Elvis Presley Index: Another Saturday Night - Shreveport 1975 (CD - FTD, 2012)

TRANSLATE THIS SITE / TRADUCIR ESTE SÍTIO

terça-feira, 7 de junho de 2022

Another Saturday Night - Shreveport 1975 (CD - FTD, 2012)

Título:
Another Saturday Night - Shreveport 1975
Selo:
FTD [FTD 110] [506020 795040 8]
Formato:
CD
Número de faixas:
25
Duração:
77:00
Tipo de álbum:
Concerto
Vinculado a:
Discografia FTD
Ano:
2012
Gravação:
2, 3 & 7 de junho de 1975
Lançamento:
Maio de 2012
Singles:
---


Another Saturday Night - Shreveport 1975 foi o 110º CD da FTD. Ele cobre o concerto de 7 de junho de 1975 em Shreveport, Louisiana, e apresenta faixas bônus de 2 e 3 de junho do mesmo ano em Mobile e Tuscaloosa, ambos na Louisiana, respectivamente. O trabalho está atualmente fora de catálogo.

Em meados de 1975, Elvis estava de volta em boa forma e se divertindo no palco. Tendo emagrecido e ficando ótimo em seus novos jumpsuits, ele parecia rejuvenescido e feliz por estar de volta ao palco.

O Memphis Commercial Appeal notou perfeitamente na resenha do show de Memphis em 10 de junho: "Não parecia importar o que Elvis cantava, a plateia ficava louca cada vez que ele se movia e ele deixava claro que sabia o que os estava excitando."

De fato, o verão de 1975 sempre foi um período popular entre os fãs de Elvis. Foi um retorno positivo da montanha-russa emocional de 1974 e antes da queda de 1976.  O show de 6 de junho em Dallas, apresentado na caixa "Elvis Aron Presley" de 1980, foi, de fato, o primeiro lançamento oficial de um soundboard do período e passou essa impressão de renovação magnificamente.

Mais de 30 anos depois, a FTD começou a trazer os encantos dessa maravilhosa temporada em "Southern Nights" e "Dixieland Delight", apresentações que eram de conhecimento público em bootlegs.

Neste trabalho a FTD traz pela primeira vez o únco show da temporada que ainda não havia sido lançado nem em sounbdboard nem em gravação caseira. Pela primeira vez, a magnífica turnê de 12 dias está completa e totalmente lançada.

Abaixo segue nossa resenha deste trabalho.
-----------------------------------------------------------------------------------------------


7 DE JUNHO DE 1975 - SHREVEPORT, LOUISIANA

- 1. Also Sprach Zarathustra (10 de junho de 1975): A essa altura já era costume não gravar o início dos shows, então a FTD recorreu ao show de Memphis em 10 de junho para trazer o show do dia 7 aparentemente completo em sua três primeiras faixas.

- 2. See See Rider (10 de junho de 1975): Em Memphis, Elvis estava vocalmente forte e isso fica claro nesta versão. Ele brinca com a banda, com o público e com as notas como se fosse 1970.

- 3. I Got a Woman / Amen (10 de junho de 1975): É por isso que "I Got a Woman" é uma excelente versão do clássico de Ray Charles. O ritmo é muito mais rápido do que o normal e o cantor soa como se realmente quisesse dar o seu melhor - e ele estava dando!

- 4. Love Me: Aqui a fita de origem muda para o concerto real de 7 de junho de 1975 às 20h30. "Acabamos de explodir os alto-falantes, não é? Muito obrigado. Boa noite, senhoras e senhores. Olá! É um prazer estar de volta a Shreveport. (...) Este foi meu primeiro trabalho, como sabem, em Shreveport. E se o som acabar, pode ser o meu último!" A rendição é puramente rotineira.

- 5. If You Love Me (Let Me Know): Depois de beijar alguém, Elvis brinca: "Eu tenho que te contar uma coisa para você contar ao seu marido ou seja lá o que for. Eu beijei alguém ontem à noite, sabe? E peguei uma infecção. Você não se importa? Ela disse 'eu não me importo!'" É uma versão muito boa, embora pareça que está começando a ser tratada como rotina.

- 6. Love Me Tender: "Meu primeiro filme foi 'Love Me Tender', então eu gostaria de cantar um pouco disso para vocês." Quando uma fã pede um lenço, Elvis diz a ela que precisa limpar o suor com ele antes de dar a ela e então brinca: "Eu uso desodorante, juro, querida". Quanto à música, é tão rotineira como sempre.

- 7. All Shook Up: Uma versão mediana, mas muito boa.

- 8. Teddy Bear / Don't Be Cruel: No geral, Elvis está mais centrado nos fãs do que realmente cantando.

- 9. Hound Dog: Parece ser cantada porque é esperado de Elvis e extremamente rotineira.

- 10. The Wonder of You: "Esta próxima música é uma música que fizemos alguns anos atrás, chamada 'The Wonder of You'." Esta é definitivamente a primeira vez na noite em que Elvis parece entusiasmado. Esta é uma excelente versão com Elvis cantando tudo o que pode e com uma finalização forte.

- 11. Burning Love: "Muito obrigado. Vamos lá!" Elvis realmente parece estar vivo para o show agora. O cantor faz um trabalho muito bom e a banda o apoia maravilhosamente. O final é soberbo.

- 12. Introductions / Johnny B. Goode / Solos: As introduções da banda seguem normalmente. "As jovens moças que abriram nosso show hoje à noite - bem, elas costumavam ser jovens" The Sweet Inspirations, JD Sumner e The Stamps Quartet, "a garotinha que faz a voz alta cantando" Kathy Westmoreland, John Wilkinson (sem solo) e "na guitarra lead, de Shreveport" James Burton com seu solo. Elvis fala sobre coincidências: "Eu meio que percebi que esta é a cidade natal de James. É estranho como as coisas funcionam, porque dezenove anos atrás meu primeiro trabalho foi aqui e James é daqui, e ele é meu guitarrista. É estranho, sabe? Ele é um cara estranho!" Continuando as introduções, é hora dos solos de Ronnie Tutt e Jerry Scheff.

- 13. Introductions / Solos: Após as apresentações estão o solo de Glen Hardin, Charlie Hodge, o grupo Voice, o maestro Marty Carrell ("porque Joe Guercio teve que ir a um casamento polonês para tirar as moscas da noiva") e o solo da orquestra.

- 14. T.R.O.U.B.L.E.: "Nós temos uma nova música, senhoras e senhores, que saiu cerca de dez dias atrás, chamado 'T.R.O.U.B.L.E.'. E tem muitas palavras nela, e eu não tenho muita certeza delas, mas... Se você ficar para trás nesse tipo de música, você simplesmente não consegue acompanhar." Apesar de sua insegurança, esta é uma das melhores versões de todos os tempos! Não há mudanças de ritmo, nenhuma palavra perdida, nenhum trecho arrastado. Elvis se engaja com as Sweets no final, e é simplesmente fantástico.

- 15. Why Me Lord: "Gostaria de pedir ao The Stamps Quartet para fazer uma música, senhoras e senhores. 'Why Me Lord'." Claro que Elvis iria usá-la para tentar fazer JD rir, como sempre. No geral, é uma versão muito boa - mesmo com JD se perdendo completamente! "Estou brincando, JD. Estou brincando, você sabe."

- 16. How Great Thou Art: "Gostaria de fazer uma música Gospel. Essa inclui os Stamps, 'How Great Thou Art'." Segue-se uma versão incrível e dá-nos realmente vontade de estar lá, mas Elvis não está muito satisfeito com a sua interpretação: "Posso fazer um pouco melhor. Posso fazer um pouco melhor, veja, porque perdi essa primeira parte." O cantor usa algumas abordagens diferentes na reprise e é fantástico novamente.

- 17. Let Me Be There: Uma versão sincera com o usual final duplo, mas muito rotineira.

- 18. An American Trilogy: Aqui é onde as opiniões divergem. Se você não se incomodar com os comentários engraçados de Elvis no meio da música, tudo bem; se sim, isso será difícil. Ele troca "Dixieland" por "Disneyland" e então diz aos Stamps que eles estão em Dixieland durante seu solo. Uma interação irritante para alguns, uma tomada muito engraçada para outros. Quando chega ao âmago da questão, Elvis oferece uma versão fantástica que pode ser facilmente comparada às incríveis primeiras versões de 1972.

- 19. Funny How Time Slips Away: "Agora que vocês tiveram a chance de nos ver, eu gostaria de acender as luzes da casa para que eu possa dar uma olhada em vocês, porque eu não posso ver daqui." Elvis faz uma bela versão, mas o desespero e a ousadia das garotas o fazem rir deliciosamente durante a versão.

- 20. Little Darlin': Bastante rotineira, mas com Elvis brincando um pouco mais com as letras.

 - 21. Mystery Train / Tiger Man: "Esta próxima música, foi um dos meus primeiros discos." Um sucesso do Sun Studio que sempre emociona o público. Você pode ouvir as garotas gritando enquanto ele tenta alguns movimentos de karatê.

- 22. Can't Help Falling in Love / Closing Vamp: "Senhoras e senhores, eu gostaria de dizer que vocês foram um público fantástico para se trabalhar, e sempre que quiserem que voltemos a Shreveport, apenas nos chamem. Até lá, Deus os abençoe e tomem cuidado ao irem para casa." Elvis termina a sua atuação com mais uma encantadora versão da canção de 1961 enquanto distribui os últimos lenços e beijos aos fãs. O "Closing Vamp" tem um fade rápido.

BÔNUS

- 23. I'll Remember You [2 de junho de 1975 AS]: "Esta próxima música é do especial Aloha que fizemos no Havaí cerca de um ano e meio atrás, chamada 'I'll Remember You'." O áudio em Mobile parece mais cheio do que em Shreveport. A interpretação de Elvis é cheia de emoção e muito bem feita para uma semi-raridade àquele momento.

- 24. Hawaiian Wedding Song [3 de junho de 1975 AS]: O show da tarde em Tuscaloosa tem outra rara surpresa. Tocada apenas 10 vezes em 1975, esta música é feita de forma muito terna e com um tom muito sutil.

- 25. Bridge Over Troubled Water [3 de junho de 1975 ES]: O show noturno em Tuscaloosa traz outra grande raridade, com apenas 8 interpretações em 1975. O ritmo suave e o piano de Glen Hardin fazem com que pareça uma nova versão de 1970, embora você possa notar claramente que a voz de Elvis está muito mais experiente.
-----------------------------------------------------------------------------------------------


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário!

LEMBRE-SE: Não postaremos mensagens com qualquer tipo de ofensa e/ou palavrão.