________________________

VERSÃO COMPLEMENTAR

Título:
His Songs of Praise, Volume 1
Selo:
FTD 216 [506020 975103 2]
Formato:
Livro + CD
Número de faixas:
30
Duração:
75:00
Vinculado a:
Discografia FTD
Ano:
2016
Gravação:
12 de janeiro de 1957 a 8 de fevereiro de 1976
Lançamento:
Setembro de 2016
Singles:
---




Em 2016 a FTD lançou um livro falando da ligação de Elvis com o Gospel e detalhando as 100 melhores músicas do estilo gravadas por ele. O trabalho incluía um CD com 30 faixas do gênero, entre elas o programa completo do Domingo de Ramos de 1967, 19 de março, transmitido pela rádio KVIO de Sedona, Arizona, com a promoção do disco "How Great Thou Art" através da reprodução de 8 de suas 13 faixas. No trabalho constam as faixas:

TAKES E OUTTAKES GOSPEL
1. Introduction by Elvis & Amazing Grace (Take 2)
2. America the Beautiful (Composite)
3. Amen (Live in Memphis - March 20th, 1974)
4. An American Trilogy (Live in Honolulu, Hawaii - January 14th, 1973)
5. An Evening Prayer (Take 8)
6. Bridge Over Troubled Water (Unedited/Undubbed Master)
7. He Touched Me (Take 1)
8. Help Me (Undubbed Master)
9. I Believe (March of Dimes Master Edit)
10. If That isn't Love (Take 4)
11. If We Never Meet Again (Take 1)
12. Elvis talks about Spiritual music & Joshua Fit the Battle (Take 4)
13. In My Father's House (Take 8)
14. Known Only to Him (Take 2)
15. Elvis talks & I'm Gonna Walk 'Dem Golden Stairs (Take 4)
16. Miracle of the Rosary (Take 4)
ELVIS PRESLEY SPECIAL: PALM SUNDAY - PROGRAMA DE RÁDIO DE 19 DE MARÇO DE 1967
17. Introduction Radio Station KVIO - Sedona, AZ
18. Announcer: How Great Thou Art
19. In the Garden
20. Announcer: Somebody Bigger Than You and I
21. Stand By Me
22. Announcer: Without Him
23. Where Could I Go But to the Lord
24. Announcer & Red Cross Message
25. Announcer: Where No One Stands Alone
26. Announcer: Crying in the Chapel
27. Announcer & KVIO: Farewell & Advert For How Great Thou Art Album
MÚSICAS BÔNUS
28. Listen to the Bells (Informal Jam with The Imperials Quartet)
29. Hide Thou Me (Elvis at the piano - singing Gospel at home, 1966)
30. If I Can Dream (Album Master)
_________________________________________________________________________________________________________________

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário!

LEMBRE-SE: Não postaremos mensagens com qualquer tipo de ofensa e/ou palavrão.